"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sexta-feira, 30 de maio de 2014

CONFIANÇA NO PT


BRASIL 8243



Milton Pires

Tendo falhado na tentativa de comprar todo Congresso Nacional o PT entrou, desde 2013 e até antes, numa nova fase: a fase do “golpe constitucional”. Trata-se de emitir decretos e mais decretos, medidas provisórias e mais medidas provisórias que vão, aos poucos, mudando todo regime de governo sem que ninguém perceba. Aproxima-se agora, com a Copa do Mundo, um período em que nove entre cada dez brasileiros vão estar pensando em futebol. O décimo; talvez se preocupe com greves e ônibus incendiados mas não haverá um só, apenas um, capaz de se lembrar de acompanhar, no próprio Diário Oficial da Revolução, aquilo que o partido estará encaminhando para votação e aprovando na frente das câmeras de televisão e de todo país.
A mais recente de todas as barbaridades protagonizadas pela Presidência da República chama-se “Decreto 8243”. Não é preciso ser formado em Direito ou Ciência Política para entender do que se trata. O PT simplesmente rasga a Constituição Federal e, com um palavreado digno de uma reunião de Diretório Central de Estudantes, amplia de uma maneira como “nunca antes na história desse país” os mecanismos do chamado “controle social”.
Sobre esse último termo melhor seria dizer tratar-se de “controle socialista” do que aceitar goela abaixo a ideia de que a sociedade civil encontra-se ali representada já que, sem pudor algum, o próprio Partido-Religião aceita, no segundo artigo do decreto, a existência de movimentos “não institucionalizados” na sua composição.
Não vou aqui descrever todas as barbaridades e consequências trazidas pelo Decreto 8243. Digo apenas ser necessário deter-se sobre breves menções feitas nele, pelo partido, às democracias representativas, participativas e diretas pois é na diferença entre elas que está a chave para entender a intenção do PT. Resumidamente, eu diria a vocês que a diferença fundamental entre elas dá-se em relação àquilo que o PT mais urgentemente precisa destruir no Brasil: a institucionalização da sociedade. Desde a representação formal através de deputados e senadores até movimentos que sobem a rampa do Congresso Nacional o que se perde é isso: a institucionalização..a organização formal da sociedade através de pessoas, forças ou movimentos que, possuindo personalidade jurídica, podem tornar-se alvos do devido processo legal..e é isso que o PT, cada vez mais, precisa evitar construindo um mundo das sombras..uma espécie de área livre de sinal de radar onde navio ou avião algum pode ser detectado.
Desde 2013 até agora, a Presidência da República, por decreto, trouxe ao Brasil os escravos e agentes cubanos, abriu as portas do país para polícias estrangeiras durante a Copa, igualou as profissões da saúde no Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, e agora – através da Política Nacional de Participação Social (PNPS) e do chamado Sistema Nacional de Participação Social (SNPS) – praticamente cria um governo paralelo no Brasil através de mecanismos de controle que vão entregar toda máquina administrativa nas mãos do partido.
Pergunto-me quanto tempo vai levar para que a nação entenda o que escrevi...Lembro-me, pois, de Maquiavel afirmando que “quando as coisas mais graves são percebidas pelas pessoas mais simples; aí já é tarde demais” e que um brasileiro médio não seria capaz de reconhecer um regime comunista nem que nevasse em Manaus..nem que ele fosse obrigado a beber vodca ou ter outras pessoas dormindo na sua casa.
Meus amigos, na madrugada do dia 8 de março de 2014, o voo MH370 da Malaysia Airlines desapareceu do radar e até hoje não há explicação alguma sobre o que aconteceu...Afirmo a vocês que coisa semelhante vai acontecer com o que resta de democracia no Brasil depois do último decreto de Dilma Rousseff...Nossa liberdade embarcou num Boeing pilotado pelo PT..Nosso voo é o Brasil ..Brasil 8243.

Dedicado à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)..Vocês serão as “entidades médicas” amanhã..


 Porto Alegre , 30 de maio de 2014.  

quinta-feira, 29 de maio de 2014

FESTA NO PARTIDO


APOSENTADORIA DE JOAQUIM BARBOSA


Hospital Fechando Unidade e Reservando Leitos para FIFA


Dia 1º de junho de 2014, a UTI PEDIÁTRICA DO HOSPITAL MÃE DE DEUS, EM PORTO ALEGRE, SERÁ FECHADA!
Porto Alegre prometeu à FIFA leitos de UTI reservados especialmente para o público do evento no Hospital Mãe de Deus e ninguém sabia de onde sairiam, pois aquela CTI vive lotada, como todas as outras da cidade. Agora o mistério foi revelado: o grupo de plantonistas está sendo desfeito e o último dia de trabalho será 1º de junho, prazo final da deusa FIFA, a manifestação sangrenta de Kali, sedenta de sangue e morte.

terça-feira, 27 de maio de 2014

VAI ACONTECER



Milton Pires

Três fatos recentes me obrigam a voltar, nesse artigo, ao tema “Mais Médicos” no Brasil. O primeiro foi a publicação, no Diário Oficial da União, da Portaria 734 de 2 de maio de 2014, o segundo; a reportagem do programa “Fantástico” sobre a falta de médicos dentro dos hospitais brasileiros que foi ao ar no dia 25 do presente mês e o terceiro; a criação do “Programa Mais Médicos Brasileiros” por parte da SOBRATI – Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva – em conluio (esse é o termo jurídico correto) com a a UDABOL – Universidade de Aquino Bolívia.
O “resumo da ópera” é o seguinte: médicos, farmacêuticos, bioquímicos, dentistas, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas e fonoaudiólogos formados no Brasil, Argentina, Paraguai ou Uruguai podem agora, livremente, exercer sua profissão sem qualquer outra “exigência” de forma “intercambiável” nesses quatro países citados. Você pode se formar num desses países em qualquer uma dessas profissões e exercer sua atividade em outro: “tá tudo liberado”. A reportagem do Fantástico, segundo tema da nossa discussão aqui, veio para mostrar (vejam só) que existem Unidades de Terapia Intensiva no Brasil funcionando sem médicos! Que “coisa”, né gente? Sobre isso digo o seguinte: Em janeiro de 2005 (não 20004 como publiquei no Facebook), eu fui acusado de quebrar a porta da Direção de um Hospital da Grande Porto Alegre e de ameaçar o diretor daquela instituição. Minha advogada disse que, hoje, o valor da precatória que o Município (depois de ter perdido a ação) me deve passa de 50.000 reais. Querem saber por que eu fui na sala do vagabundo que dirigia o hospital? Porque eu não queria abandonar a UTI do Hospital sem médico! Hoje, quase 10 anos depois, a escória da Rede Globo está começando o Fantástico com a pergunta: "Você imagina que podem haver UTI's no Brasil sem médico??" Nada como um dia depois do outro, não é? Seria irônico não fosse o fato de tratar-se, evidentemente, de uma preparação para que a sociedade brasileira passe a aceitar médicos estrangeiros dentro dos hospitais públicos da mesma maneira que aceitou os cubanos na Rede de Atendimento Básico. Atendendo esse objetivo, uma instituição, que não representa oficialmente os médicos intensivistas do Brasil, une-se a uma Universidade da Bolívia e cria o Programa “Mais Médicos Brasileiros”, onde (transcrevo aqui informação do site) “profissionais de saúde com comprovação de dois ou mais anos de atuação no Sistema de Saúde, poderão ingressar em Programa Especial de Graduação em MEDICINA através da Universidade UDABOL com Supervisão da SOBRATI, seja no aspecto da admissão, acompanhamento, formação e estágio. Para tal os crédito educacionais básicos serão automaticamente incorporados após avaliação escrita, permitindo o ingresso em até o 7 semestre ( de acordo com a formação curricular do profissional e adaptações de disciplinas), permanecendo o estudante por mínimo de dois anos em Santa Cruz - BO ( conforme classificação ) , em um ano de internato no Brasil para as disciplinas básicas de Clínica, pediatria, GO e cirurgia. A ênfase será em Urgência/Emergência.”
Temos pois, o seguinte: profissionais da área da saúde “circulando sem problema” algum entre o Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Temos a maior rede de televisão do país preparando o clima junto a sociedade e mostrando pacientes morrendo dentro dos hospitais sem atendimento e temos uma sociedade de especialidade envolvida com assistência tipicamente hospitalar se preparando para trazer médicos para o país. Precisa mais ? Ninguém entende que um hospital cheio de cubanos, bolivianos, ou seja lá quem for, sem formação NENHUMA custa muito menos ao gestor público poque esses médicos não vão pedir exames nem solicitar procedimento de alto custo algum ??
Meus amigos, no início de 2013 eu avisei que médicos cubanos estavam chegando ao Brasil..e isso aconteceu..Eu avisei aos outros profissionais da saúde que eles seriam os próximos; isso aconteceu...Em 2005 eu paguei pessoalmente o preço de enfrentar uma administração hospitalar corrupta para não deixar pacientes abandonados numa UTI e agora estou avisando que estrangeiros vão ser trazidos ao Brasil e colocados dentro dos hospitais por um governo que mata prefeitos e negocia com traficantes – Vai Acontecer.

Porto Alegre, 27 de maio de 2014.


segunda-feira, 26 de maio de 2014

ÔNIBUS ESCOLARES PARADOS EM TRÊS RIOS (RJ)

As fotos abaixo foram recentemente feitas por um colaborador do Ataque Aberto. Elas mostram centenas, estima-se em três mil, ônibus escolares parados no pátio da empresa NEOBUS na cidade de Três Rios no estado do RJ - fato interessante para um país de dimensões continentais onde as crianças não tem como chegar até às escolas. Qual a explicação para essas fotos aí ?














UTI SEM MÉDICO

25/05/2014 23h43 - Atualizado em 26/05/2014 00h31

Fantástico percorre hospitais do Brasil e encontra UTI sem médicos

Oitenta e um por cento dos 116 hospitais visitados pelo Tribunal de Contas da União estão inadequados, revela relatório. 

O Fantástico deste domingo mostrou o resultado de um estudo inédito para entender o que há de errado na saúde brasileira. Pela primeira vez, o Tribunal de Contas da União examinou a qualidade do atendimento em 116 hospitais públicos, os mais procurados pela população em todo o país. O resultado é assustador.
É assim que a saúde pública tem tratado seus pacientes.
“Eu estou com dor, desde cedo. Estou aqui desde 9h30 da manhã e até agora nada”, disse uma paciente.
Faltam enfermeiros e médicos.
“Como é que não tem pediatra num hospital desses, para atender uma criança no hospital, desmaiando?”, questiona outra paciente.
“Não tem médico na UTI. São vários plantões em que não há medico na UTI”.
Faltam equipamentos para exames. E faltam remédios.
Fantástico: E quando não tem o antibiótico, como faz?
Médico: Você conhece o "seguro senhor do Bonfim"? A gente amarra uma fita do lado e vai.
Os repórteres do Fantástico foram aos hospitais para conferir o resultado de um relatório recente do Tribunal de Contas da União sobre a saúde brasileira e confirmaram: falta quase tudo na rede pública e sobra desorganização.
No Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, encontramos Dona Alaíde, de 62 anos. Ela tinha no cérebro dois aneurismas - que é quando um vaso sanguíneo incha muito. Ele pode estourar e provocar uma hemorragia. Um deles já tinha se rompido e ela quase não conseguia falar.
“Dá pra dar todo dia a dor”, desabafa Dona Alaíde. 
O repórter Eduardo Faustini acompanhou a luta de Dona Alaíde em busca de tratamento.
Fantástico: Ela está com aneurisma?
Elaine da Silva, filha de Dona Alaíde: Isso
Fantástico: Há quanto tempo?
Elaine: Desde o dia 12 de abril.
Fantástico: Dia 12?
Elaine: Isso, de abril.
O caso é muito grave.  No relatório médico, do dia 22 de abril, o médico alerta para o risco de morte. Duas semanas depois, repete o aviso, desta vez em letras garrafais. Dona Alaíde pode morrer. A esperança é uma cirurgia.
A filha conseguiu na Justiça uma decisão liminar que obriga o hospital a realizar o tratamento.
“Entramos com a liminar, no centro de regulação já foi liberado, mas no Hospital Geral, o Estado não está pagando, então é uma situação muito difícil”, disse a filha Elaine.
Esta é uma situação comum em Cuiabá e em vários outros pontos do Brasil. Muitos pacientes só conseguem tratamentos por força de liminares, mas nem todos. Mesmo com uma decisão judicialna mão, essa mulher não conseguiu uma cirurgia para a mãe, que está com uma veia entupida na perna.
“Ela pode perder a perna. Tem vezes que ela toma até três morfinas por noite. E o médico falou que é perigoso tomar muita morfina e o coração não aguentar”, contou Perpétua Socorro, filha de dona Aparecida.
“Essa liminar foi dada dia 22 que o juiz determinou fazer a cirurgia, de abril. Está até aqui, está citando que o Estado tá pagando R$ 20 mil de multa ao dia e não foi cumprido, a liminar, e a minha mãe está nessa situação”, destaca a filha. 
Segundo o relatório do Tribunal de Contas da União, encontrar a emergência lotada se tornou comum, no Brasil.  Até no Distrito Federalque tem o maior número de médicos por habitantes do país.

“Uma fraqueza que não estou aguentando nem ficar de pé, chego a estar tremendo de fraqueza” destaca uma paciente no Hospital Regional da Asa Norte, em Brasília.

“Minha tia tem deficiência, nem ela que tem prioridade não está sendo atendida”, conta uma estudante.
De acordo com o estudo do TCU, na maioria dos hospitais, as emergências estão sempre superlotadas, sempre.
“Eu estou com dor, desde cedo. Estou aqui desde 9h30 da manhã e até agora nada. E é porque eu recebi isso aqui, que é urgência”, desabafa uma paciente.
“O pessoal está comentando aí que só tem um médico pra atender hoje à tarde”, conta outra paciente.
Médica de folga trabalha para ajudar pacientes
Uma médica, de folga, veio acompanhar um tio doente, quando viu a situação, decidiu trabalhar.
Médica: Está faltando médico. E familiar me ajudando a fazer o procedimento. Familiar me ajudando como um técnico auxiliar de enfermagem porque não tinha ninguém para me ajudar.
Fantástico: Como senhora se sente?
Médica: Desesperada pelos pacientes, porque eles são os que mais sofrem.
A falta de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem é um problema crônico. Em 81% dos hospitais visitados pelo TCU, os administradores reconheceram que há menos profissionais do que seria necessário para atender a todos os pacientes que procuram atendimento.
“81% é muito alto para receber a população brasileira, carente, que necessita de um atendimento com dignidade”, destaca o presidente do TCU, Augusto Nardes.
UTI sem médicos
Um médico que preferiu não se identificar faz uma revelação assustadora. A UTI do maior hospital de Cuiabá chega a funcionar sem médicos. Vamos repetir: uma unidade de tratamento intensivo funciona sem médicos.
“São vários plantões em que não há medico na UTI. É como estar num avião sem piloto”, disse.
A Prefeitura de Cuiabá nega a acusação, mas o repórter Eduardo Faustini teve acesso a oito comunicados internos, dos últimos três meses, avisando a direção do hospital sobre períodos em que a UTI ficou sem médico algum.
“Não foram nem um nem dois casos de pacientes que poderiam ter saídos vivos das UTIs do pronto-socorro e não saíram. Saíram mortos. Porque eles não tiveram o cuidado adequado. Isso acontece frequentemente”, conta.
O médico diz que recebe orientações do hospital para mentir sobre a hora da morte do paciente.
“A família vai chegar na hora da visita, 'o Sr. diz que morreu um pouquinho mais tarde pra família não desconfiar que morreu num plantão sem médico'. Eu não mudo o horário do óbito porque isso ultrapassaria a minha capacidade de ser conivente com essa situação dentro do pronto-socorro”, confessa.
Segundo o relatório do TCU, o problema fica ainda mais dramático quando os profissionais faltam ao plantão.
“Eu estou com meu neto passando mal. Como é que não tem pediatra num hospital desses, pra atender uma criança passando mal, desmaiando?”, questiona uma paciente no Hospital Regional do Gama.
O pediatra apresentou um atestado médico para não trabalhar e não havia substituto para cuidar da criança.
“Eu chorei mesmo, me ajoelhei nos pés dele chorando, pedindo ajuda. ‘Ajuda uma mãe que está angustiada, porque meu filho está morrendo ali fora e vocês não querem me ajudar’”, desabafa a mãe de Ismael.
Ismael entrou em coma profundo e foi transferido. Ele se recuperou, mas em outro hospital.
Há menos leitos do que seria necessário, diz TCU
Segundo o Tribunal de Contas da União, na maioria dos estados, há menos leitos do que seria necessário. E para piorar, entre janeiro de 2011 e agosto do ano passado, a rede pública de saúde perdeu 11.576 leitos, são doze leitos fechados por dia, ou um a cada duas horas! E os técnicos ainda encontraram 2.389 leitos interditados por razões como falta de profissionais e equipamentos.
Médico: Aqui tinha como ser mais dois leitos, aí serve de depósito.
Fantástico: Por que, cara? Por que isso?
Médico: Porque não tem funcionário. Não tem funcionário, não tem cabo, não tem monitor, só tem o espaço físico mas não tem o leito em si de UTI. Não tem técnico de enfermagem suficiente para tomar conta. Aqui seria outro também. Outro leito. Outro espaço.
Fantástico: E não funciona?
Médico: Não.
Quando o hospital não tem condições de operar todos que precisam, os pacientes se acumulam nas salas e nos corredores, à espera de uma vaga. Homens e mulheres dividem o mesmo espaço.
“As mulheres, as senhoras mesmo usam fralda, entendeu? Na hora de trocar fralda, fazer a higiene das mulheres, é junto com homens, todo mundo olhando, é uma falta de respeito, gente”, conta uma mulher.
Fantástico: Quanto tempo tem que o senhor está aqui?
Paciente: Está com 11 dias.
Fantástico: Onze dias? No corredor?
Paciente: No corredor.
“Pelo menos estão em macas, macas confortáveis”, disse secretário de saúde do DF
“O que vocês viram foram pacientes em macas. Fora do local onde deveria ser, mas dentro do ambiente hospitalar com toda assistência. Pelo menos estão em macas, macas confortáveis - não são desconfortáveis - dentro do hospital sendo atendidos”, disse o secretário de saúde do Distrito Federal, Elias Miziara. 
Falta equipamentos no maior hospital de Salvador
Um paciente, em estado grave, no maior hospital de Salvador, aguarda há mais de um mês a marcação de um exame na cabeça.
Fantástico: E qual exame ele tá precisando?
Homem: Ressonância magnética
Fantástico: Ele tem o quê?
Mulher: Hemorragia cerebral.
“Olha, um paciente que teve um sangramento, uma suspeita de sangramento cerebral, que em qualquer lugar do mundo seria um paciente abordado de imediato porque se for um aneurisma, por exemplo, e ele romper, o paciente morre”, conta o médico Djalma Duarte.
Fantástico: E por que não é feito isso?
Djalma Duarte: Porque não tem o aparelho. O aparelho não existe lá.
Fantástico: No maior hospital de Salvador não tem uma ressonância?
Djalma Duarte: Não, na maior emergência da Bahia não tem esse.
Em 85% dos hospitais visitados pelo TCU, os administradores disseram que a estrutura física das unidades não era adequada. E em 77% dos hospitais falta algum tipo de equipamento. Em 23%, eles não foram instalados e muitas vezes ficam encaixotados no corredor, como no hospital Clériston Andrade, em Feira de Santana, na Bahia. O tomógrafo, usado para examinar o cérebro, não funciona.
O tomógrafo novo já chegou, mas está em uma caixa, no canto de um corredor.
Funcionário: O outro está na caixa pra ser instalado, mas precisa de uma sala mais ampla. É um aparelho mais potente, maior.
Fantástico: Tem cinco meses que chegou?
Funcionário: Já deve ter.
A secretaria estadual de saúde da Bahia diz que começou o processo de licitação da sala, mas ainda não tem previsão de quando o aparelho novo vai começar a funcionar.
Faltam remédios na rede pública
Também faltam remédios na rede pública brasileira. Em quase 80% dos hospitais, atendimentos já foram cancelados por falta de medicamentos ou materiais básicos como seringas e esparadrapo. E por que isso acontece? A maioria absoluta dos administradores aponta falhas no processo de compra como o motivo mais comum.
Seja em Brasília.
“Nós temos dois pacientes internados com endocardite grave e não temos nenhum antibiótico de escolha pra tratar esse tipo de infecção”.
Ou em Cuiabá.
Fantástico: Sulfato de magnésio.
Funcionários: Também, não tem mais. Não tem mais. Melhor perguntar o que não tem, né? Não chegou nada.
Ou em Feira de Santana, na Bahia.
Fantástico: E quando não tem o antibiótico, como é que faz?
Médico: Você conhece o "seguro Senhor do Bonfim"? A gente amarra uma fita ali do lado, meu irmão, e vai.
Paciente consegue liminar para ser atendida, mas hospital não faz cirurgia
Lembra de Dona Alaíde, que mostramos no início desta reportagem? Ela tinha conseguido uma liminar para ser operada, mas o hospital não fez a cirurgia. Na última quarta-feira, o outro aneurisma que tinha no cérebro se rompeu. E ela morreu no dia seguinte. No velório, a tristeza da filha, que lutou durante 40 dias para salvar a vida da mãe.  
Em nota, a Secretaria de Saúde de Cuiabá diz que a paciente fez o exame de angiografia exigido pela Justiça. Quanto à operação, também exigida pela Justiça, a secretaria diz que ela já estava agendada, mas que, antes disso, infelizmente, Dona Alaíde veio a falecer. A secretaria não informa, no entanto, quando Dona Alaíde seria operada.
O Conselho Federal de Medicina diz que para salvar os pacientes, o principal é melhorar muito a administração da saúde pública.
“Mais saúde depende de maior financiamento, melhor gestão administrativa, mais capacitados médicos e um bom sistema nacional de controle e avaliação. Infelizmente, a vontade política ainda não foi suficiente para a implementação desses parâmetros fundamentais à mais saúde”, disse o vice-presidente do CFM, Carlos Vital.
Procurado pelo Fantástico, o Ministério da Saúde diz que está contratando mais profissionais. E aumentando ano a ano o valor gasto em saúde para enfrentar esses problemas.
“O principal fator de redução do número de leitos no Brasil é a mudança do modo de atendimento das pessoas. É uma tendência mundial que cada vez mais seja o ambulatório e, não o hospital, o principal ponto de atendimento das pessoas. Reconhecendo que alguns hospitais têm situações muito críticas, principalmente os grandes hospitais de urgência, ele tem desenvolvido um programa específico que hoje já chegou a 28 hospitais do país, que é o SOS Emergência. A nossa expectativa é que nós possamos construir um sistema público, cada vez de melhor qualidade, com a melhor capacidade de resposta pro conjunto da população”, disse o secretário de atenção à saúde, Fausto Pereira dos Santos.
Longe dessa discussão, Maria de Lourdes, de 66 anos, enfermeira aposentada, agora só pensa na própria saúde. Cuidou de pacientes a vida inteira. Mas hoje é ela quem precisa de cuidados. Depois de um câncer, passou a ter sangramentos no estômago. E só um tratamento pode salvá-la. Assim como Dona Alaíde, ela também tem uma liminar da Justiça na mão.
Fantástico: Isso começou em setembro?
Maria de Lourdes: Em setembro. Vamos ver se eu ainda vou aguentar esperar, né. Porque cada dia eu estou ficando mais debilitada. Imunidade lá em baixo. Tivessem me operado, tivesse feito alguma coisa, hoje eu estaria boa.
Fantástico: E o futuro, o que a senhora espera?
Maria de Lourdes: Deus.
O TCU enviou o relatório ao Ministério da Saúde e a vários outros órgãos públicos. A intenção é que esse seja um passo importante para resolver os problemas que o Fantástico mostrou nesta reportagem. 150 milhões de brasileiros dependem exclusivamente do SUS para cuidar da saúde.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

A MORTE DA FILOSOFIA POLÍTICA


Milton Pires

Já que brasileiro algum em 2014 consegue ler qualquer coisa sem, imediatamente, imaginar o quê ou quem está “por trás” daquilo que foi escrito...sem fantasiar de uma forma patética sobre “quais as verdadeiras intenções” do autor ou sobre que “tipo de campanha” está ele fazendo, inicio estas linhas com a seguinte observação: não sei em quem vou votar, não estou fazendo campanha alguma pelo voto nulo, e não sei de ninguém, nem tampouco de partido algum, “por trás” de mim.
Vem me cansando e, com frequência, me irritando as besteiras que tenho lido sobre o voto nulo e, dentre todas elas, as afirmações de que “votar nulo é votar no PT” é sem dúvida a mais perigosa. Frase tosca e que, em si mesma, constitui um absurdo em termos lógicos, ela cai como uma luva na boca (embora eu não soubesse que luvas entrassem na boca) dessa entidade imaginária chamada “povão”....Sim, do povão meus amigos, essa massa gigantesca da qual todos nós pensamos NÃO fazer parte..rsss..
Deixo agora as “luvas na boca”, o “povão” e o “voto nulo num partido” para trás afirmando o seguinte: as ideias sobre democracia, participação popular e voto nulo que circulam pela internet são a marca registrada daqueles que, sem saber coisa alguma sobre história ou filosofia política, repetem bobagens e mais bobagens sem parar. Lembro ainda que o grande perigo de repetir bobagens é que lá pelas tantas elas passam a ser “verdades”, não é mesmo?
Tudo aquilo que até hoje se escreveu em termos de Filosofia Política, desde Platão até Olavo de Carvalho, teve como objetivo principal a busca pelo melhor modelo de Estado, as relações gerais dentro da sociedade e as questões de participação e deliberação dentro dela. Curiosamente, as democracias ocidentais parecem ter decretado a morte da Filosofia Política, não parecem?? Essas questões todas que mencionei acima parecem ter sido resolvidas: a Democracia é o “melhor de todos os sistemas”! Fora da “participação popular” não há salvação! Quem não vota “não pode reclamar”! São esses os dogmas dos quais se aproveita qualquer partido totalitário na missão que é comum a todos eles: a construção de uma ilusão de liberdade...Liberdade essa que, uma vez forjada, é garantida pelos votos dos analfabetos, dos presidiários, dos doentes e das minorias que foram, e sempre serão, magistralmente manipuladas pelo Partido dos Trabalhadores...
No Brasil é tão grave a falta de conhecimento das origens daquilo que poderíamos chamar de “cidadania” que transforam-se as eleições na sua única prova. Quantos são os brasileiros capazes de entender que não é o “direito” (direito obrigatório..rsss) de votar que os faz cidadãos? Quem, dentre nós, percebe que brasileiros somos porque aqui nascemos e aqui pagamos nossos impostos independentemente de votarmos ou não?? Até quando vai isso que a grande imprensa chama, de quatro em quatro anos, de “festa da democracia”???
Quem até aqui seguiu essas linhas pode estar pensando: perdi meu tempo lendo mais um que faz a apologia da “desobediência civil” ..um desses que prega o voto nulo em nome da liberdade de consciência..Respondo eu: “gastei meu tempo escrevendo para mais um utilitarista”...mais um daqueles que diz que “é preciso votar em alguém” e escolher, dos males, “o menor”...
Como vocês já devem ter percebido, a questão não tem resposta definitiva...não há “certo ou errado” nessa questão da Filosofia Política, mas há que, pelo menos, garantir-se o direito da própria reflexão, da liberdade de pensamento quanto a participação nas eleições e do voto nulo como voto consciente de um cidadão e de uma sociedade que perceberam o fim das opções, a morte das escolhas e a ausência das diferenças entre uma corja que hoje apresenta-se como eventual candidata a governar o Brasil em 2015. Pergunto a mim mesmo, nas últimas linhas, se não acabei por escrever aqui sobre o fim da Democracia no Brasil. Respondo eu mesmo que talvez o tenha feito..mas, graças a Deus, não decretei (como querem os fanáticos do voto útil) a Morte da Filosofia Política..

Àqueles que estavam comigo em 1989 e que,como eu, acreditaram...

 Porto Alegre, 23 de maio de 2014

quinta-feira, 22 de maio de 2014

AVISO AOS PETISTAS


Petistas Desgraçados, essa foto foi há cerca de 12 horas atrás na Tailândia, país do qual vocês sequer devem ter ouvido falar..A Tailândia é uma espécie de Brasil do Sudeste da Ásia, um reino de putaria, corrupção e tráfico de drogas igualzinho ao de vocês aqui, seus filhos da puta ! Durmam com essa foto hoje! Bom pesadelo !
Milton Pires

terça-feira, 20 de maio de 2014

COPA DO MUNDO NO SUS


Discurso de posse de Emilio Garrastazu Medici


(Foi Presidente do Brasil entre 30 de outubro de 1969 e 15 de março de 1974. no auge da luta armada durante todo o seu mandato. Aos domingos ia ao Maracanã com seu radinho de pilha e, quando anunciada sua presença pelos alto-falantes do estádio, era aplaudido pela multidão. Muito diferente dos governantes de agora...)


Homens de meu país. Neste momento eu sou a oferta e a aceitação. Não sou promessa. Quero ser verdade e confiança, ser a coragem, a humildade, a união. Oferta de meu compromisso ao povo, perante o Congresso de seus representantes, quero-a um ato de reverdecimento democrático.

A aceitação da faixa presidencial, faço-a um ato de justiça e a confissão de minhas crenças. Faço a justiça de proclamar o equilíbrio e serena energia, o patriotismo com que se houveram os três ministros militares no exercício temporário da Presidência da República, que a mim transmitem, no símbolo desta faixa, pelas mãos honradas de Sua Excia, o almirante Rademaker. Faço justiça de dizer, já agora ouvindo a Nação, a cuja frente o destino me trouxe, faço a justiça de assinalar a total dedicação do grande presidente Costa e Silva à causa pública, o empenho tanto, que se fez imolação da própria voz.
     
Venho como sempre fui. Venho do campo, da fronteira, da família, da caserna; venho da minha terra e de meu tempo. Venho do Minuano. Este vento faz pensar no campo, meus amigos, este vento vem de longe, vem do pampa e do céu”. Valho-me, ainda uma vez, do poeta augusto do sul, para ver no vento, o homem do campo de todo o Brasil – o homem que ninguém vê, sem face e sem história – aquela humildade mansa, que a vida vai levando na quietação do caminho abraçado à coxilha.

Homem do campo, creio no homem e no campo. E creio que o dever desta hora é a integração do homem do interior ao processo de desenvolvimento nacional.

Homem da fronteira, creio em um mundo sem fronteira entre os homens. Sinto por dentro aquele patriotismo aceso dos fronteiriços, que estende ponte aos vizinhos, mas não aceita injúrias nem desdéns e não se dobra na afirmação do interesse nacional. Creio em um mundo sem fronteiras entre países e homens ricos e pobres. E sinto que poderemos ter um mundo sem fronteiras ideológicas, onde cada povo respeite a forma de outros povos viverem, onde os avanços científicos fiquem na mão de todo homem, na mão de todas as nações, abrindo-se à humanidade a opção de uma sociedade aberta. Fronteiriço, não sei, não vejo, nâo sinto, não aceito outra posição do Brasil no mundo que não seja a posição de altivez.

Homem de família, creio no diálogo entre as gerações e as classes, creio na participação. Creio que a grandeza do Brasil depende muito mais da família do que do Estado, pois a consciência nacional é feita da alma do educador que existe em cada lar. E, porque assim o creio , buscarei fortalecer a unidade familiar, pedra angular da sociedade.

Homem do povo, creio no homem e no povo, como nossa potencialidade maior, e sinto que o desenvolvimento é uma atitude coletiva, que requer a mobilização total da opinião pública. Homem do povo, conheço a sua vocação de liberdade, creio no poder fecundo da liberdade.

Homem da caserna, creio nos milagres da vontade. E, porque creio, convoco a vontade coletiva, a participação de todos que acreditam na compatibilidade da democracia com a luta pelo desenvolvimento, para que ninguém se tenha espectador e todos se sintam agentes do processo.

Homem do meu tempo, tenho pressa.

Homem do meu tempo, creio na mocidade e sinto na alma a responsabilidade perante a História. E, porque o sinto e o creio, é que darei de mim o que puder pela melhor formulação da política de ciência e tecnologia, que acelere a nossa escalada para os altos de uma sociedade tecnológica e humanizada.

Homem da Revolução, eu a tenho incontestável, e creio no ímpeto renovador e inovador de seus ideais. E, porque a tenho assim, é que a espero mais atuante e progressista.  É meu propósito libertar o nosso homem de seus tormentos maiores e integrar multidões ao mundo dos homens válidos e, para isso convoco a universidade, chamo a Igreja, aceno à imprensa e brando ao povo para que me ajude a ajudar o homem a ajudar-se a si mesmo.

Homem da lei e do regulamento, creio no primado do Direito. E, porque homem da lei, pretendo zelar pela ordem jurídica.

Homem de fé, creio nas bênçãos de Deus aos que não têm outros propósitos  que não sejam os do trabalho da vida inteira ·, os da justiça e os da compreensão entre os homens.

Creio nos milagres que os homens fazem com as próprias mãos. E nos milagres da vontade coletiva.

 Creio na solidariedade da família brasileira.

 Creio na alma generosa da mocidade.

 Creio na minha terra e no meu povo.

 Creio na sustentação que me haverão de dar os soldados como eu. Creio no apressamento do futuro.

Creio da missão de humanidade, de bondade e amor que Deus confiou à minha gente.  E, porque creio, e porque o sinto, nos arrepios de minha sensibilidade, é que, neste momento, sou oferta e aceitação.  E aceito, neste símbolo do Governo da República, a carga imensa de angústias, de preocupações, de vigílias – a missão histórica que me foi dada.

 E a ela me dou, por inteiro, em verdade e confiança, em coragem, humildade e união.

 E a ela me dou, com a esperança acesa no coração, que o vento de minha terra e de minha infância, que nunca me mentiu no seu augúrio, está dizendo que Deus não me faltará, está trazendo o cheiro de minha terra e de minha gente.

E com a ajuda de Deus e dos homens, haverei de pôr na mão do povo tudo aquilo em que mais creio.

sábado, 17 de maio de 2014

COPA DO MUNDO NO BRASIL


A POBREZA DOS RICOS



Milton Pires

De todos os critérios que até hoje foram usados para estabelecer semelhanças e diferenças entre pessoas dentro de uma sociedade, a cultura segue causando espanto àqueles que apelam às contas bancárias e aos hectares de terra para definir o que é uma “elite”. Em outras palavras: é possível dizer que continua-se, automaticamente, utilizando a economia e as riquezas materiais como supremo padrão de igualdade e, acima de tudo, de justiça de uma nação.
Não é fácil nem simples a desconstrução desse discurso. Homens alimentam-se de pão; não de ideias e um apelo a uma lógica diferente imediatamente desperta criticas que podem ser resumidas numa espécie de “antiplatonismo”...ou de apelo àquilo que querem, os filósofos marxistas, chamar de “mundo real”.
Para alívio dos marxistas de plantão digo, logo no início desse ensaio, que pouco interesse tenho em escrever sobre a estrutura da realidade ou suas formas de percepção. O tema aqui é, antes de tudo, o homem e o “enfoque” (nunca gostei dessa palavra) é a sua definição como tal. O que é, pois, o homem? Respondo eu mesmo: o homem é, dentre os seres vivos, o único capaz de “fazer história”...de perceber na sua existência um legado capaz de transcender sua permanência nesse mundo e de, sabendo que vai morrer, deixar algo que pode permanecer no tempo.
Decorre do exposto acima que algo há, na passagem do homem por este mundo, de perene naquilo que ele deixa. Em cada grande pintura, em cada gigantesca catedral ou sinfonia, o que permanece é a ideia de um tempo..é uma representação, muitas vezes inconsciente ou pré-verbal, daquilo que impressiona o espírito de um gênio e que se materializa numa obra que, muito mais tarde, vai ser considerada “prima”. Necessário é, portanto, entender que a verdadeira riqueza de uma época ou de um país está nisso que chamei de “espírito” de determinadas pessoas...nessa capacidade de fazer história e de deixar algo que há de permanecer para eternidade e que é essa, somente essa, a verdadeira “riqueza de uma nação”.
Escrevi tudo isso com um objetivo que há, agora, de se revelar muito singelo: dizer que não existem mais “ricos” no Brasil. Terminou, meus amigos, nossa capacidade de fazer história e terminou não pelo fim, cada vez mais próximo, de uma época da economia mundial que o PT deixou escapar pela sua incompetência e pelo seu delírio revolucionário – terminou em função da destruição total da cultura brasileira. Nós, brasileiros, nos distinguimos apenas por nossas posses; não por nossos pensamentos e, desgraçadamente, celebramos isso como o paraíso da democracia.
Enquanto escrevo, centenas de habitantes dos bairros mais “privilegiados” do Rio de Janeiro ou de São Paulo, escutam a todo volume o mesmo lixo cantado aos berros nos bailes funks dessas grandes cidades. Enquanto eu durmo, alguma “artista” plástica com um tubo de spray colorido nas mãos, picha telas da mesma maneira que os usuários de crack fazem com os muros de Porto Alegre e depois as vende por altíssimo preço chamando isso de “arte”. Está nesses fatos a prova do andamento e da vitória, quase completa, da verdadeira revolução brasileira – a Revolução Cultural. Essa foi a verdadeira e gigantesca obra que essa organização criminosa chamada Partido dos Trabalhadores colocou em andamento no Brasil e que está pronta muito antes do início da Copa do Mundo. Nenhum sucesso na luta contra esses bandidos vai ter aquele que não conseguir entender o que escrevi e que continuar “medindo” as pessoas de acordo com aquilo que ganham, com aquilo que vestem ou com aquilo que compram. Essa época, meus amigos, acabou faz tempo – quem procura socialismo por aí está buscando um cavalo com chifres ou um cachorro com asas.
A desgraça, a verdadeira tragédia provocada pelo PT no Brasil, aconteceu no campo do pensamento..Dinheiro deixou de ser importante faz tempo: chegou a época da Pobreza dos Ricos.

Ao meu amigo Everaldo Wanderlei Uavniczak e ao Movimento Reação

 Porto Alegre, 17 de maio de 2014.