"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

segunda-feira, 30 de junho de 2014

"PATRIOTISMO"

Cada torcedor enrolado na bandeira brasileira, cada criança constrangida por um repórter com o microfone na sua cara pedindo que cante o hino nacional com seus "errinhos de criança"..cada carro com bandeirinha na janela ou a página do Google Brasil com o símbolo da Copa de 2014 é o exemplo patético de um patriotismo de última hora..de um sentimento de Nação que não existe mais e que, às pressas, precisa ser inventada para os noticiários estrangeiros..Deus me livre de precisar de uma campeonato de futebol para saber que sou brasileiro...para revelar essa solidariedade de última hora que, de tempos em tempos precisa de uma Boate Kiss, de um Edifício Joelma ou de um Boeing da TAM para se manifestar..Longe de mim encontrar consciência política na manifestação de uma torcida que disse o que Dilma merecia ouvir e, com a mesma naturalidade, uiva como um animal na hora do hino dos outras nações pois é essa a prova maior de que essa torcida não sabe sequer o que é uma Nação..Disseram-nos que esse aqui não é um país "sério"..Digo que isso aqui já não é mais um país..Não há vitória alguma..nem taça..nem pileque ou fantasia que possa mudar isso...Todos nós já perdemos..Se ganharmos, a nossa derrota será maior ainda..

sábado, 28 de junho de 2014

SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER


Milton Pires

Assustada com o desempenho da Seleção Brasileira nessa Copa do Mundo, a petralhada que tem um pouco mais de capacidade de previsão quanto ao resultado final já começou a lançar suas teses sobre as relações entre futebol e política. De uma maneira geral, criticam todos aqueles que torcem contra o Brasil na competição. Alguns, mais afoitos, afirmam inclusive que “um verdadeiro brasileiro” não tem o direito de torcer contra o próprio país”. É uma nova edição do antigo “Brasil: ameo-o ou deixe-o” dos anos 70.
O que não fica claro para os menos acostumados com o modo de agir do PT é que esse tipo de gente pensa da seguinte maneira: “Se o Brasil vencer a Copa, foi uma conquista do Governo Lula e uma lição para quem torcia contra o PT e a Seleção. Se o Brasil não vencer; foi uma fatalidade - "política é uma coisa, futebol; outra". Se não fosse verdade isso que eu acabei de escrever, Lula não teria derramado suas lágrimas de crocodilo quando soube que o país sediaria a Copa de 2014.
Afirmar que não existe relação entre política e qualquer grande evento desportivo é uma asneira que não merece sequer refutação. Quem diz isso agora no Brasil são aqueles que, com medo de que o time seja desclassificado, querem da Copa do Mundo somente os bônus mas jamais as consequências negativas.
Não vale à pena fazer um apanhado histórico das relações entre esporte e política. Lembrar que guerras eram paradas para que Olimpíadas fossem disputadas ou que ditadores buscaram em vitórias esportivas a confirmação da superioridade de raças já foi descrito antes. Tudo isso o PT conhece e sabe explorar perfeitamente. As grandes competições esportivas do século XX praticamente nasceram sob encomenda dos países gigantescos e das doutrinas totalitárias: não poderia ser diferente aqui e se eu não tivesse mais nenhum argumento capaz de estreitar ainda mais as relações entre o resultado da Copa e as eleições de outubro, eu diria que quando um dia se escrever a história do país em 2014 há que se afirmar sem medo de errar que, pelo menos economicamente, ela teria sido outra não fosse a vinda dessa competição para o Brasil. Numa ratoeira caem portanto aqueles que, defendendo fanaticamente as relações entre política e economia, querem agora afirmar a independência das eleições de outubro com relação ao nosso desempenho dentro de campo.
Conhecimentos sobre futebol à parte, peço a todos aqueles que escutarem apelos para torcer para essa seleção que não se sintam constrangidos em dizer não ..que não se sintam menos brasileiros nem tenham aquela mesma sensação dos que, afirmando que anularão seu voto, precisam escutar do interlocutor que depois não podem reclamar. Ninguém tem obrigação de votar em ninguém para depois poder exigir seus direitos e nenhum de nós deve aceitar ser apresentado como traidor da pátria por torcer contra uma seleção de mercenários que serve politicamente a um partido associado aos narcotraficantes. O Brasil não pertence nem aos petistas e nem aos torcedores da seleção de futebol. Eles não são proprietários da nação, não representam a sua totalidade, nem portam sozinhos a verdade sobre a situação do país. Se pensam que são pastores, que procurem o rebanho adequado para segui-los em outros campos que não sejam aqueles das arenas superfaturadas, das licitações de última hora e de todo dinheiro desviado da saúde, educação e segurança que esse partido de bandidos que se dizem trabalhadores roubou da nação.
Rezo todos os dias para que essa seleção seja desclassificada. Nunca em toda minha torci contra a seleção brasileira, mas prefiro torcer contra ela do que torcer contra o país e Deus me livre de precisar das palavras de algum vagabundo petista para me ensinar o que é respeito e amor à pátria onde nasci. Quem hoje me pede para gritar pelo Brasil trouxe aqui os cubanos que humilharam minha profissão perante o mundo, trata policiais como bandidos e emprestou para reforma do porto de Havana dinheiro que poderia construir hospitais, escolas e presídios aqui mesmo.
Política e futebol “tem tudo a ver” um com o outro, sim...Só não vê quem não quer...

Porto Alegre, 28 de junho de 2014.


sexta-feira, 27 de junho de 2014

QUARTA LIGAÇÃO TELEFÔNICA ENTRE EU E O DIABO..



(3 horas da manhã, para variar, toca o telefone)

Eu – Alô?

Diabo – A bença, meu pai..

Eu – Mãe Dinah?? Mas como? Eu tava dormin..

Diabo (interrompendo) – Ahahha. Te peguei, Miltão ! Miltão não é mais aqueele..Que que se faz com eeele??...Come a bunda deeele..ahaha

Eu – Puta que me pariu! Só faltava essa... já sei quem é, imbecil !..Dá pra parar com essa merda? Porra, tu parece as crianças de uma creche pública do Rio de Janeiro...O que tu quer dessa vez Diabo, idiota? Já sei, levou “mordidinha” no ombro e precisa de atendimento, né?? ahahahah

Diabo – Já vai começar com tuas “coisas de preconceito” outra vez?? Já te disse, Miltão, tu vais acabar sendo processado..Isso aqui tá cheio de advogado..muitos costumam tomar todas e vir com ameaças até contra mim mesmo..Te controla rapaz, tu sabes como são essas coisas..

Eu – Tá..tá..já sei..a OAB..Ordem dos Alcoolizados do Brasil já nos deu amostras disso..Não me enrola que amanhã eu tenho plantão..o que tu quer dessa vez, porra?? Saber o resultado de Alemanha contra a Seleção do Nepal na Copa do Mundo?

Diabo – Hum..isso eu não preciso..Mas meu velho, olha só...o assunto aqui tem mesmo a ver com Copa do Mundo ..to sabendo de umas coisas tuas e não gostei..to ligando pra gente conversar..

Eu – Por que, seu cretino? Vai me ameaçar? Acha que tenho medo de ti??

Diabo – Putz, Miltão..tu tá cada vez pior, hein? Tens tomado teus remédios?

Eu – Tenho ! Um deles é para paranoia...os outros eu não vou te contar porque sei o que tu quer fazer comigo....ahah !

Diabo – Boa ! Teu senso de humor tá preservado..rsss..Vamos adiante: Milton, meu filho, diga-me..Por que torcer contra a Seleção?? Isso me deixou “chocado” ..embora com a pressão ainda alta com essa merda de democracia que instalaram aqui...Por que tanta “raiva nesse coraçãozinho” ?

Eu – Diabo cretino..e além de cretino; burro..poderia ser vereador pelo PT de Taguatinga, mas já que me acordou agora vamos até o fim: Quero ver esse governo de merda aqui do Brasil na prisão..perder a Copa vai ajudar a população a pensar em política novamente...

Diabo – Hum..entendi..e quem te disse que a “população pensa”, Miltão? De onde tu tira essas coisas todas? Já sei! Foram os católicos, né? Eles te ensinaram isso naquela escola de padres em que tu andou..Diz aqui para o “Diabo Velho”..fizeram coisas contigo lá no banheiro do colégio, Milton?

Eu – Vai pra puta que te pariu ! Respeita a Igreja e os colégios seu desgraçado! Juro que se pudesse eu mesmo ia até ti agora para a gente acertar isso pessoalmente !

Diabo – Tá ...tá bem..foi mal, desculpe..vamos continuar: Milton, preciso de ti..Essa Copa precisa ser ganha por vocês...Tem uma turma em Brasília..certas “entidades”..fizeram acordos comigo, mas dependem dessa distração pra coisa poder passar sem a população ver..'Tamo trabalhando junto nessa coisa de Plebiscito..precisamos tempo..

Eu – Eu sabia que tinha tua mão nisso ! Que “entidades” são essas? Médicas ou Diabólicas? Ahahahah

Diabo – Putz ! Dá no mesmo, Miltão..São a mesma coisa! Por que se apegar em detalhes?

Eu – Ahahah ! Me disseram que Tu “mora nos detalhes” não é mesmo?

Diabo – Sim..era..mas estava apertado, com problemas de infiltração e vizinhança ruim..Até gente do PMDB “mora nos detalhes” ...Me mudei faz tempo !

Eu - Tenho um plano contra ti: entro no Congresso com um tanque de água benta e, por via das dúvidas deixo 400 putas lá fora com camionetes Land Rover..e cada uma com a chave de uma casa em Miami..Consigo dinheiro da CIA..ahaha..Acabo com teu plebiscito na hora ! Vais perder !

Diabo – Miltão, me diz uma coisa: essa nossa conversa tu, pra variar, vai colocar no facebook, não vai? Naquele teu grupo de bunda pelada...como é mesmo o nome? Inglourious “alguma coisa”..não é?

Eu - Sim ! E daí ?? O que tu tem que ver com isso ??

Diabo – Mudo as consequências de cada “curtida”...ahahah..Vai funcionar como votos a favor de qualquer coisa no plebiscito feito pelo Dilmão !

Eu – Vai para inferno ! (bato o telefone na cara dele mais uma vez..)

Porto Alegre, 27 de junho de 2014








quinta-feira, 26 de junho de 2014

UM PACIENTE NO TEMPO


Milton Pires

Em 1910 um escritor britânico chamado Norman Angel apresentou à Europa um livro chamado “A Grande Ilusão”. Sua tese era de que, tendo em vista a interdependência econômica das nações e a falta de controle das verdadeiras fontes de riqueza por parte das sociedades, seria “absolutamente inevitável que o homem médio estivesse destinado a afastar-se para sempre de qualquer forma de guerra.” Quatro anos depois do lançamento da sua obra, o mundo assistiu o mais devastador e espetacular conflito da história até então: a Primeira Guerra Mundial.
Esse ano, mais precisamente daqui a dois dias, completa-se um século do assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando e de sua esposa, a princesa Sophie – evento que é considerado formalmente como o início de uma guerra que durou quatro anos e cujo número correto de vítimas até hoje não se conhece com exatidão. Estima-se que 11 milhões de pessoas perderam a vida.
Não é exatamente o meu objetivo aqui escrever sobre a história da Primeira Guerra Mundial. O artigo foi iniciado dessa forma para estabelecer uma comparação...um determinado pano de fundo para o mundo de 2014 e para, sobretudo, discorrer sobre um certo sentimento, uma espécie de senso comum que existe entre nós, os homens “médios” de Norman Angel, no sentido de que todas “as grandes coisas já parecem ter acontecido” ou, como disse alguém em 1912, já “terem sido feitas”.
De uma maneira geral eu acredito, e assim vou sustentar, que essa sensação que descrevi acima, tão coletiva e tão difusa, é a responsável por um sentimento geral de desconfiança..por um olhar quase clínico que encontra em cada comentarista político, historiador ou cientista social um objeto para piedade..para tão politicamente correta piedade que nos faz ver, em quase tudo, uma teoria da conspiração.
Mais de uma vez eu usei da expressão “patologia do tempo” para definir uma sociedade doente que, lembrando certas vítimas de trauma craniano, não consegue formar memória recente sobre coisa alguma e que guarda como lições da história fatos antigos..fatos muito importantes, mas tão antigos que perderam, por parte de um mundo desesperado pelas novidades, o respeito que mereciam ter. Chamo agora, nesse ponto, a atenção para uma combinação nova..para uma combinação quase que clinicamente perigosa: uma situação em que a história recente não nos parece deixar lição alguma e um contexto onde tudo que deveria ser “grandioso, magnífico e trágico” já parece ter acontecido. Talvez pudesse alguém perguntar-me aqui o que entendo eu por recente em termos de história. Respondo dizendo que tomo como parâmetro aquilo que o mundo viveu exatamente nos últimos cem anos...mais precisamente partindo do ponto em que comecei esse texto: o advento da Primeira Grande Guerra. Afirmo acreditar, sem medo algum, que para qualquer ocidental...para o homem médio de Angel ou para o homem-massa de Ortega y Gasset, a probabilidade de recordar-se ou de reconhecer no tempo o período correto de qualquer coisa é muito maior para aquilo que está descrito antes do século XIX do que para o período que defini acima como “passado recente”. Terrível nisso que descrevi é lembrar-se do que foi o século XX...das lições que dele deveríamos ter tirado para sempre, das experiências totalitárias da Alemanha nazista e da União Soviética...da China maoísta e do horror da batalha de Argel..do delírio de Pol Pot no Camboja e do mundo alucinado do Sendero Luminoso aqui mesmo, do lado do Brasil, na América Latina.
Concluo, pensando nesse período, e sobretudo das lições que NÃO tiramos dele, que todo o horror que o mundo viu no século XX não foi suficiente para uma mudança crucial que poderia ter acontecido...para um lição que não aprendemos ainda no sentido de questionar utopias e paraísos artificiais...regimes perfeitos e ideologias caducas que, desde 1789, vem transformando a vida na terra num verdadeiro inferno justamente em função do sonho de “torná-la melhor para todos”. Nada de bom, creio eu, produziu-se em termo de filosofia da história...nada nos ajudou a dar um sentido ao horror e pior, teorias surgiram no sentido de que devêssemos, nós mesmos, abandonar essa busca de sentido..que obrigados fôssemos, cada um, a nos tornarmos psicanalistas disso que chamamos de história quase acreditando nela, história, como uma doença que uma vez contraída não volta mais e que faz, de toda humanidade, apenas mais um paciente....Um Paciente no Tempo..

Ao meu amigo, Dr. Heitor De Paola...

Porto Alegre, 26 de junho de 2014.



terça-feira, 24 de junho de 2014

A NOITE DOS CRISTAIS


A noite dos Cristais em alemão  Reichskristallnacht, é o nome popular dado aos atos de violência que ocorreram na noite de 9 de novembro de 1938, em diversos locais da Alemanha e Áustria sob então domínio Nazista ou Terceiro Reich.
A pedido de Adolf HitlerGoebbels juntamente com os dirigentes da Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, ou Partido Nacional Socialista Trabalhista Alemão – NSDPA, utilizou os Sturmabteilung – SA (Destacamento Tempestade) como tropas de assalto formando uma milícia paramilitar, suas ordens determinavam que deveriam estar vestidos à paisana, a fim que o movimento parecesse ser um movimento espontâneo de uma população furiosa, e que alguns estivessem com seus rostos cobertos.
Os SA promoveram a destruição de Sinagogas, Lojas, habitações e agressões contra pessoas em especial aquelas identificadas como judias, mas não somente contra estas, mas também contra alemães que não aceitavam os rumos que a Alemanha estava tomando.
A historia se repete, O Partido dos Trabalhadores – PT, utiliza-se das mesmas ações do Partido Nacional Socialista Nazista, nosso Hitler tupiniquim Luiz Inácio, promove e estimula a luta de classes tanto contra a “ELITE BRANCA”, como qualquer outro que possa ser um “problema” para o plano totalitário do PT, assim como foi feito para com a população alemã que não apoiava o Partido de Hitler quanto aos e judeus (maiores vítimas).
Nosso Goebbels, conhecido como Franklin Martins, fez curso de guerrilha em Cuba, período em que foi treinado para o uso de armamentos e explosivos, além de táticas de selva, confirma ter feito a "segurança" da operação de assalto à casa do então deputado Edgard Magalhães de Almeida, político ligado às artes que tinha cerca de U$ 70 mil no cofre de casa, dinheiro que foi levado pelos militantes na ação, descrita ainda hoje por ele como de "expropriação", tenta impor o controle da mídia.
O PT possui o monopólio das ruas, possui o controle sob quase todos os órgãos representativos de classe e sindicatos, aparelhou o funcionalismo público e possui o monopólio das ruas, onde os seus Sturmabteilung – SA (Destacamento Tempestade)  representados pelos diversos movimentos ditos “Sociais” disseminam o pânico e a destruição, apedrejam igrejas, lojas, habitações, além de agressões físicas à população.
Sabemos como terminou o Terceiro Reich, mas custou milhares de vidas.  Assim como o NSDPA, o PT promove a desunião, o ódio e a maldade, procura obter e expor o que ha de pior do cidadão.
Dias sombrios nos esperam, os Nazi-neobolcheviques Petralhas pensam que estão em petrogrado em 1917, e preparam-se para tomar o poder de assalto. Covardes que são tentarão realizar um putsch assim como Lenin fez.
Tentam implantar um regime totalitário  e gradualmente aos ditames de Antonio Gramsci.
Os petistas são sociopatas, são como um paciente psiquiátrico internado em um hospício, acreditam que possuem superpoderes e que podem violar todas as regras da natureza humana como bem entenderem.
Brasileiros, preparem-se: Vocês estão prestes a enfrentar a experiência Nazi-Soviética em todo seu esplendor.
                                                      Nelson Bruni

segunda-feira, 23 de junho de 2014

O AVISO DO MONSTRO


O TRIUNFO DOS PORCOS


Elisane Reis Ribeiro

Enviaram-me dois links preocupantes (a página “Plebiscito Constituinte” – http://migre.me/k0ElU; e uma circular do PT sobre um Plebiscito Popular -http://migre.me/k0Eq7)

Para resumir do que tratam, volto ao decreto 8.243. Ele institui uma “política nacional de participação social” através de grupos da “sociedade civil” com poder de influência nas repartições federais. Descreve como sociedade civil “o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações” – uma definição bastante ampla e inespecífica, com margem a qualquer interpretação conveniente. E quem escolhe os “coletivos”? O governo, claro, é quem seleciona quais os “movimentos sociais” ou “cidadãos” que terão poder decisório sobre as políticas públicas.

A influência dos grupos de “sociedade civil” pode ser consultiva ou mesmo normativa, já que o texto informa que uma das diretrizes dessa política é “complementaridade, transversalidade e integração entre mecanismos e instâncias da democracia representativa, participativa e direta”. O termo “participação social” é capcioso, pois tenta sugerir que o decreto objetiva favorecer o processo democrático, o que não é verdade, já que ele (o processo democrático) se baseia no princípio de “um cidadão, um voto”, sem privilegiar a representatividade de grupos específicos e ligados ao governo.

Extremamente preocupante: de acordo com o site do PT, “já foram criados comitês em todos os estados e mais de 400 comitês regionais e locais”. É previsível que estes comitês organizados pelo partido sejam os movimentos escolhidos para participação na esfera federal. Lá também consta a informação de que entre os dias 1 e 7 de setembro de 2014 será realizado um “Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o sistema político”, para resposta à seguinte pergunta: “Você é a favor de uma constituinte exclusiva e soberana sobre o sistema político?”. O PT está organizando há meses propagandas em vários locais orientando a população a votar “sim” neste plebiscito. A partir daí, seria escolhido um grupo de deputados para definir a tal “reforma política”.

O último parágrafo da cartilha do plebiscito: “Sabemos dos limites da democracia liberal e do próprio capitalismo, mas entendemos que, mesmo com esses limites, é possível avançarmos na direção de um projeto político de sociedade centrado no combate a todas as formas de desigualdades e que começa com a construção de um outro sistema político.”

Sobre comitês e esta reforma política concluo com uma citação do livro Revolução dos Bichos, de George Orwell. Os porcos, depois de corrompidos pelo poder, reescreveram um mandamento de sua constituição: “Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros.” Sem coincidências nessa semelhança.

domingo, 22 de junho de 2014

FALAR SOBRE O QUE NÃO SABE



Milton Pires

À medida que uma pessoa vai ficando mais velha fica mais difícil aprender novas coisas? Debate bom, né? Não sei se isso é verdade. Talvez nesse tipo de assunto valha mais a máxima de Nelson Rodrigues (toda unanimidade é burra) e mais sensato fosse que eu escrevesse sobre mim mesmo e as “minhas dificuldades” em aprender coisas.
Não sou velho...não me sinto velho, mas venho observando em mim uma certa preguiça, um certo tipo de preconceito. Ela (ou ele) se manifestam quando preciso deixar de ler ou estudar aquilo que gosto para me inteirar e poder escrever sobre pessoas, fatos ou coisas sobre os quais antes eu nunca havia escutado coisa alguma..eu sequer sabia que existiam...
Explico agora por que comecei o artigo assim: disponíveis no youtube e circulando por toda internet estão vídeos em que um senhor chamado José Trajano (de quem eu jamais sequer havia ouvido falar) e Juca Kfouri (esse sim, eu conhecia), comentaristas da ESPN, criticam primeiro aquilo que aconteceu em doze de junho por ocasião das vaias à presidente Dilma e depois ataques fazem às pessoas raivosas “que só semeiam o ódio” como Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes e Demétrio Magnoli.
Faço uma pausa agora na linha de raciocínio para ligar o primeiro ao segundo parágrafo do texto afirmando o seguinte: preguiça me desperta e irritação me toma ao ter que ler e descobrir quem é o senhor José Trajano para poder, nesse artigo, expressar o que penso. Eu não tinha, até ontem à noite, a mínima noção de quem pudesse ser esse senhor. Conheço pessoalmente Reinaldo Azevedo que por Trajano foi atacado. Reinaldo esteve em Porto Alegre por ocasião do lançamento de “O País dos Petralhas II”. Mesmo tendo sido breve a nossa conversa, tenho por ele a mesma estima e respeito que milhões de seus leitores. Espero em breve vê-lo em Porto Alegre novamente e não há um dia sequer em que não leia eu, com atenção, tudo aquilo que publica em seu blog. Faço outra pausa para, num exercício de imaginação, peguntar o seguinte: vamos dizer que eu não gostasse do Reinaldo, vamos dizer que eu discordasse das suas análises políticas e que até o considerasse membro de uma “direita raivosa”...vamos supor que eu pensasse tudo isso e razão quisesse eu dar ao senhor Trajano..pergunto o seguinte: quem, em nome de todos os diabos, é o senhor Trajano para numa manifestação só pensar que pode fazer uma crítica séria do trabalho de Reinaldo, de Augusto, e de Demétrio?
Meus amigos, eu sou médico. Eu não entendo nada de jornalismo. Meu conhecimento da situação política é aquele dos amadores. A única qualidade que suponho ter é a de reconhecer o trabalho e a história prévia das pessoas que se dedicam profissionalmente a uma atividade. Deixo aqui um exemplo. Alguém me pergunta: “Milton, o que você pensa de Marilena Chauí?” Eu: “Acho uma pessoa detestável e uma filósofa menor”. A pessoa: “Você aceita discutir filosofia com ela?” Eu: “Não tenho a mínima chance..vou ser esmagado sem dó..é a mesma coisa que ela discutir medicina comigo”.
Até hoje o único Trajano célebre e que recordação me trazia pelo simples pronunciar do nome era o Imperador Romano. Reinaldo Azevedo me antecedeu dizendo a mesma coisa na seu blog. Depois das vaias à presidente da República, o José Trajano da ESPN vem somar-se a todos os demais da história, aos imperadores e brasileiros desconhecidos..aos plantadores de laranjas que o “nosso” Trajano diz que vai trazer para responder às pedradas..enfim ao mais comum e muitas vezes mais medíocres de todos os cidadãos brasileiros..a essa espécie de homem-massa que vai deixar para posteridade a lembrança de que só havia uma coisa que ele, Trajano-comum, gostava mais do que futebol e carnaval: falar sobre o que não sabe.

Ao Reinaldo, Augusto e Demétrio,

Porto Alegre, 22 de junho de 2014.  

quinta-feira, 19 de junho de 2014

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Folha Política: Coronel afirmou, um mês antes de ser assassinado, que Lula mandou matar dois sindicalistas; veja vídeo

Folha Política: Coronel afirmou, um mês antes de ser assassinado, que Lula mandou matar dois sindicalistas; veja vídeo

CULTURA E PETISMO


O SOM E A FÚRIA


Milton Pires

Circula pela internet a notícia de que o Partido dos Trabalhadores (PT) lançou uma espécie de “sentença”..um tipo de “fatwa” como aquela proferida em 14 de Fevereiro de 1989 ordenando a execução do escritor britânico Ahmed Salman Rushdie e que foi proferida pelo Aiatolá Ruhollah Khomeini, líder do Irã, por ocasião da publicação de seu livro “Versos Satânicos”. Aqui no Brasil, representando os aiatolás petistas, a conclamação aos fiéis deu-se através da manifestação do senhor Alberto Cantalice (vice-presidente nacional do PT) que, através da página oficial do partido na internet, escreveu o seguinte: “Personificados em Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes, Diogo Mainardi, Lobão, Gentili, Marcelo Madureira entre outros menos votados, suas pregações nas páginas dos veículos conservadores estimulam setores reacionários e exclusivistas da sociedade brasileira a maldizer os pobres e sua presença cada vez maior nos aeroportos, nos shoppings e nos restaurantes. Seus paroxismos odientos revelaram-se com maior clarividência na Copa do Mundo.”
Sobre isso, digo eu o seguinte: sem ser jornalista, sem ter sido citado nem ameaçado peço licença aos integrantes da “lista” acima para lhes fazer companhia. Minhas credenciais para nela entrar são as seguintes: sendo médico e servidor público brasileiro eu e vários colegas estamos, há mais de uma década, sentindo na pele o peso da “fatwa” que contra nós foi lançada. Nossa morte não é física; mas sim moral. Vivemos numa espécie de mundo de zumbis em que a sentença condenatória está presente na própria vida daqueles que não tem mais autoestima nem respeito pelo que fazem. O PT, meus amigos, pediu e obteve a “cabeça” dos médicos brasileiros numa bandeja. Condenados já estamos como sendo aquela classe que tão desumana mostrou-se que outra alternativa não teve o governo senão importar médicos estrangeiros. Peço ainda licença aos “sentenciados” pela religião petista para lembrar que “uma injustiça feita contra um só é uma ameaça que se faz a todos os outros” e que, jornalistas ou não, é uma questão de tempo para que qualquer brasileiro que ousar criticar esses criminosos entre na lista de pessoas a serem perseguidas administrativamente ou mesmo eliminadas do ponto de vista físico.
Nenhuma dúvida resta de que as declarações de Cantalice trazem, como tudo na vida, algo de bom. Evidente em primeiro lugar está o desespero de um partido que, não tendo mais onde encontrar respaldo para suas teses sobre o poder, apela ao medo como forma de sustentar-se no Governo. Em segundo; encerrada fica para sempre aquela história de que o PT “mudou”..do “Lulinha Paz e Amor” e das mentiras que garantiram a vitória em 2003: o PT mostra ao Brasil ao que veio e, com o constrangimento de uma onça que afirmava ser um “gato com sarampo”, deixa cair sua máscara totalitária mostrando à Nação sua face mais nojenta...seus instintos mais primários que tem como berço o submundo do crime envolvido com o sindicalismo paulista e o tráfico de drogas no nosso país.
Nada tenho eu a temer com relação àquilo que o PT pode fazer com minha vida do ponto de vista físico. Ele, PT, nada pode, quer ou precisa fazer comigo e com os médicos brasileiros que já não tenha feito. Nossa morte não vem com o tiro disparado da garupa de uma motocicleta; vem de cada edição do Fantástico..de cada notícia do Jornal Nacional e de cada acordo sujo feito pelo nosso próprio Conselho que constrangimento algum teve na hora de negociar a entrada dos cubanos no Brasil com o mais corrupto de todos os governos que a nação já teve. Somos, pois, apenas fantasmas daquilo que um dia fomos e quem mata prefeitos não precisa ter medo de médicos.
Todo meu apoio deixo aqui àqueles que ainda tem coragem de dizer a verdade no Brasil e lembro ainda aos bandidos petistas que “à toda ação corresponde uma reação na chamada direção igual e sentido contrário”. Deus tenha piedade de vocês na guerra que agora se aproxima ...Cada brasileiro está para sentir-se como Macbeth e perceber, de uma vez por todas, que "a vida de cada petista é uma história contada por um idiota, cheia de som e de fúria e sem sentido algum."

Porto Alegre, 18 de junho de 2014.




terça-feira, 17 de junho de 2014

VAGABUNDOS PETISTAS AMEAÇAM JORNALISTAS BRASILEIROS


Caros leitores do Ataque Aberto, 

Abaixo eu transcrevo na íntegra, atendendo inclusive ao pedido do próprio autor, a impressionante matéria postada, agora à noite, no Blog de Reinaldo Azevedo na Revista Veja.
Mais do que evidente é a grave ameaça que esses vagabundos fazem  à liberdade no Brasil e a integridade, inclusive física, daqueles que se opõem a esse maldito partido. 
A guerra, meus amigos, foi declarada pelo próprio vice-presidente dessa Organização Criminosa disfarçada de Partido Político. 
Chegou a hora de cada um de nós escolher seu lado e decidir, para sempre, como quer deixar a história que mais tarde vai ser contada aos seus filhos e netos sobre seu caráter e seu respeito pela Nação. 
O PT é câncer que dever ser banido da vida política. 

16/06/2014
 às 22:09

AJUDEM A ESPALHAR: CHEFÃO DO PT PEDE ABERTAMENTE A CABEÇA DE JORNALISTAS NA PÁGINA DO PARTIDO. ESTOU NA LISTA. NÃO SEI O QUE FARÃO OS OUTROS. ESTOU ANUNCIANDO AQUI QUE VOU PROCESSAR O SR. ALBERTO CANTALICE POR CALÚNIA E DIFAMAÇÃO. CABE INDAGAR SE CHEFÃO PETISTA NÃO ESTÁ DANDO UMA ORDEM PARA QUE ESSAS PESSOAS SEJAM AGREDIDAS NAS RUAS. É PRECISO CUIDADO! ELE É DO PARTIDO A QUE PERTENCIA CELSO DANIEL!

Alberto Cantalice, vice-presidente do PT, divulga no site do partido lista negra de jornalistas. Um assunto para a Justiça e para a Polícia Federal
Alberto Cantalice, vice-presidente do PT, divulga no site do partido lista negra de jornalistas. Um assunto para a Justiça e para a Polícia Federal
O PT, saibam os senhores, pedem a cabeça de jornalistas para seus respectivos patrões. O partido tem nas mãos instrumentos para fazê-los: anúncios da administração direta e propaganda de estatais. Alguns cedem, outros não! Denunciei aqui a fala fala de um certo José Trajano na ESPN e AFIRMEI QUE ELE NÃO ESTAVA PENSANDO APENAS POR SUA CABEÇA. DEIXEI CLARO QUE ELE VOCALIZAVA PALAVRAS DE ORDEM DO PT. Muitos não acreditaram. Pois é…
A opinião do sr., Trajano sobre mim e sobre os demais que ele atacou (Augusto Nunes, Diogo Mainardi e Demetrio Magnoli) pode ser moralmente criminosa, mas não vai além do crime moral. Ele tem o direito de achar a respeito dos meus textos o que bem entender. E eu tenho o direito de responder. Se ele se sente bem com o seu oficialismo de contestação, aí é problema dele.
É diferente, no entanto, quando um político acusa jornalistas de cometer um crime. Aí a coisa pega. O sr. Alberto Cantalice, vice-presidente do PT e “coordenador das Redes Sociais do partido” escreveu um artigo no site do PT em que se pode ler esta pérola.
 Cantalice acusação
Observem que os quatro da lista de Trajano estão também na de Cantalice, que vem ampliada. Não sei o que farão os outros. Sei o que eu farei. Estou anunciando aqui que vou processá-lo. E a razão é claríssima. Ele está me acusando se estimular a que outros “maldigam os pobres” e os discriminem em ambientes públicos. Se eu faço isso, então eu sou um criminoso. Violo um artigoda Constituição e da lei 7.716, alterada pela lei 9.459. Vale dizer: transgrido a Carta Magna do meu país e cometo um crime previsto em lei. ENTÃO O SR. CANTALICE VAI TER DE PROVAR O QUE DIZ. ELE VAI TER DE DIZER EM QUE ARTIGO E EM QUE MOMENTO EU PREGUEI A DISCRIMINAÇÃO CONTRA OS POBRES.
Para esclarecer a questão constitucional e legal. Estabelece o Inciso XLI da Constituição:
“XLI – a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”.
Define a Lei 7.716, depois de alterada pela 9.459:
“Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)
Pena: reclusão de um a três anos e multa.(Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/05/97)
Como sabem os advogados, a discriminação por condição econômica tem sido considerada pelos juízes da mesma natureza das categorias acima previstas. Assim, o sr. Cantalice acusa esse grupo de jornalistas de cometer crimes que rendem até três anos de prisão. Vai ter de provar. Se não provar, incorre no crime de calúnia e difamação.
Atenção! Este senhor é o  “coordenador da redes sociais DO partido”, entenderam? Não é que ele seja o coordenador do partido para as redes sociais. Não!!! Levadas as palavras ao pé da letra os petistas julgam já ter privatizado as redes sociais. Não deixa de ser verdade.
O sr. Cantalice vai mais longe, Ele descobriu que esse grupo de jornalistas — e vejam quanto poder ele nos confere — é responsável pela vaia que Dilma levou nos estádios. Também ele recorre à metáfora canina para nos designar. Leiam:
Cantalice acusação 2
Muito bem! Vocês sabem o que isso significa: quando o maior partido político do país, que tem, de fato, milhares de seguidores — alguns deles podem estar dispostos ao tudo ou nada — nomeia um grupo restrito de jornalistas como propagador do ódio, acusando-o, adicionalmente, de responsável por vaiais e xingamentos de que foi alvo a presidente Dilma, isso corresponde, me parece, a um convite a uma ação direta.
Não é segredo para ninguém que certo tipo de militância não precisa de palavras explícitas para agir. O sr. Cantalice está pondo em risco a segurança de profissionais da imprensa. Talvez queria isto mesmo: calar a divergência por intermédio da inimidação e do terror. Que este post sirva de alerta à Polícia Federal e ao Ministério Público. Evidentemente, nenhum de nós deve esperar a solidariedade e o protesto de entidades de defesa da categoria. Sabem por quê? Porque os respectivos comandos da maioria delas pensam a mesma coisa. Também elas acham que deveríamos ser proibidos de escrever o que escrevemos, de falar o que falamos, de pensar o que pensamos. IMAGINEM O QUE ACONTECERIA SE UM GRUPO OU UMA ENTIDADE CONSIDERADOS DE DIREITA TORNASSE PÚBLICA UMA LISTA DE DESAFETOS. O MUNDO VIRIA ABAIXO. O PT repete a tática da ditadura militar e resolveu espalhar no mural da rede os nomes e as fotografias dos “Procurados”. 
Bando de fascistas!O petismo é a mais perfeita definição do que muitos chamam nos EUA de “fascismo de esquerda”. Qualquer pessoa que tenha lido o que escrevemos ou ouvido o que falamos sabe que pensamos coisas distintas sobre um monte de assunto. Nunca nem mesmo conversei com Guilherme Fiuza, por exemplo. Duvido que Arnaldo Jabor queira papo comigo.
Com isso, estou deixando claro que não formamos um grupo. Pode ser que os petistas estejam acostumados a conversar com quadrilheiros disfarçados de jornalistas. Não é o caso.
Eu, sim, acuso o governo do seu partido, sr. Cantalice, de financiar com dinheiro público páginas na Internet e blogs cujo propósito é difamar a imprensa independente, as lideranças da oposição e membros do Poder Judiciário que não fazem as vontades do PT. E o senhor certamente não vai contestar porque é autodemonstrável.
O PT começou a sua trajetória no poder hostilizando a imprensa que não se limitava a prestar assessoria ao partido. Depois, passou a financiar o subjornalismo “livre como um táxi”. Aí tentou (e tenta ainda) criar mecanismos de censura. Agora, já chega ao ponto de estimular, ainda que de modo oblíquo, a agressão aos profissionais que não rezam segundo a sua cartilha. A esmagadora maioria da categoria vai silenciar — até porque alguns fazem esse mesmo trabalho em suas respectivas colunas, não é mesmo? Ok. Hoje, somos nós. Amanhã, chegará a vez de vocês. É simples assim. E é sempre assim.
Vaias
Eu sou responsável pelas vaias? Eu não! Quem estimulou as manifestações de rua em junho foi o PT. Eu sempre as critiquei. Ademais, sabem o que motiva vaia em estádio, meu senhor? Eu conto: roubalheira, safadeza, associação com o PCC.
Sem contar que quero encontrar cara a cara com esse sujeito num tribunal. Quero perguntar quais são as suas credenciais e sua origem para falar em nome do povo. Quero opor as minhas às suas. Quero lhe dizer que o governo que ele representa financiou, por exemplo, a ação de sem-terra e índios que resultou em policiais feridos em Brasília. Quero lhe dizer que seus aliados deram suporte a coisas como a “Mídia Ninja” na esperança de que os alvos seriam os adversários. O tiro saiu pela culatra, a despeito das intenções da turma.
O sr. Cantalice quer saber onde estão os responsáveis pela hostilidade a Dilma nos estádios? Comece por se olhar no espelho. O PT estimula a desordem. O PT estimula o desrespeito às leis. O PT estimula o desrespeito a qualquer hierarquia. O PT estimula o desrespeito até mesmo à organização familiar. O partido esperava escapar do clima que ele próprio criou?
De resto, se as hostilidades a Dilma foram um “gol contra” dos que não gostam dela e se a maioria “abominam” (sic) aquele comportamento, o sr. Cantalice deveria estar contente, não é mesmo? O PT está empenhado em fazer do limão uma limonada. Ao isolar o grupo dos “jornalistas do mal”, ameaça, na prática, todos os outros. É como se dissesse: “Comportem-se, ou vocês vão entrar na lista negra”. E, claro!, muita gente vai se comportar e ainda achar pouco!
É claro que fico preocupado quando lembro que o sr. Cantalice pertence ao partido de Celso Daniel. Terei, é certo, de tomar as devidas providências para a minha segurança. E acho que os outros devem fazer a mesma coisa.

Por Reinaldo Azevedo

sábado, 14 de junho de 2014

ESPÍRITOS DA ESCURIDÃO



Milton Pires

Quando assumiu a Presidência da República em 2003, o Partido dos Trabalhadores (PT) deu início a uma revolução no país. Não interessa aqui detalhar, minuciosamente, quais os aspectos desse processo. Interessa apontar qual sua “causa motora”..qual o seu “anima”..seu “princípio vital” ou se quiserem – seu espírito. Afirmo, pois, que aquilo que movia o PT em 2003 em nada difere dos princípios da esquerda do século XX e aponto em primeiro lugar a ideia de “começar do zero”..de “passar o país a limpo” que fez com que o PT considerasse velho, corrupto e ultrapassado tudo aquilo que o antecedeu na história política da nação. Tomado o poder, tudo precisava ser derrubado e reconstruído...tudo havia que ser pensando novamente ou simplesmente inventado para um novo Brasil..para um “novo mundo sem medo de ser feliz”..O resultado disso, todos sabemos: não sobrou “pedra sobre pedra” (a não ser de crack) da cultura e do pensamento brasileiros. Nossa razão adoeceu, nosso capacidade crítica sumiu e inciou-se uma verdadeira época da escuridão..um período de mau gosto estético e de relativismo moral que permitiram ao Partido-Religião acabar para sempre com a ideia de oposição. O PT nunca teve ou terá oposição; tem inimigos – o conceito é completamente diferente.
Ainda que dentro da sociedade brasileira nunca tenha desaparecido por completo a percepção daquilo que o PT fez com a política, o mesmo não se pode afirmar com tanta segurança a respeito daquilo que ele fez com a cultura..daquilo que ele fez com a moral e com os mais simples conceitos de disciplina, hierarquia e decoro.
O dia 12 de junho de 2014, data da abertura da Copa do Mundo no Brasil, viverá – como diria Roosevelt – na história da infâmia, segundo os petistas. “Nunca antes na história desse país” 63.000 pessoas, ao vivo e numa transmissão para o mundo inteiro, disseram a um presidente da república aquilo que Dilma Rousseff teve que ouvir no Estádio do Itaquerão em São Paulo. Antes daquilo que ela escutou, ir ao estádio era “coisa do povo”..era uma alegria de brasileiro pobre que, tomando sua cervejinha de domingo, poderia ir ao Maracanã na realização do sonho socialista. Depois do que aconteceu, Lula vem a público dizer que no Itaquerão só havia “burgueses” e que foi da diferença de classes e do preconceito que partiram as ofensas à presidente !
Por uma questão de respeito ao leitor, não vou descrever o que o público disse à Dilma naquela tarde. Não me interessa saber a que classe pertenciam as pessoas que estavam no Estádio nem se havia ou não pobres entre elas. Interessa afirmar que a primeira mandatária do país e representante de uma organização criminosa que tentou comprar todo Congresso Nacional, que destruiu toda universidade brasileira, que recebe traficantes com honras de chefes de estados, que matou prefeitos e ameaçou juízes...que bateu em professores e importou médicos cubanos..merecia e continua merecendo escutar aquilo que escutou..
O dia 12 de junho, presidente Dilma-Lula, há de entrar para História do Brasil e deixa aos senhores a duríssima lição..a inquestionável prova de que os senhores podem nos obrigar a votar, os senhores podem ter o dinheiro dos nossos impostos, podem nos processar e até mesmo nos prender tirando a nossa liberdade, mas vocês, jamais vão ter nosso respeito! Não podem ter do povo brasileiro aquilo que vocês mesmo tiraram dele: a capacidade de respeitar qualquer coisa..a simples noção de mérito e o princípio básico de respeito a cargos e instituições. Calem-se pois e não venham à imprensa com declarações que recordam as falsas virgens e que remetem aos pudores desconhecidos por aqueles que arrancam crucifixos das paredes e se masturbam em público com a estátua de Nossa Senhora.
Mantenham-se, ordeno eu, todos os petistas..todos aqueles que aparelharam, roubaram, fraudaram e corromperam a sociedade brasileira..todos aqueles que atentaram contra a inocência da infância, que abusaram dos ideais da juventude e que exploraram a doença da velhice no seu mais absoluto silêncio..Calem-se todos os que diziam antes que “a voz do povo é a voz de Deus” e que agora o peito inflam para falar em decoro, respeito ao cargo e educação perante à televisão..Voltem todos vocês, seus malditos, ao lugar onde habitam os espíritos inferiores..os Espíritos da Escuridão..


Porto Alegre, 14 de junho de 2014.   

sexta-feira, 13 de junho de 2014

PRESENTE DO PT PARA O POVO DURANTE A COPA

Folha de S. Paulo

José Serra
TENDÊNCIAS/DEBATES
Na saúde, o PT não tem remédio
Os genéricos são um caso no qual, para contrariar Nelson Rodrigues, a unanimidade não é burra. Mas o governo não tem fortalecido sua expansão
É praticamente unânime a avaliação positiva sobre a introdução dos medicamentos genéricos no Brasil, em 1999. Eles são clones dos produtos de referência, levam o nome dos respectivos princípios ativos e são mais baratos. Se o médico prescreve, por exemplo, o Nexium para combater a (minha) gastrite, a farmácia pode, legalmente, entregar o seu genérico, o esomeprazol magnésico tri-hidratado, bem mais barato (na caixa grande, economizo 40% no preço, cerca de R$ 85). É evidente, também, que a existência de vários genéricos para o mesmo produto aumenta a concorrência em preço, o que é bom para o paciente.
Os genéricos representam um caso no qual, para contrariar Nelson Rodrigues, a unanimidade não é burra. Mas nem por isso os governos petistas têm fortalecido sua expansão. Tanto é assim que a fatia dos genéricos no volume (físico) de medicamentos vendidos permanece em torno de 30%. Nos Estados Unidos, é de cerca de 60%.
Por quê? Em primeiro lugar, o governo dispensou as campanhas educativas que explicavam a vantagem dos genéricos. Em segundo lugar, fechou a área específica de aprovação de genéricos da Agência de Vigilância Sanitária. Quando deixei o Ministério da Saúde, a tramitação de genéricos consumia cinco meses. Hoje, demora seis vezes mais, apesar de a Anvisa ter três vezes mais funcionários do que quando foi criada.
A escolha da primeira diretoria da Anvisa, em 1999, baseou-se em critérios essencialmente técnicos. Nem partidos nem parlamentares me procuraram para indicar nomes. Nas gestões petistas, porém, predominou o loteamento político de cargos entre partidos --isso em detrimento da qualidade técnica da agência e, evidentemente, da lisura do seu funcionamento. Para quê serve uma nomeação política num órgão como esse senão para captar dinheiro e retribuir favores?
Até então, havíamos proibido que despachantes e intermediários cuidassem dos trâmites dos laboratórios na Anvisa. Hoje, eles operam livremente dentro da agência. Um dos seus diretores foi flagrado numa reunião com laboratórios para pedir contribuições para financiar dívidas de campanha de um deputado eleito --não por coincidência, seu padrinho político.
Os problemas provocados pelo governo vão além dos citados. Por exemplo, há um verdadeiro bloqueio para genéricos destinados a enfrentar o câncer. Trata-se de um setor de ponta, baseado na biotecnologia. Por isso, os testes de equivalência entre o genérico e o produto de referência não são iguais aos exigidos dos medicamentos comuns e é necessário que a Anvisa estabeleça os procedimentos necessários à sua operação. Pois a agência não tem conseguido dar conta desse trabalho, apesar de dispor das soluções encontradas pela União Europeia há três anos! Sem o teste, não dá para produzir genéricos e os preços de dezenas de remédios contra o câncer se mantêm nas nuvens. Não é incrível?
Mais ainda, recentemente houve uma tentativa de ataque final aos genéricos. Para compreendê-la é preciso saber que há três tipos de medicamentos no Brasil: o produto de referência (por exemplo, Nexium) e seu clone, o genérico (esomeprazol...). E existe também o "similar", que tem nome-fantasia --por exemplo, Doril, que mistura aspirina com cafeína-- e não tem equivalência com os produtos de marca. Os similares são objeto de promoções de venda, incluindo as amostras grátis para médicos. Pois bem: a ideia petista foi obrigar os similares a fazerem os testes de equivalência, mas mantendo seu nome-fantasia.
Esse modelo, que seria inédito no mundo, acabaria destroçando os genéricos, dadas as diferentes condições de concorrência e a confusão na cabeça dos consumidores. Na embalagem, os similares equivalentes teriam um carimbo: "EQ", criado pelo PT, para disputar com o "G" dos genéricos e embelezar as campanhas eleitorais do João Santana.
Alguém duvida que uma das tarefas difíceis, mas prioritárias do próximo presidente, havendo a alternância de poder, será desfazer os nós das agências reguladoras, hoje capturadas e pervertidas pelo método petista de governar?

terça-feira, 10 de junho de 2014

OPORTUNIDADE ÚNICA


Milton Pires

Imagine um mundo dominado por um país A. Esse país tem inimigos que são terroristas perigosos e pertencem a religião B. Os membros da religião B vivem procurando oportunidades para fazer coisas tipo "atirar aviões contra edifícios" mas procuram sempre chances de estar em frente as câmeras de televisão para fazê-lo. Nesse mundo do país A e da religião B, existe um outro país: o país C. Certa vez já escrevi sobre ele. Chamei o o país C de Chinelândia. O país C é um país governado por vagabundos alcoólatras e amigos de traficantes..Essa gente é muito amiga da turma da religião B e vem fazendo fazendo o pessoal do país A ficar preocupado e aborrecido. Os próprios governantes do país C gostariam que "acontecesse alguma coisa" até as próximas eleições..Algo tipo "não haver eleições" já que as chances de vitória  do Partido que governa o país C vem diminuindo cada vez mais. O país A, por outro lado, também gostaria que acontecesse alguma coisa...Essa coisa poderia fazer a oposição ao partido que governa o país C aumentar..
Pergunto agora: é impressão minha ou seria bom para o país A, para o pessoal da religião B e do partido que governa o país C que "alguma coisa acontecesse"?? Enfim..como eu sempre digo a respeito daquilo que eu mesmo escrevo: "pode ser tudo paranóooooia..pode ser tudo teoria da conspiraçãoooooooo"..rsss.rsss.
Todo aquele que tenta escrever prevendo coisas torna-se um charlatão e aquele que tenta escrever escondendo (às vezes as mesmas coisas)..também! Trocando seis por meia-dúzia, vou então ser um charlatão do primeiro tipo: aquele que tenta "prever" coisas que vão acontecer. Digo a vocês o seguinte: sendo o país C um dos mais corruptos do mundo, com as maiores fronteiras do mundo, com a polícia mais mal organizada e mal equipada do mundo, com um exército pobre e com uma noção de segurança pública que pode ser superada pela minha filha de cinco anos, nada mais natural que, durante um dos maiores eventos esportivos desse planeta, um gigantesco atentado ocorresse no país C, não é mesmo?
Meus amigos, faltam apenas dois dias para que a minha "teoria da conspiração" seja colocada à prova. Ou as coisas acontecem ou não acontecem. Parece que História não é, nesse sentido, exatamente democrática. Injusto da parte dela, história, ser "assim com a gente"? Não sei...Se isso fosse verdade a "história injusta" não poderia nos deixar lições, não é mesmo? E a verdade, sinto eu dizer aqui, é que ela deixou lições..ela insististe em deixar lições! Ela, eu diria, vive deixando lições que só não podem ser aprendidas por imbecis como habitantes do país C que vivem em função do tal esporte que mencionei, das orgias públicas que eles dizem ser uma festa religiosa vinda da Europa e dos eternos "últimos capítulos das novelas"..
De tudo que escrevi uma coisa é certa: o pessoal do país A e da religião B são diferentes dos imbecis do país C. Eles conhecem, na própria pele, o significado da palavra TERROR..sabem perfeitamente bem como ele opera e em que se situações pode ser aplicado. As situações não são tão comuns assim..as oportunidades, depois de 11 de setembro diminuíram muito..Quando um grande evento com cobertura mundial da imprensa é realizado num país de imbecis como o país C, a chance de aplicar o bom e velho terror não pode ser perdida - é uma Oportunidade Única.

Dedicado aos que morreram em Nova York em 2001

#SalaSocial: Conselho de medicina apurará suspeitas de tráfico de órgãos dentro da USP

#SalaSocial: Conselho de medicina apurará suspeitas de tráfico de órgãos dentro da USP: Com exclusividade à BBC Brasil, presidente do Cremesp afirmou que deve abrir sindicância nesta terça-feira para apurar eventuais infrações ao código de ética médica

#SalaSocial: Conselho de medicina apurará suspeitas de tráfico de órgãos dentro da USP

Atualizado em  9 de junho, 2014 - 18:04 (Brasília) 21:04 GMT
Sistema de Verificação de Órgãos, ligado à faculdade de Medicina da USP, será investigado pelo Cremesp
O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) abrirá sindicância para investigar o suposto envolvimento de médicos do Serviço de Verificaçãode Órgãos, entidade ligada à USP, num esquema de venda ilegal de órgãos para pesquisa médica.
Como a BBC Brasil revelou na última sexta-feira, o caso está sendo investigado pelo Ministério Público de São Paulo.
A informação foi adiantada com exclusividade pelo presidente do conselho, João Ladislau Rosa. "A abertura da sindicância será aprovada formalmente amanhã, mas já posso adiantar que ela acontecerá", afirmou Rosa.
Segundo o médico, o objetivo da investigação é verificar eventuais infrações no código brasileiro de ética médica. "Não temos registro de nenhuma sindicância parecida com essa em São Paulo, relacionando instituições como o SVO a tráfico de órgãos", afirma.
À reportagem, o médico Luiz Fernando Ferraz da Silva, diretor do SVO e professor da Faculdade de Medicina da USP, afirmou que ainda não foi oficialmente notificado da sindicância do Cremesp.
"Estaremos à disposição do Conselho para todos os esclarecimentos necessários", disse.
Procurada pela reportagem após a divulgação do caso, a USP afirmou, em nota, que "por conta da autonomia das Unidades de Ensino e Pesquisa, a apuração dos fatos deve ser feita no âmbito do próprio SVO, que está ligado ao Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina e possui seu próprio diretor".
Já a Faculdade de Medicina da USP disse, também por meio de nota, que "o SVO é uma entidade independente da Faculdade e faz parte da Universidade de São Paulo".

Direto de defesa

De acordo com Rosa, as penas aplicáveis vão desde advertências aos médicos responsáveis, no caso de infrações leves, até a suspensão e cassação da licença de exercício profissional.
"O tipo de pena é discutido no momento do julgamento, que só acontecerá se surgirem provas contra os médicos", diz o presidente do Cremesp.
Ele afirma ainda que "os médicos podem recorrer em todas as instâncias, respeitando o princípio do contraditório e da ampla defesa" - o que significa, em termos leigos, que os investigados têm direito a serem ouvidos e de se defender durante a investigação.
Rosa afirma que o primeiro passo será ouvir os responsáveis pelo SVO, assim como visitar e investigar suas instalações.
"Também solicitaremos informações ao MP. A partir daí tudo será encaminhado e deverá correr em sigilo", explica.

Entenda o caso

Em entrevista à BBC Brasil na semana passada, a diretoria do SVO afirmou que "trabalha dentro da lei" e que "todas as informações que forem solicitadas pela promotoria do Ministério Público, sobre qualquer investigação, serão diretamente encaminhadas a eles".
A Promotoria não tem certeza sobre a finalidade da suposta venda de órgãos, que teria sido denunciada nos depoimentos de duas testemunhas ao MP.
Até agora, a investigação aponta que eles seriam vendidos para uso em pesquisas - e não para transplantes.
Como a BBC Brasil revelou, a Promotoria investiga se o SVO, que fica dentro do Hospital das Clínicas, seria omisso na busca por familiares de pessoas que morreram sem amigos ou parentes por perto.
De acordo com as denúncias, sem pedir autorização às famílias, o SVO extrairia e venderia órgãos ilegalmente para uma rede de instituições de pesquisa e atendimento médico.
Entidade estadual, o SVO é responsável por identificar, por meio de autópsias, as causas de mortes naturais de pessoas desacompanhadas - em geral ocorridas nas ruas ou em hospitais públicos - na cidade de São Paulo.

#SalaSocial

A BBC Brasil descobriu esta investigação a partir de uma petição online que circulava nas redes sociais.