"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

terça-feira, 28 de outubro de 2014

APENAS UM VAGABUNDO


Milton Pires

Quando eu discuti com uma colega de trabalho (médica) por causa da conduta técnica em relação a uma paciente e dela recebi um encontrão, a primeira coisa que o Grupo Hospitalar Conceição “do B” aqui em Porto Alegre fez, além de me afastar, foi argumentar que havia contra mim uma queixa na “Delegacia da Mulher”. Quando, como cidadão e eleitor, chamei a “presidenta” Dilma daquilo que merecia nas redes sociais, além das ameaças de morte, tive que ler de pessoas que sequer conheço que “jamais consultariam com um médico assim”. Não é preciso, meus amigos, ser muito inteligente para imaginar que falta agora a essa gente fazer uma acusação contra mim por “eu ter matado meu cachorro” ou “cortado uma árvore na frente da minha casa”. O que quero dizer com isso? Quero afirmar que existe, dentro da sociedade brasileira, um tipo de discurso do qual os marginais mensaleiros se tornaram proprietários – aquele da “correção política”. Nada mais perfeito do que um médico (que simplesmente por ser médico já “deve odiar pobres”) bater em mulher, matar animais e cortar árvores, não é mesmo? Esse tipo de sujeito é o estereótipo das “classes dominantes” que o PT precisa manter vivo no inconsciente da população.
Depois da “vitória” de Dilma nas eleições do último domingo, começou a circular pelas redes sociais um tipo de comentário que muito tem me deixado preocupado. São críticas ferozes em relação aos brasileiros do nordeste do país e incitações à separação dos demais estados da federação daquela região. Nada, nesse momento, pode ser mais conveniente aos marginais do PT! Isso vem como um presente, como um convite certo a mais críticas ainda “ao preconceito”..a “xenofobia” e outras palavras que esses animais tem sempre na ponta da língua para atacar seus opositores.
Todo cuidado, pois, nessa hora para que discurso algum seja feito contra negros, nordestinos, gays, ateus ou qualquer segmento da população brasileira identificado pelos bandidos do poder como “minorias”. O partido religião roubou dessas pessoas o direito de falar em nome próprio. Acredita ele, partido, ser o porta-voz de toda essa gente e ter uma espécie de direito adquirido ao seu voto e capital eleitoral em qualquer pleito. Todo discurso de oposição que se destina a colocar o PT na ilegalidade deve ser feito no sentido de demonstrar sua ligação com o Foro de São Paulo, com o narcotráfico, com a ligação de Dilma e Lula com o escândalo da PETROBRÁS e com os indícios, cada vez mais fortes, da gigantesca fraude nas urnas eletrônicas usadas no último dia 26. Devemos lembrar que preside o Tribunal Superior Eleitoral um advogado petista que não teve sequer, durante sua vida, a competência necessária para passar num concurso para juiz.
Meus amigos, é importante não dar “munição ao PT”. Um vagabundo petista não é assim definido por ter votado no PT ou por ter se beneficiado pelo bolsa família no interior do Piauí mas sim pelo fato de tomar café com Chico Buarque (esse sim, um farrapo humano que negou sua história) em Paris defendendo esse tipo de coisa sem precisar dela. Ele não é vagabundo por ter votado na Dilma, por causa do lugar onde nasceu, por causa da cor da pele ou do comportamento na cama. Ele o é quando estudou, conhece e apoia um partido associado ao crime organizado que quer transformar o Brasil numa gigantesca Cuba ou numa pequena China...Ele é marginal e não merece respeito por celebrar uma força política ligada ao Foro de São Paulo que tentou, e ainda continuará tentando, comprar o Congresso Brasileiro inteiro. O vagabundo petista não é vagabundo por ser ateu, lésbica ou gay...não é um farsante por ser analfabeto ou precisar de cotas para entrar na universidade. Ele é um bandido diferenciado que apoia uma ideologia genocida que matou mais cem milhões de pessoas durante o século XX. Por favor não adjetivem um vagabundo petista com nenhuma outra palavra. Não ataquem minorias nem desprezem regiões inteiras do Brasil por causa de resultados eleitorais que sequer sabemos se são verdadeiros. Não elaborem fantasias nem construam hipóteses a respeito do vagabundo petista nem chamem de vagabundos os milhões de brasileiros que votaram nesses marginais. O verdadeiro petista não é nada de mais...não existe nele acidente capaz de modificar a sua mais pura substância. O petista não precisa de nada daquilo que vende para que alguém vote nele e ele mesmo sequer precisaria votar nessa imundície chamada PT. Ele não depende daquilo que prega para sobreviver e não passa de um simples estelionatário que guardou na cabeça alguns slogans dos anos 60. Um vagabundo petista não é nada mais do que isso – apenas um vagabundo..

Dedicado aos bons vagabundos brasileiros...Eles não merecem ter petistas entre eles...

Porto Alegre, 28 de outubro de 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.