"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

OFÍCIO ENTREGUE NO COMANDO MILITAR DO SUDESTE


DEFESA DE CERVERÓ COLOCA OS POLÍTICOS NO CENTRO DA INVESTIGAÇÃO DO PETROLÃO

SÃO PAULO - A defesa do doleiro Alberto Youssef pediu a nulidade das escutas telefônicas que embasam a Operação Lava-Jato, a reunião de todas as ações penais num único processo, por serem fatos interligados, e afirmou que políticos e agentes públicos foram os maiores responsáveis pelo esquema que desviou fabulosas quantias dos cofres da Petrobras. O advogado Antonio Figueiredo Basto, que defende o doleiro, reuniu num organograma todas as obras e pagamentos de propinas feitos pelas cinco empreiteiras já denunciadas pela força-tarefa do Ministério Público Federal. De acordo com o documento, as obras somaram R$ 34,7 bilhões e apenas a propina da diretoria de Abastecimento, que passava por Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, atinge R$ 244 milhões.
Segundo a defesa, o “conluio entre políticos e empreiteiras” ocorreu sem a participação de Youssef. “Não é preciso grandes malabarismos intelectuais para reconhecer que o domínio da organização criminosa estava nas mãos de agentes políticos... “, diz o documento.
Os advogados dizem que a participação de Youssef foi “subsidiária às ordens de agentes políticos e públicos”, que foram os maiores responsáveis pelo esquema que desviou fabulosas quantias dos cofres da Petrobras com objetivo de manter um projeto de poder bem definido: vontade de submeter partidos, corromper ideias e subverter a ordem constitucional. Afirmam ainda que este projeto não é novo e “restou provado” no julgamento do Mensalão. A diferença entre Mensalão e Lava-Jato, acrescentam, é que o caso atual é “superlativo quer pelo requinte dos malfeitos quer pela audácia e desmedida ganância dos agentes políticos”.
Os advogados afirmam que a condição de réu colaborador da Justiça não impede Youssef de se defender e que a delação, que foi feita de forma espontânea, voluntária e sem qualquer tipo de coação, não é motivo de “desonra”. Dizem que os demais acusados e investigados “agem como crianças que desejam uma coisa, mas não suas consequências” ao pedir a anulação do acordo de delação. Para eles, cientes do poderio econômico, eles ameaçam o Judiciário com um troco: “Hoje condenado, amanhã faço a lei”.
Para a defesa de Youssef, os demais acusados tentam desviar o foco da investigação e fazer crer que a “imoralidade não está na trapaça, na afanação do dinheiro público, afinal tudo é permitido se não for descoberto, mas na colaboração com a justiça”.
Os advogados pedem a nulidade da escuta com base na continuidade dela por mais de um período, sem que houvesse um fato concreto a investigar. Para eles, a falta de clareza do objeto a ser investigado, com o encontro de fatos fortuitos, torna as escutas da Polícia Federais ilegais, o que deve levar todas as demais provas colhidas durante a Lava-Jato a serem também ilegais.
Os advogados pedem ainda a anulação dos despachos do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, que marcou as audiências de testemunhas de acusação para o início de fevereiro, porque foi o documento foi assinado antes da apresentação da resposta da defesa. Pedem ainda que os documentos sejam ordenados na ação penal, uma vez que estão espalhados nas várias que estão em andamento na Justiça Federal do Paraná e tiveram como base a Operação Lava Jato.

MÉDICOS CUBANOS NO BRASIL AMEAÇADOS PELO GOVERNO DE CUBA

Yusnaby Pérez

Médicos cubanos en Brasil reciben amenazas del Gobierno de Cuba

Brasil da visa por 36 meses a familiares de medicos cubanos en misión. Pero el regimen les exige regresar en un mes. Si no lo hacen, al mèdico lo separan del programa, sin explicaciones
miércoles, enero 28, 2015 |  Yusnaby Pérez  | 
LA HABANA, Cuba . — Hemos contactado con una médico cubana trabajando para el programa Mais Médicos en Brasil, quien por el momento prefiere que no publiquemos su identidad, para denunciar nuevas medidas por parte del Gobierno cubano contra los familiares de los médicos de misión en este país sudamericano.Como acuerdo del programa Mais Médicos, Brasil le permite a los médicos de misión, solicitar una visa para sus familiares directos en Cuba por un período de 36 meses (tiempo que dura el contrato de los médicos) para que puedan residir sin problemas en el territorio brasileño. Gracias a esta posibilidad, muchos médicos de Mais Médicos han llevado a Brasil a sus familiares.
Recientemente, según denuncia la fuente, el Gobierno de Cuba ha comenzado a amenazar a los médicos advirtiéndoles que sus familiares tienen que regresar a Cuba después de un mes (sin importar el tiempo asignado en su visado) de visita en Brasil.
-El Ministerio de Salud Pública de Cuba, intentó frenar la salida de los familiares intentado que Brasil sólo les diera visa de turismo por un mes. Esto no ocurrió, pues son políticas internacionales de Brasil que aplican a todo el mundo. Ahora se informó que en febrero todos los que ya están aquí tienen que regresar, y los que recién llegaron, solo pueden estar un mes- resalta.
La razón del Gobierno de Cuba para tal medida, es que cuando los familiares de los médicos cubanos se enferman en Brasil, la OPAS (Organización Panamericana de la Salud, mediadora entre Brasil, el Gobierno de Cuba y los médicos) tiene que cubrir los gastos. Otra razón expuesta a los médicos por parte de las autoridades cubanas es que estos no rinden correctamente en su trabajo cuando están en compañía de los familiares.
-Los médicos en esta situación estamos muy molestos , no estamos de acuerdo y no pensamos regresar a nuestros familiares- señala la fuente.
Los familiares en Brasil ayudan al médico a estar en los lugares más remotos donde están trabajando (municipios a más de 500 kilómetros de las capitales rodeados de montañas). El esposo o esposa del médico ayuda en las labores de la casa, acompaña y sobre todo brinda apoyo emocional.
¿Cuántos matrimonios han sido disueltos en Cuba producto de la separación de los médicos que van a misiones internacionales por largos períodos?
Según la ley migratoria en Cuba, cada cubano tiene derecho de permanecer legalmente fuera del país hasta 24 meses y el visado otorgado por Brasil a los familiares de los médicos contempla perfectamente este período de tiempo.“Nosotros pagamos todos los gastos de viaje de nuestros familiares. El pasaje cuesta más de 1000 dólares. Si el médico no manda al familiar para Cuba, el Gobierno tomará al médico como desertor”, explica la fuente.Mais Médicos es un programa social de Brasil que contrata médicos de diferentes países, la mayoría cubanos. Brasil paga por cada médico 10,000 relaes (unos 4000 dólares). En el caso de los cubanos, Brasil paga esta suma al Gobierno de Cuba quien se queda con el 70% de esta cantidad y el resto lo entrega al trabajador cubano en Brasil. Esto sólo ocurre con los cubanos, el resto de médicos de otros países trabajando para este programa, reciben su salario íntegro.
-El ministerio cubano está presionando a los médicos que no quieren regresar a sus familiares con desligarlos del programa; así sin más explicaciones. Creemos que así será, pues en Cuba hay otros miles de médicos esperando la oportunidad de poder venir. ¿Hasta dónde llegará el abuso, la desconsideración y la falta de visión humana hacia el personal médico que aporta tanto al país?-
Yusnaby Pérez
Bloguero y escritor cubano. Amante de la democracia, la libertad y los Derechos Humanos. Defensor de la pluralidad de criterios y modos de expresión. La Habana, Cuba.
Los comentarios publicados son de exclusiva responsabilidad de sus autores y no reflejan la opinión de Cubanet Noticias. Aquel usuario que incluya en sus mensajes algún comentario que viole alguno de los términos y condiciones del reglamento será inhabilitado para volver a comentar.
Pedimos a los usuarios abstenerse de utilizar palabras obscenas u ofensas de tipo personal.
 Enviar un comentario implica la aceptacion del reglamento. Servicio proporcionado por DISQUS.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

A PRIMAVERA NO JAPÃO..


Milton Pires

Quando, na década de 1970, eu era uma criança, estudei numa escola pública. Morando a cerca de cem quilômetros de Porto Alegre, meu pai era médico numa cidadezinha que, na época, não tinha mais do que 30 mil habitantes. Lembro, um por um, dos nomes das professoras que chamávamos de “tias”. Toda vez que uma delas entrava em sala de aula, era nosso costume se levantar e não se começava lição alguma sem antes rezar o “Pai Nosso” ou a “Ave Maria”. Esses hábitos, firmados pelo tempo e pelo costume, davam sentido ao meu universo, então o universo de um menino, alheio à vida política do país..alheio a qualquer necessidade ou obrigação da rotina adulta que aos poucos nos vai roubando essa impressão de realidade fantástica em que transcorre o cotidiano do mundo infantil.
Tenho, desse tempo, uma lembrança inesquecível: em certas ocasiões faltava, por um motivo ou outro, uma de nossas professoras. Era costume então que uma outra “tia” nos levasse a um grande salão – na verdade imenso aos olhos de uma criança – onde assistíamos filmes que a secretaria estadual de educação distribuía em suas unidades pelo Rio Grande do Sul. Eram eles, os filmes, pequenos documentários...pequenas aulas sobre países e fatos da história ou da natureza que, no Brasil dos anos 70, constituíam uma raridade...uma verdadeira iguaria numa década em que sequer se poderia imaginar uma coisa chamada internet...Escutar rádio em ondas curtas era o que de mais próximo havia para quem buscava escapar do Jornal Nacional, da Novela das Oito, do Cassino do Chacrinha ou dos Trapalhões.
Nessa época, em 1976 ou 77, eu não tinha a menor ideia de quem eram Médici ou Geisel...eu não conseguia entender o significado das palavras ditadura ou democracia e olhava curioso para multidão que se reuniu, quase em frente à casa em que morávamos, para receber a estátua do General Costa e Silva numa praça da cidadezinha em que eu vivia e na qual ele havia nascido. Naqueles dias, ninguém me poderia explicar por que os temas dos documentários que a escola nos mostrava eram tão distantes da realidade brasileira...Por que nós precisávamos assistir filmes sobre a vida na China antiga ou sobre as usinas termoelétricas da Alemanha?...Qual o sentido de mostrar a um menino de 11 ou 12 anos, nascido no Rio Grande do Sul, os filmes em super oito que os consulados em Porto Alegre pareciam oferecer como presente para minha imaginação que, uma vez despertada, obrigava meu pai a voltar da antiga Livraria do Globo com sacolas e mais sacolas de livros?
Quarenta anos depois disso que eu descrevi...depois de tudo que aconteceu no país...depois de homem feito e pai de família, não é difícil dar sentido aos filmes que a escola me apresentava. Era o próprio distanciamento, o próprio esquecimento do Brasil que se fazia necessário impor nos bancos escolares: a ditadura nos oferecia “viagens”...nos mostrava outros países e outras histórias...Não se “politizava” estudantes...Não se alimentava a “subversão”...
Ontem, 26 de janeiro de 2015, durante todo o dia, eu tive pela TV, pelo rádio e pela internet brasileiros, uma quantidade maior de informações sobre a tempestade de neve nos Estados Unidos do que qualquer outro assunto. Eu fiquei sabendo tudo sobre a preparação de Nova Iorque para enfrentá-la. Eu assisti entrevistas, eu vi o prefeito dando declarações..vi comparações com tempestades anteriores...Eu vi tudo isso na mesma semana em que o Brasil do PT, em virtude da falta d'água, desliga sua segunda usina hidroelétrica e a maior cidade do mundo abaixo da linha do Equador, São Paulo, segue ameaçada por apagões e pelo racionamento de luz e de energia..Eu voltei no tempo e me senti mais uma vez um menino da década de 70...uma criança para quem as palavras “atentado à bomba” ou “subversão” precisavam ser esquecidas nos documentários que eu assistia e que marcaram minha vida para sempre...Vida que hoje, já no seu outono, ainda enxerga esse mundo de 2015 com os mesmos olhos de um menino da Taquari da década de 70 assistindo quietinho, impressionado, no salão da velha escola um filme lindo e sem sentido repetido dezenas e dezenas de vezes ….. “A Primavera no Japão”

Para o meu pai...que me ensinou a ler...

Porto Alegre, 27 de janeiro de 2015. 

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

SEGUINDO SUA TRADIÇÃO DE X9, LULA PRETENDE "ENTREGAR" DIRCEU

PARA SE LIVRAR, LULA CULPARÁ DIRCEU PELO ESQUEMA DA PETROBRAS

http://4.bp.blogspot.com/-pYYOJGiiVug/UFeCpzOvIbI/AAAAAAAAgS0/aWAWTmIYQl0/s640/lula+e+dirceu+22.jpg
Carlos Newton
A reportagem da Veja que começou a circular sábado, assinada por Daniel Pereira, está corretíssima e representa um estrondoso furo de reportagem. O jornalista publicou declarações atribuídas ao ex-ministro José Dirceu, feitas após uma frustrada tentativa de contato com o ex-presidente Lula, que não respondeu ao telefonema dele para marcar um encontro pessoal.
Lula foi de uma inabilidade surpreendente. Não ligou de volta e determinou a seu assessor Paulo Okamoto que se comunicasse com Dirceu. Assim foi feito e Okamoto então indagou a ele o que estaria precisando. E a resposta que recebeu foi fulminante: “Você acha que vou ligar para pedir alguma coisa? Vocês me abandonaram há tempos”, disse Dirceu, segundo o relato do repórter Daniel Pereira.
A esse respeito, vale à pena repetir o que nosso grande amigo Pedro do Coutto afirmou aqui na Tribuna da Internet: “Se a frase está reproduzida literalmente, é porque foi transmitida à reportagem pelo próprio ex-ministro Dirceu. Não há outra explicação. Logicamente, não pode ter sido Lula, tampouco Paulo Okamoto”.
O NOVO MENSALÃO
A reportagem de Daniel Pereira acentua que o ex-ministro desejava conversar diretamente com Lula sobre a necessidade de o governo e o PT organizarem uma sólida estratégia de defesa no caso Petrobrás.
Lula não atendeu a Dirceu, porque não sabe o que dizer a ele. O ex-chefe da Casa Civil está desesperado com a evolução fulminante do escândalo da Petrobras, que inevitavelmente vai envolver seu amigo Sergio Gabrielli, ex-presidente da estatal, e também João Vaccari, tesoureiro do PT. E logo depois a investigação chegará a ele, Dirceu, não há a menor dúvida.
O ex-ministro está em liberdade condicional (prisão domiciliar) e se apavora com a crescente possibilidade de nova condenação. Por isso, queria tanto falar com Lula, trocar ideias com o ex-presidente, que lhe deve muitos favores, principalmente o fato de Dirceu não o ter traído no episódio do mensalão. Na época, Lula disse ter sido apunhalado pelas costas, e Dirceu ficou calado foi para o sacrifício. Mesmo assim, continuou a ser amigo de Lula.
Em janeiro de 2012, antes de pegar cadeia, foi Dirceu quem comandou a operação de montagem da equipe de advogados que defenderiam Rosemary Noronha, que não é simplesmente mais um caso amoroso de Lula, mas a mulher que ele ama e com a qual se relaciona desde a década de 90. Lula, inclusive, participou de reuniões que Dirceu manteve com os advogados de Rose, todos de primeira linha e que cobram caro, muito caro.
DIRCEU, NOVAMENTE SOZINHO
Mas agora a amizade acabou. Dirceu vai ser novamente abandonado, Lula dirá que não
sabia de nada que acontecia na Petrobras, a presidente Dilma Rousseff fará o mesmo, pois a estratégia dos dois é idêntica – o único caminho que lhes resta é culpar Dirceu pela montagem do esquema de corrupção para angariar recursos e preservar o PT no poder, enquanto fosse possível.
Mas o problema não será resolvido tão simples assim. A questão é complicada, porque vai sobrar também para dois outros mensaleiros (Delúbio Soares, ex-tesoureiro, e José Genoino, ex-presidente do PT), embolando ainda mais a situação.
Bem, estes são apenas os primeiros capítulos desta eletrizante novela que está corroendo os alicerces da política nacional. Com dizia nosso amigo Ibrahim Sued, depois eu conto.

CONVOCAÇÃO PARA O DIA 24 DE JANEIRO


segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

PRISIONEIROS AGUARDANDO A MORTE


CORPO DE PRISIONEIRO EXECUTADO


LARISSA


Médicos do RS não vão Receber Pagamento do IPE para procedimentos desde outubro de 2014.


Está suspenso por tempo indeterminado o pagamento de consultas médicas a profissionais credenciados pelo Instituto de Previdência do Rio Grande do Sul (IPE). O IPE publicou comunicado informando que as notas de cobrança transmitidas entre os dias 1º e 20 de dezembro e consultas médicas entre 13 e 31 de dezembro de 2014, que deveriam ter o pagamentos efetuados na sexta-feira, tiveram os repasses cancelados em função dodecreto do governador José Ivo Sartori (PMDB), que adotou ações de contenção de gastos.

Segundo o urologista Eduardo Gastal, credenciado ao instituto, o pagamento do IPE aos profissionais já é feito em um prazo maior do que os demais convênios. O médico explicou que as consultas são pagas sempre no dia 5 de cada mês. No entanto, com relação aos procedimentos médicos, o valor repassado aos profissionais demora até três meses. Portanto, procedimentos realizados em outubro ainda não foram pagos pelo IPE.

“A gente não recebeu as consultas que foram realizadas no mês de dezembro e, provavelmente, não vamos receber nos próximos dias pelos procedimentos realizados em outubro de 2014. Há uma defasagem de pagamentos das consultas, que já é um valor pequeno e provavelmente haverá uma defasagem no pagamento dos procedimentos que já foram realizados”, explicou Gastal.

Chega a até 30% o número de atendimentos nos consultórios médicos através do convênio com o Instituto de Previdência. Na prática, a assistência não será suspensa, principalmente, em função do vínculo existente com os pacientes. No entanto, se não existir alguma solução, os profissionais poderão se descredenciar do Instituto, onde cerca de 1 milhão de pessoas recebe atendimento.

De acordo com a Assessoria de Imprensa do IPE, o diretor-presidente Valter Morigi está em compromissos durante todo o dia e, somente a partir desta terça-feira, poderá se pronunciar oficialmente sobre as consequências da falta de repasse. Em nota, a diretoria do IPE disse que solicitou à Secretaria da Fazenda que considerasse a excepcionalidade dos gastos com saúde e liberasse o orçamento, já que existe recurso em caixa para efetuar o pagamento dos serviços.

"On the idle hill of summer..."


by A. E. Housman (1859-1936)

On the idle hill of summer,
Sleepy with the flow of streams,
Far I hear the steady drummer
Drumming like a noise in dreams.

Far and near and low and louder
On the roads of earth go by,
Dear to friends and food for powder,
Soldiers marching, all to die.


East and west on fields forgotten
Bleach the bones of comrades slain,
Lovely lads and dead and rotten;
None that go return again.

Far the calling bugles hollo,
High the screaming fife replies,
Gay the files of scarlet follow:
Woman bore me, I will rise.

sábado, 17 de janeiro de 2015

LETTER TO THE INDONESIAN PRESIDENT

To: kbri.beograd@eunet.rs
FROM :
MIAMI - FL U.S.A
JANUARY 17TH, 2015

IN ATTETION TO :
MINISTRY OF STATE SECRETARY OF THE REPUBLIC OF INDONESIA
Jl. Veteran No. 18 Jakarta 10110 Phone: (021) 3843858 , 3845627

LETTER TO THE INDONESIAN PRESIDENT
RE: BRAZILIAN DRUG TRAFFICKER
MARCO ARCHER CARDOSO MOREIRA

Dear President of the Republic of Indonesia Joko Widodo.

We the Brazilian people have decide to respectfully write this briefly message in your attention in regards to the letter from our government leaders requesting for clemency made by Brazil's President Dilma Rousseff to fulfill the Brazilian Marco Archer Cardoso Moreira.
We the Brazilian people come as one to let you know that Dilma Rousseff views as Brazil's president do not represents the actual view and wishes of all Brazilians citizens .
Dilma is a former terrorist trained in Havana / Cuba back 1960's and her political party was formed and financied from corruption, money laundering and illegal cocaine and crack trafficking throughout south America's border.
The Brazilian commonly know as "PT" actual governmental political workers party is friendly with a Colombian outlaws commonly know as " FARC " The South America's kings of cocaine traffickers. It does not represent the good of Brazilian community.

Unfortunately our actual government have fraud the presidential elections by using a " smartmatic " voting machine easily manipulated by computer software and as well follows and obeys the São Paulo Forum's orders founded by a dictatorship and communist Fidel and brother Raul Castro from Cuba.
Brazil today is about to be a Communist Country lead by corruption and drugs.
We the Brazilian people want to take this opportunity and Thank you to help us get rid of this drug dealer who unfortunately shamed Brazil's dignity overseas which had ended in Indonesia carrying illegally 13.4 kilos of cocaine.
Congratulations to you and your excellent government services to your Country
Best Regards from Brazil's people and God's bless your Country Mr President .

once again,
Thank you Mr. President Joko Widodo
God bless Indonesia

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

CARTA AO PRESIDENTE DA INDONÉSIA


Excelentíssimo Senhor Presidente da República da Indonésia
Joko Widodo.

Em relação ao pedido de clemência feito pela Presidente Dilma Rousseff quanto à execução do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, fazemos aqui questão de dizer ao senhor que ela, de maneira nenhuma, representa a opinião de centenas de milhões de brasileiros. Dilma é, ela mesma, uma ex-terrorista e seu partido foi formado com a ajuda do tráfico de cocaína na América Latina. O Governo Brasileiro do PT é um governo amigo de traficantes de cocaína. Ele não representa os brasileiros de bem e obedece ordens do Foro de São Paulo. Muito obrigado por nos livrar desse traficante assassino que desgraçadamente envergonhou o Brasil aí na Indonésia.

Atenciosamente,

Cidadãos Brasileiros de Bem.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

LIBERDADE DE EXPRESSÃO


NOTA DO EDITOR - Os leitores podem achar o post de mau gosto..podem ficar magoados comigo, mas ninguém pode me ofender nem muito menos me ameaçar ou agredir..é "direito meu"..Isso é minha "liberdade de expressão", não é ?? Quando vivo, é ou não é verdade que ele fez um desenho com Jesus Cristo fazendo a mesma coisa com Deus ??

sábado, 10 de janeiro de 2015

RESPOSTA AO BRASIL 247 NA MATÉRIA SOBRE O CFM.

CFM quer impedir médicos de atuar na rede pública

Manual do Conselho Federal de Medicina que deve ser publicado nas próximas semanas traz regras e orientações para fiscais identificarem um ambiente adequado de trabalho, com base na infraestrutura, materiais básicos e quantidade mínima de profissionais


Depois de se destacar pela forte atuação contra o programa Mais Médicos, pelo qual o governo federal contratou 14.462 profissionais estrangeiros e brasileiros para o sistema de saúde do País, o Conselho Federal de Medicina (CFM) pretende agora impedir médicos de atuarem na rede pública de saúde.
O plano do Conselho é apertar a fiscalização em hospitais e prontos-socorros brasileiros, conforme noticiou nesta quinta-feira 8 a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna. Nas próximas semanas, a entidade divulga uma cartilha com orientações para os fiscais da CFM utilizarem em suas "blitze".
O material trará regras sobre requisitos para um ambiente adequado de trabalho, com base em infraestrutura, materiais e quantidade mínima de profissionais em atendimento, por exemplo. O objetivo é embasar o fiscal para que ele identifique os itens básicos que possam garantir a segurança dos pacientes e dos profissionais.
Caso se deparem com irregularidades, a primeira ação é chamar o responsável pelo estabelecimento. O Ministério Público também será acionado e, se as providências não forem tomadas, o Conselho poderá até determinar "interdição ética", impedindo médicos de atuar no local por falta de condições de trabalho.
A entidade que representa a classe médica parece andar para trás no que diz respeito à contribuição ao sistema público de saúde. Enxerga, como solução para os problemas da área, deixar a população com menos profissionais à disposição.
Não foi com o mesmo rigor que o Conselho agiu contra a chamada "máfia das próteses", denunciada no domingo pelo programa Fantástico, da Globo.
RESPOSTA DO EDITOR - Sem procuração alguma para defender o Conselho Federal de Medicina e escrevendo na condição de médico, de cidadão e de eleitor que não depende de dinheiro petista vindo do tráfico de drogas na América Latina, afirmo que jamais, em toda história, foi objetivo primário do CFM impedir médicos brasileiros de trabalharem em parte alguma. Digo ainda, como médico formado há mais de 20 anos, que não só é uma prerrogativa como uma obrigação dessa autarquia zelar pelo nível da Medicina que se pratica no Brasil tendo sido EXATAMENTE por isso que se posicionou contra o Programa Mais Médicos que foi criado para REELEGER Dilma e não para solucionar os problemas da Saúde Pública. Toda força, pois, ao Conselho na sua tarefa histórica e no cumprimento da sua obrigação juntos aos médicos e junto a sociedade. 

MILITAR DE VERDADE E NÃO UM LACAIO DE VAGABUNDOS PETISTAS



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Luciano José da Silva

Parabéns pela nomeação ao mais alto posto da FORÇA TERRESTRE, GENERAL VILLAS BÔAS, no entanto, gostaria de saber como ficará a minha situação sócio-econômica:

Adentrei às fileiras do Exército Brasileiro em fevereiro de 1997, após ter sido aprovado no ex-concorrido concurso para a Escola de Sargentos das Armas, servi nas violentas capitais do Rio de Janeiro e de São Paulo, em Olinda-PE, Recife e no Comando Militar da Amazônia, num período de tempo em que Vossa Excelência foi Chefe do Estado Maior, em todos esses locais, fui obrigado a servir ao Exército e à Pátria Brasileira, tendo que arcar com o pagamento de onerosos e exorbitantes valores de aluguéis de imóvel, para poder abrigar a minha família.

Sempre em favelas e em casas sem qualquer tipo de conforto ou dignidade, pois este PRIMEIRO-SARGENTO LUCIANO JOSÉ DA SILVA (IDT 043463324-4 EB), nunca recebeu da Instituição Exército Brasileiro um imóvel da União (Próprio Nacional Residencial = PNR), numa Vila Militar, devido a isso, somados os valores que gastei com aluguéis pelo território nacional, daria para ter hoje cerca de 3 (três) imóveis de classe média ou uns 5 (cinco) carros populares. Vossa Excelência acha isso justo? Acho isso correto? Acha isso humano? Acha isso respeitoso?

Pois bem, enquanto fui e ainda sou obrigado a pagar onerosos aluguéis para morar em favelas, pois é dessa forma que o Exército Brasileiro quer que o Sargento Luciano Silva sirva sorrindo à instituição e à Nação, enquanto os militares que servem na corte (Brasília-DF) e que estão sob a mesma condição jurídica que a minha (administrado) têm o privilégio vergonhoso e absurdo, de lá somente poderem prestar seus serviços militares juntamente com os familiares, se existir a disponibilidade de um imóvel da União para moradia, por sinal, excelentes imóveis (alto padrão), ou seja, esses militares "sortudos" não precisam arrochar o orçamento familiar com o pagamento de aluguéis, enquanto o SARGENTO LUCIANO SILVA é cobrado pela esposa e o filho adolescente a tomar alguma atitude perante o Ministério Público e Justiça Federais para corrigir toda essa covardia.

Pergunto: Por que, a respeito da ocupação de imóvel em Vila Militar, nunca me foi dispensado o mesmo tratamento dado aos militares designados a servir ao Exército e à Nação na Capital da República? Em que eles e os familiares são melhores do que eu e do que a minha família para terem esse privilégio inconstitucional? É justo, eu ter que pagar aluguel e eles serem isentos disso, mesmo vestindo a mesma farda e servindo à mesma Força Armada?

Excelência, estamos tratando do caso de 1 (um) Primeiro-Sargento, com cerca de 18 (dezoito) anos de valosos serviços prestados à Força e à Nação Brasileira, que nunca morou em uma Vila Militar, mas apenas gastou o pouco que tinha pagando caros aluguéis, para morar em fundos de casa, favela, ruas esburacadas etc., espero não ser perseguido e humilhado por estar expondo a verdade, muito pelo contrário, recentemente fiz o financiamento de um imóvel pela Caixa Econômica Federal, porém devido ao arrocho salarial, tive que pedir o socorro da DIRETORIA DA FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO / POUPEX, e mesmo sendo um associado adimplente desde o ano de 1997, sabe o que recebi como resposta ao documento que enviei no mês de dezembro ao GENERAL DE EXÉRCITO ERON CARLOS MARQUES (Presidente da FHE/Poupex) e demais diretores, solicitando o deferimento da portabilidade de minha dívida com a Caixa Econômica Federal para a FHE/Poupex??? UM TREMENDO DE UM NÃO, BEM GRANDE!!!

Enquanto isso, juízes federais lesaram os cofres da FHE/Poupex e os bolsos dos associados em mais de 20 milhões de reais, pegos com empréstimos fraudulentos reiterados. Já para o PRIMEIRO-SARGENTO LUCIANO JOSÉ DA SILVA (CPF 867.311.144-72) não podem fazer portabilidade nem tampouco emprestar R$ 15.000,00; mas para os ricos magistrados tudo pode. Pergunto: isso está correto? Isso é legal? Isso é justo? Isso é humano? Isso é isonômico?

Desejo a Vossa Excelência, muita força, paz, humanidade, inteligência, amor no coração, amizade na condução da Força Terrestre, e que a torne de verdade a Força Terrestre de todos os brasileiros, como o seu lema: EXÉRCITO BRASILEIRO - BRAÇO FORTE, MÃO AMIGA!!! Essa segunda parte do lema é tudo o que mais preciso no momento.

Luciano José da Silva é Primeiro-Sargento do EB.

Nota da Redação do Alerta Total: Pela cartinha corajosa e democraticamente tornada pública, o Ministro da Defesa, Jaques Wagner, certamente pedirá que o SGT Luciano Silva, de Recife, passe uma temporada na cadeia...

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

CASARTELLI DEVERÁ SER "CORRIDO" DA SECRETARIA DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

CARLOS HENRIQUE GIAMBASTIANI CASARTELLI, o criador de CPIs está na corda bamba. Deverá ser corrido da secretaria municipal da Saúde de Porto Alegre...

O Diretório Municipal do PDT por unanimidade assinou um documento pedindo a cabeça do secretário-problema Carlos Henrique Giambastiani Casartelli (PTB). Um passarinho informou ao blog www.imprensalivrers.blogspot.com.br que o PDT não quer mais saber do CASARTELLI comando da secretaria municipal da Saúde de Porto Alegre. Não é só o PDT que não quer o rapaz no cargo. Vereadores do PMDB e até do PP não querem saber mais da presença dele no comando da pasta da Saúde.  CASARTELLI foi o grande responsável pela CPI da Procempa que está causando enormes problemas para o nosso querido prefeito Zé Fortunatti (PDT). Se o prefeito manter ele na pasta uma poderosa e devastadora CPI da Saúde vai ser instalada em fevereiro de 2014 na Câmara Municipal de Porto Alegre. Essa CPI vai ressuscitar ELISEU SANTOS (aquele que foi fuzilado por não querer dividir as propinagens do Instituto Sollus). A CPI da Saúde vai ressuscitar fatos gravíssimos que vem acontecendo  (e que já aconteceram) na secretaria municipal da Saúde nos últimos 10 anos. O blog www.imprensalivrers.blogspot.com.br já sabe que existe mais de 18 (dezoito) vereadores querendo assinar essa CPI. O blog www.imprensalivrers.blogspot.com.br quer essa CPI.  O blog www.imprensalivrers.blogspot.com.br sabe que tem dois fortes concorrentes para assumir a pasta da Saúde de Porto Alegre: JORGE CUTY, do PP e atual secretário adjunto da Saúde de Porto Alegre e MARCELO BÓSIO, com fortes ligações com o PT. MARCELO BÓSIO é o atual secretário municipal da Saúde de Canoas.  Um passarinho nos informou: “o ex-vereador ADELI SELL (PT) está costurando a vinda do BÓSIO para Porto Alegre. O passarinho também falou ao blog; “O ADELI é amicíssimo do Fortunatti , do Casartelli e do Marcelinho”. É bom lembrar que esse vivaldino é o mesmo que tentou melar a CPI da Procempa. O blog www.imprensalivrers.blogspot.com.br conhece muito bem quem é esse rapaz. Outra fonte do blog www.imprensalivrers.blogspot.com.br nos informou: “JORGE CUTY (PP) é o favorito. Ele tem o apoio da maioria dos vereadores da base de sustentação do José Fortunatti na Câmara de Vereadores”.  E disse também: “o Marcelo é cria do Casartelli e tem fortes ligações com o PT. E é do PT. A mesma fonte disse: “O Marcelinho tem ligações “fortes” com o dono do software AGHOS...” Segundo outras fontes bem informadas do blog www.imprensalivrers.blogspot.com.br o nome do Marcelinho enfrenta resistência dentro da do PMDB, PP e do PDT.  O blog também ficou sabendo que a dona Regina Neusinha Becker não admite a saída do seu amiguinho da pasta da Saúde. Como ela manda e desmanda no seu marido Zé Fortunatti, a CPI da Saúde tem grandes possibilidades de acontecer. E os resultados serão terríveis para seu marido e para o PTB.

PARA RECORDAR - DEZEMBRO DE 2013 - Casartelli denunciado na CPI da Procempa



A lista é longa. Começa com Cristiano Tasch (ex-PMDB, hoje PPS), secretário da Fazenda que assumiu em 2005 no primeiro período do prefeito Fogaça. Vendeu a CRT numa operação muito questionada e já fora indiciado na CPI do Banestado. Depois foi Mauro Zacher (PDT), que este ano virou réu de ação penal após longas investigações sobre irregularidades no programa ProJovem quando era secretário municipal da Juventude. Foi denunciado pela ex-vereadora e atual deputada do PDT Juliana Brizola. Foi vítima do “fogo amigo”. A seguir, denúncia de fraude em licitação determinou o afastamento de Garipô Selistre, também investigado pela Polícia Federal. Depois tivemos o lamentável episódio da pintura dos ônibus da COPA na Carris, que determinou o afastamento de João Pancinha da presidência da empresa. Novo indiciamento e novas investigações de ilícitos.
Já Eliseu Santos, ex-secretário da Saúde sequer chegou a ser denunciado, foi assassinado de forma brutal num obscuro episódio até hoje não esclarecido. Depois tivemos os indiciamentos de Luiz Fernando Záchia, por suspeita de ilícitos cometidos na SMAM. Como Tasch, já fora indiciado em outro escândalo, os famosos desvios do DETRAN apurados na operação Rodin. Depois tivemos as denúncias sobre o uso da SMOV para fins eleitorais. Cássio Trojildo virou réu em ação de crime eleitoral, perdeu o mandato em decisão de primeira instância, temporariamente recuperado pela concessão de uma liminar. Vários ex-secretários do governo Fo-Fo e líderes partidários influentes integraram o conselho da Procempa, dentre eles Clóvis Magalhães (PPS) e Carlos Manfroi (PTB), também acusados de se beneficiarem irregularmente, junto com seus dependentes, de planos de saúde da Procempa. Carlos Manfroi tinha uma irmã na Procempa, Luciana Manfroi, acusada de contratar a empresa do marido para prestar serviços à empresa municipal de informática.
O leitor deve estar cansado, a lista é longa e pior, não incluiu alguns personagens importantes. Antes de finalizar vou apresentar mais alguns nomes, arrolados como réus no processo judicial 11303549477, que apura irregularidades na contratação do SIAT: 1) André Imar Kulczynski (ex-presidente da Procempa); 2) Roberto Luiz Bertoncini (secretário municipal da Fazenda); 3) Rodrigo Sartori Fantinel (técnico da Fazenda, responsável pelo projeto SIAT; 4) Haroldo Jascobowski, dono da Consult Informática e Zilmino Jacedir Tartari.
Pois no “apagar das luzes” deste 2013 a CPI da Procempa traz mais uma denúncia que pode gerar um novo indiciamento, já solicitado pelo presidente da Comissão, o vereador Mauro Pinheiro. Carlos Casartelli, secretário da Saúde da Prefeitura solicitou a instalação de um novo sistema operacional na sua secretaria, o ARGHOS. Foi firmado um termo de cooperação técnica entre a empresa GSH e a Procempa. Tudo sem licitação.

Num segundo momento a adaptação do ARGHOS determinou custos e foram pagos à GSH 4 milhões de reais. Acontece que no depoimento à CPI o proprietário e diretor da GSH, Rudinei Dias Moreira confirmou ter apoiado Casartelli (financeiramente e com cedência de espaços da empresa) na campanha do secretário nas eleições municipais de 2012. Teremos um novo indiciamento e mais um réu na interminável lista de “mal feitos” do governo Fo-Fo?

Ministério da Saúde é investigado por superfaturamento de 8.691% em compra de remédios

segunda-feira, 24 de março de 2014


Alexandre Padilha, Ministro da Saúde até fevereiro de 2014.
Imagem: Reprodução/Diário da Região
Remédios comprados pelo Ministério da Saúde para a saúde indígena custaram até 8.691% mais que outras compras feitas pela pasta. 

A constatação foi feita pela CGU (Controladoria-Geral da União) sobre a prestação de contas anual da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) de 2012, em relatório revelado anteontem pela Folha que aponta problemas no controle interno do órgão. 

A Sesai é o órgão do Ministério da Saúde criado no fim de 2010 para cuidar especificamente da saúde indígena. Os problemas na saúde indígena estão sob investigação do Ministério Público Federal, que recebe frequentes denúncias dos índios sobre a baixa qualidade do serviço. 

Leia também:

Em uma análise por amostragem em Pernambuco, Rondônia e Tocantins, a CGU constatou que os DSEIs (Distritos Sanitários Especiais Indígenas) compraram medicamentos usando cartões corporativos do governo federal. 

A auditoria comparou os preços de aquisição dos medicamentos no DSEI de Pernambuco, e constatou que estavam até 8.691% maiores do que dos mesmos remédios comprados por licitação feita pelo Ministério da Saúde. 

O caso mais grave foi a compra de 60 comprimidos de besilato de anlodipino, droga para hipertensão, ao custo de R$ 98 via cartão corporativo ante R$ 1,10 via licitação. Esses casos teriam provocado um pagamento de R$ 1.765,39 a mais só em Pernambuco, aponta o relatório. 

Os cartões corporativos teriam sido usados acima do limite de R$ 800 por compra, para itens como peças de veículos e remédios. Em geral, a CGU aponta falhas na gestão e fragilidades no controle interno da Sesai. 

OUTRO LADO 

Em nota, o Ministério da Saúde não comenta as diferenças apontadas, mas afirma que implantou um sistema nacional de gestão da assistência farmacêutica nos 34 DSEIs. 

"O sistema permite avaliar a quantidade necessária para o abastecimento e a formação de estoque estratégico, evitando desperdícios e garantindo fornecimento de medicamento de acordo com a necessidade dos indígenas. Os DSEIs contam com farmacêuticos contratados pelo Ministério da Saúde para acompanhar a dispensação dos medicamentos", diz a nota.

JUNHO DE 2014 - "Consultora" do Ministério da Saúde é presa pela PF por corrupção em MS

Uma consultora terceirizada do Ministério da Saúde foi presa em flagrante nesta segunda-feira (16) pela PF (Polícia Federal) em Campo Grande recebendo propina de R$ 100 mil para "acelerar" a liberação de R$ 2,6 milhões para um hospital na capital do Mato Grosso do Sul.Roberlayne Patrícia Alves, 28, atua há três anos na função e foi indiciada por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
A imprensa não teve acesso à detida, apenas a uma advogada, que não se pronunciou sobre o caso. Já o Ministério da Saúde, por meio de comunicado, confirmou que Roberlayne era de uma empresa terceirizada, que já havia sido demitida e que uma sindicância foi aberta.

Investigação

De acordo com a PF, o diretor do Hospital de Câncer Alfredo Abrão, Carlos Coimbra, foi a Brasília levar documentos na primeira quinzena de maio para a liberação do recurso, já livre para o repasse por meio de emendas parlamentares.

O hospital tinha direito a duas remessas: R$ 1 milhão para equipar o hospital e outra no valor de R$ 1,6 milhão para a compra de um aparelho de radioterapia, conhecido como acelerador linear.

Pela primeira liberação a consultora quis R$ 50 mil e, pela segunda, mais R$ 100 mil. O diretor do hospital retornou para Campo Grande e relatou o caso ao Ministério Público Estado, depois à PF.

No dia 21 de maio, a Justiça Federal determinou a quebra dos sigilos bancário e telefônica da consultora. Já combinado com a polícia, o diretor do hospital depositou R$ 50 mil na conta indicada por Roberlayne. O dinheiro caiu na conta do pai de um ex-namorado da consultora. O dinheiro, que segundo o diretor ainda não foi recuperado, saiu de sua própria conta, não do hospital.

Depois dessa operação, segundo a PF, o diretor disse à consultora que pagaria o restante da propina - R$ 100 mil - em Campo Grande. Na segunda-feira, perto das 22h, a prestadora de serviço do Ministério de Saúde chegou à cidade e foi direto para o hospital. A PF já havia preparado a sala com escutas e aparelhos de filmagem.

Enquanto diretor e consultora conversavam, policiais monitoravam o diálogo de um cômodo ao lado. Carlos Coimbra preencheu sete cheques no valor total de R$ 100 mil e entregou a Roberlayne, instante que os policiais entraram e a prenderam em flagrante.

De acordo com a delegada da PF Kelly Trindade a consultora disse que não tinha parceiros no esquema. Para extorquir o diretor ela afirmou que sabia de uma senha que dava poderes para apressar a liberação do dinheiro.
 
Até terça-feira (17) à noite, Roberlayne permanecia presa numa das celas da superintendência da PF em Campo Grande, mas a última informação é de que seria conduzida até o presídio feminino da cidade.

O hospital Alfredo Abrão, coordenado pela Fundação Carmem Prudente cuida de ao menos 200 pacientes com câncer diariamente e foi alvo de outra operação da PF, a Sangue Frio, que descobriu que a ex-diretoria cobrava do SUS (Sistema Único de Saúde) até por atendimento de pacientes já mortos.
COMENTÁRIO DO EDITOR - Pois é..nesse caso ninguém fala mais, né ??