"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

domingo, 31 de maio de 2015

Oração na Neblina (Londres)


ORAÇÃO NA NEBLINA (Londres)

Milton Pires

Eu não acreditei no verso fácil
(fonte do riso), poema alegrado
dos dias de sol...

Mas nunca escrevi no escuro do
mundo, inglês assustado, castelo
assombrado e fantasma do pai...

Tempo de sombra e dia nublado,
meia luz é que fez meu caminho...

Oração na neblina
foi tudo que sou.

Maio de 2015

para Eunice.. 

O Mal Estar na Simulação.


Milton Pires

Acredito, cada vez mais, que a chave para o sucesso na “vida social” (seja lá o que isso signifique), que o segredo para ser uma pessoa sempre profissionalmente“agradável”, “pra frente”, ou de “fácil convívio”, seja não falar em política no Brasil. Nada me parece novo nisso. Eu não me sinto autor de nenhuma descoberta. Apelo para “mentira caridosa”, para este senso de “adequação” que me obriga a fazer uma distinção entre a intimidade dos meus amigos e isso que teimam em chamar de “sociedade como um todo”. É óbvio, penso eu, que não podemos ter a sociedade como amiga perfeita e que existe, na organização da mesma, a obrigação de relevar opiniões, de mostrar-se moderado e contido e, sem dúvida, mentir para que as relações não se tornem insuportáveis. Lembro-me de um filme estrelado pelo ator Jim Carrey que, no Brasil, recebeu o título de “O Mentiroso”. Tratava-se de um advogado americano que, impedido de mentir, viu sua vida (em todos os aspectos) tornar-se um pesadelo. Atrevo-me, pois, a dizer que há, nessa mentira, uma papel civilizador e quase pietista capaz de cumprir, sem dúvida, importante função na rotina de cada um de nós.
Pergunto-me agora até que ponto essa capacidade de relevar, de conter-se em sua própria opinião, de não se expor ou mostrar-se indignado, é normal no Brasil Petista. Vejo pessoas calando-se não por educação, mas pelo medo. Encontro com gente que só é capaz de expressar-se sem medo nas redes sociais mas jamais no seu local de trabalho. Amizades (às vezes profundas) surgem pelo computador entre colegas que, dentro de um hospital, escritório, fábrica ou repartição pública...entre vizinhos do mesmo prédio ou sócios do mesmo clube, jamais seriam possíveis.
Afirmo que a simulação sempre existiu. Existe agora um “Mal estar na Simulação”...um componente psicológico da vida fora da família, do inconsciente coletivo disso que se chama Brasil, onde o medo é a categoria maior. Esse medo impõem, na vida do cidadão brasileiro, uma condição muito semelhante àquela que caracteriza o período da adolescência – uma necessidade gigantesca de aceitação perante o “grupo” que deve reconhecê-lo como futuro adulto, como homem ou mulher que estão se tornando e que ingressam numa vida independente dos pais. “Ansiedade de desempenho” é o nome correto para sensação do jovem que busca aprovação dos iguais na Universidade, nas festas ou nos esportes. Sua personalidade como adulto, ainda não definida, dilui-se num mundo novo, choca-se com valores e comportamentos estranhos à unidade familiar original e prepara, aos poucos, um novo cidadão. Saliente-se que não se trata aqui da construção de uma nova personalidade: soma-se a personalidade do indivíduo os valores que o grupo lhe pode oferecer. Não é natural, neste processo, a destruição da moral e a adolescência não é um período para se esquecer o que se apreendeu na família.
Por mais arriscado que seja misturar sociologia com psicanálise, por mais distintas que sejam as duas áreas e diferentes seus objetivos, é tentador fazê-lo quando se quer pensar, quando se quer “analisar”, o que o PT fez com o espaço público, com a vida coletiva nesse ambiente civil que não é, nem da nossa família, nem do aparato estatal. Existe uma ditadura feroz de comportamento e de valores cuja violência reside no silêncio e não no ativismo explícito. O Partido não espera apoio às passeatas, ONGS e “movimentos sociais”, mas impõem, ele mesmo, o limite da crítica, a escolha da linguagem e uma interpretação anterior da história da nação que define a mera existência desse ativismo como “avanço da sociedade”. Politicamente correta (para o Partido) não é, pois, a crítica que se pode fazer dos ciclistas nus, da Marcha das Vadias ou da Parada Gay, mas da sociedade brasileira “anterior a estas manifestações” que deve, a qualquer custo, ser definida como repressora. Necessário é, portanto, reforçar que encontra-se em jogo uma visão de passado, uma lembrança do tempo em que nada disso existia e que precisa, obrigatoriamente, ser definida como “ruim” a priori para que “avanço” seja constatado no que vemos hoje. Distingue-se o papel do grupo de adolescentes daquele do Partido dos Trabalhadores à medida que existe, na construção do novo adulto, um processo de soma, de agregação daquilo que a família deixou para o indivíduo como seu legado para construção da sociedade, enquanto que destruição, aniquilação, esquecimento e reinterpretação são necessários (segundo o partido) para construção do “novo cidadão” ideal para o PT.
O silêncio que impera hoje nas relações sociais (silêncio do qual em algum momento de nossas vidas nós nos “arrependemos de abrir mão” acreditando que ele pudesse nos beneficiar, pensando que ele pudesse ser um ato de “inteligência emocional”) é patológico...é sinal gravíssimo de um medo de ser considerado tão inadequado quanto aquele parente que traz, numa reunião de família, um irmão com retardo mental. Tudo lhe deve ser “perdoado”..com ele teremos (se somos pessoas “normais” do PT) que “ter paciência” quando subir nos nossos sofás ou derrubar as lembranças levando nossa natural capacidade de simular ao limite e invocando, como disse um conhecido marginal da política, “nossos instintos mais primitivos”. Um dia, mesmo com nossa insistência petista em afirmar sua “incapacidade mental”, suas limitações cognitivas, esse nosso parente inconveniente pode aparecer com uma camiseta pedindo o fim do “nosso partido”, pode estar nas passeatas berrando “Fora Dilma” ou chamando o Exército e lembrando de um novo Mal Estar no Brasil do Medo...Um “Mal Estar da Simulação”


Porto Alegre, 31 de maio de 2015. 

JOSÉ DIRCEU E ANTONIO PALOCCI ENVOLVIDOS COM A LAVA JATO


ANTONIO PALOCCI E JOSÉ DIRCEU FORAM OS MAIS INFLUENTES MINISTROS DO GOVERNO LULA. (FOTOS: AGÊNCIA BRASIL)
A força-tarefa da Operação Lava Jato investiga se os pagamentos das empreiteiras WTorre e Engevix por consultorias dos ex-ministros Antonio Palocci e José Dirceu, entre 2007 e 2012, podem ter servido para ocultar propina do esquema de cartel e corrupção na Petrobras em contratos do pré-sal. 

Os investigadores da Lava Jato têm elementos para acreditar que houve desvios de recursos da Petrobras na construção do Estaleiro Rio Grande (RS), iniciada em 2006, e nos contratos fechados para produção de cascos de plataformas e sondas de exploração de petróleo no local, a partir de 2010. 

A WTorre foi quem construiu o Estaleiro Rio Grande, a partir de 2006. Em 2010, vendeu seus direitos no negócio para a Engevix. Nos períodos em que foram contratadas pela Petrobras, as empresas tinham como consultores Palocci e Dirceu.

A suspeita do Ministério Público Federal e da Polícia Federal é de que os dois ex-ministros possam ter sido elos do PT no esquema de corrupção envolvendo o negócio. O ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto já foi apontado por delatores como operador da propina em parte desses contratos.

A empresa de Palocci, a Projeto Consultoria, foi contratada pela WTorre entre 2007 e 2010. O ex-ministro informou ter prestado quatro palestras aos diretores da empresa em 2007 e duas em 2010 cada uma por R$ 20 mil.

A WTorre afirmou que os serviços foram palestras sem relação com a Petrobrás. Apresentou 18 notas fiscais, que totalizaram R$ 350 mil, emitidas pela Projeto, em 2007, 2008, 2009 e 2010.

A partir de 2010, o negócio envolve a Engevix - empresa denunciada por corrupção na estatal em contratos de refinarias. A aquisição do estaleiro fez parte de um contrato de US$ 3,4 bilhões. Em 2011, o grupo fechou outro negócio no Estaleiro Rio Grande: a construção de três navios-sondas para a Sete Brasil, empresa criada pela Petrobrás em parceria com fundos de pensão e bancos para explorar o pré-sal.

Quebra de sigilo fiscal obtida pela Lava Jato mostrou que entre 2008 e 2012 a JD Assessoria e Consultoria, de Dirceu, recebeu R$ 2,6 milhões da Engevix, uma parte paga pela empresa e outra por meio da Jamp Engenheiros Associados, do lobista Milton Pascowitch.

O ex-ministro e a empresa negam que os pagamentos tenham sido referentes ao negócio com a Petrobras. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

NÍVEL DA PESQUISA NA UNIVERSIDADE BRASILEIRA.


sábado, 30 de maio de 2015

RUA NUA


Rua Nua

Milton Pires

Atravesso a cidade,
cruzo avenidas...Eu
cumprimento pessoas.

Toda risada sou eu que
choro do riso de mim.

Rua Nua corada de dor,
casaco de tempo e lugar,
aquece fantasma que sou.

Nada me diz o que fui…
Lua do dia de Sol, sombra
da Noite de Luz, a vaga
promessa de amor..

Breve resumo de mim…

maio de 2015

BLOQUEIO DE UM BILHÃO

Sergio Moro já bloqueou mais de R$ 1 bilhão para ressarcir Petrobras

unnamedw
O juiz federal Sérgio Moro determinou na sexta-feira, 29, o bloqueio de R$ 137,5 milhões da construtora Mendes Júnior e de seus executivos com o objetivo de garantir o ressarcimento do dinheiro que foi desviado da Petrobras. Esta é a quinta vez que o Ministério Público Federal (MPF) consegue congelar bens e recursos de empreiteiras e executivos envolvidos no esquema de corrupção investigado na Operação Lava-Jato. No total, R$ 1,1 bilhão já foi bloqueado para garantir a devolução de valores à estatal. As informações são d’O Globo.
Além da construtora e de suas subsidiárias, a decisão da Justiça afeta o ex-vice-presidente da Mendes Júnior Sérgio Cunha Mendes; o ex-vice-presidente corporativo Ângelo Alves Mendes e os ex-funcionários da empresa Rogério Cunha de Oliveira, Alberto Elísio Vilaça Gomes e José Humberto Cruvinel. Eles têm até 15 dias para informar quais bens servirão como garantia.
Os valores indisponíveis correspondem a 1% do total dos contratos firmados entre as empresas do grupo e a Petrobras entre 2004 e 2014, além de multa de três vezes o valor do acréscimo patrimonial indevido. Segundo a decisão judicial, as provas apresentadas confirmam que “em todos os contratos celebrados com as empresas cartelizadas havia o acerto de pagamento de propina” ao ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa.
Em depoimento dado à Justiça no início do mês, Sérgio Mendes admitiu que a empreiteira pagou cerca de R$ 8 milhões em propina ao doleiro Alberto Youssef para garantir o pagamento de aditivos. O motivo seria evitar represálias em contratos da empreiteira com a Petrobras.
Mendes afirmou que em 2011 recebeu uma ligação de Costa para tratar de “pendências” da Mendes Júnior em relação a aditivos em obras da Petrobras. Segundo o executivo, após o telefonema, ele se reuniu na sede da empresa, em São Paulo, com Rogério Mendes e com Youssef, que operava o pagamento de propina para a Diretoria de Abastecimento, para acertar os valores a serem pagos.
Em abril, outra medida cautelar do MPF já havia obtido o bloqueio de R$ 153,9 milhões em bens da Jackson Empreendimentos S/A, da Engevix Engenharia S/A e do ex-vice-presidente das duas empresas, o executivo Gerson de Mello Almada. No início deste mês, a Justiça Federal tornou indisponível R$ 544 milhões das construtoras Camargo Corrêa (R$ 242 milhões) e Galvão Engenharia (R$ 302 milhões). Na semana passada, o MPF conseguiu bloquear R$ 282 milhões da OAS.
Na quinta-feira, a Justiça aceitou a primeira ação civil pública de improbidade administrativa do MPF contra uma construtora: a Engevix. A ação foi ajuizada pelo MPF em 20 de fevereiro e é o desdobramento cível dos crimes investigados pela Lava-Jato.
Durante as investigações, foi constatado que a Engevix pagou propina para Costa por meio de transações fictícias que envolviam empresas de fachada e operadores financeiros. O valor das propinas variava de 1% a 3% do montante total de contratos bilionários, firmados em licitações fraudulentas. O pagamento estendeu-se até 2014.
Até o momento, há cinco ações cíveis propostas pelo MPF que cobram R$ 319 milhões de ressarcimento ao erário pelos desvios de recursos públicos, além de R$ 959 milhões como pagamento de multa e R$ 3,19 bilhões como indenização por danos morais coletivos. Se condenador, as empresas e seus executivos terão que pagar R$ 4,47 bilhões em indenizações.
Em mais de um ano de Lava-jato, a Força Tarefa da Operação conseguiu ainda bloquear outro R$ 1,2 bilhão em contas no Brasil e no exterior de doleiros e agentes públicos envolvidos nos desvios na estatal. Em março, a procuradoria divulgou o maior valor já repatriado na história do Brasil: R$ 182 milhões que estavam em contas do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco no exterior

sexta-feira, 29 de maio de 2015

TERAPIA INTENSIVA NO BRASIL

Pacientes de urgência sofrem com a falta de vagas de UTI pelo Brasil. Em alguns lugares, não adianta nem recorrer à Justiça. 
29/05/2015 10h15 - Atualizado em 29/05/2015 10h22 - O GLOBO
Em Campo Grande, mesmo com determinação judicial, teve gente que morreu à espera de um leito. Os pacientes não podem ficar no pronto socorro por mais de 24 horas, por conta de uma decisão da Justiça. Mas a Secretaria Municipal de Saúde diz que não encontra vaga nos hospitais para todo mundo. Três pessoas morreram à espera de vagas em UTI, uma delas tinha uma liminar da Justiça.
Nas Unidades de Pronto Atendimento, tem gente sendo atendida até no chão. Também faltam respiradores. Os enfermeiros precisam se revezar no trabalho manual para manter vivos os pacientes mais graves. O governo prometeu abrir 20 novas vagas de UTI nos próximos dias, mas o déficit é de 180.
Em Goiás, só este mês, cinco pessoas morreram à espera de vagas em UTI. O Ministério Público recomendou que o estado abra mais leitos e que crie as salas de estabilização, para que o paciente fique até conseguir uma vaga de UTI. Os pacientes em estado grave têm ficado até 10 dias à espera de um leito. Duas crianças e três idosos morreram este mês na capital. As famílias estão procurando até a polícia para registrar boletim de ocorrência. A Secretaria de Saúde de Goiânia diz que está sobrecarregada pela falta de leitos de UTI no interior. Mas o estado diz que esse número é suficiente e abriu uma auditoria para avaliar o uso dessas vagas. Enquanto isso, o problema continua. 
No Ceará, a Justiça obrigou o governo a abrir novos leitos. Um juiz federal determinou que os governos federal, do Ceará e as prefeituras de Fortaleza e Caucaia – na Região Metropolitana – implantem, pelo menos, 35 leitos de UTI, por ano, nos próximos quatro anos.
Quem vai fiscalizar é a Defensoria Pública da União, que entrou com a ação, depois de receber denúncias sobre pacientes que não conseguiram a internação mesmo com encaminhamento de urgência. Segundo a Defensoria, há um déficit no estado de 150 leitos de UTI. A Secretaria de Saúde de Fortaleza informou que ainda não foi comunicada oficialmente da decisão. E a Secretaria de Saúde do estado informou que vai implantar, até o fim do ano, 90 leitos de UTI.

SINDICATOS BRASILEIROS


PLACAR


ESQUECIMENTO


Esquecimento..

Milton Pires
Ai do que busca nas noites,
nos quartos cheios de solidão,
a fonte fácil do verso maior,
um pouco de inspiração...
São esses os verdadeiros poetas
que cruzam (não as madrugadas)
a própria História?...São esses a nossa
“memória” que teima no tempo ficar ??
Tudo que resta é escrever...Tudo
que fica é pensar…
Escreve quem tenta dizer que
tudo que sobra é sofrer...
Penso que posso escrever,
escrevo tentando pensar…
Sofro por não esquecer...
maio de 2015.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

TERRA DE NINGUÉM


Milton Pires.

Apresento, como premissa, a ideia de que “política” é toda ação humana capaz de permitir a organização da vida coletiva sem recorrer à barbárie. Chamo de “público” o espaço da sociedade onde ocorre, obrigatoriamente, a ação civil e onde a ação política é uma possibilidade. Nego, categoricamente, a existência de uma “sociedade civil”. Civil é a ação; não a sociedade. A ação fora da família e do Estado é, a priori, civil e só passa a ser política quando organiza os seus autores num projeto de poder que adquire, mais tarde, ou uma representação partidária ou a soberania da força. Público é aquele espaço que se encontra à igual distância da intimidade da vida familiar e de um grupo de pessoas que, dotado do poder de coerção, chamo de “Estado”. Afirmo ainda que, na História da Humanidade, a organização da atividade política em muito antecedeu qualquer forma de organização econômica estável - fato que o advento da Economia Política torna difícil compreender e que alguns, propositalmente, insistem em inverter.
O debate recentemente travado na Câmara dos Deputados sobre o financiamento público de campanha trata de escurecer o caminho do bom senso e prima por confundir os que buscam as razões, as verdadeira causas das relações entre o poder econômico e a classe política brasileira. Trata-se de fazer uma abordagem “fenomenológica” da corrupção propondo uma charada como aquela em que se pergunta quem veio primeiro: o ovo ou a galinha? Defende-se, entre os que nos governam, a ideia de que o “dinheiro corrompe os políticos” e que os empresários deles se aproximam nas campanhas justamente para comprá-los.
Digo que não é o dinheiro que suja a política brasileira, mas a sujeira da política que atrai o dinheiro, e que todo discurso que apresenta a classe política como vítima do capital especulativo inverte a hierarquia que existe entre política e economia capaz de gerar ordem dentro de uma sociedade democrática. A corrupção é, pois, dentro do Estado e da classe política brasileira, um fenômeno que não tem sua origem na economia mas sim na própria organização da sociedade e da vida privada do cidadão que, ou se corrompe, ou aceita a existência da corrupção naquilo que chamei antes de “espaço público”. O espaço público, no Brasil, está vazio em virtude de uma visão do cidadão que só se lembra dele para desfrutar benefícios do “Estado de Bem Estar Social” ou para lamentar-se perante seu poder de coerção. Afirmo, portanto, a existência de uma “Terra de Ninguém”, uma área semelhante àquela que existia na Primeira Guerra Mundial entre as trincheiras inimigas e que, no Brasil Petista, é o “espaço público”.
Abandonado pelo cidadão, carente de atividade civil, a “Terra de Ninguém” torna-se o espaço disponível para um segmento da sociedade conhecido como a “ralé”. Viciados, perversos, doentes...representantes de toda uma parcela de cidadãos que se caracteriza pelo recalque ocuparam, (e continuam ocupando) numa atividade civil frenética, o espaço público brasileiro e, a partir daí, organizaram-se do ponto de vista político. É dessa legião que ocupa uma arena..dessa ralé que se apresenta numa tragédia, que um determinado segmento do empresariado brasileiro se aproxima mas o faz como uma personagem insignificante, representando um papel menor num teatro político onde o que mais chama a atenção é uma plateia (espaço público) projetada para duzentos milhões de espectadores e que segue, até hoje, completamente vazia.

Porto Alegre, 28 de maio de 2015.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

The U.S Department of Justice on World Soccer Cup corruption charges against FIFA officials.

Up to 14 FIFA officials reportedly facing impending indictment, wire fraud, racketeering and money laundering are expected to be charged on Wednesday based on an indictment in federal court in New York.

Arrests were being made overnight in Zurich, where members of the scandal-plagued organization.

The United States of America Department of Justice is working to unseal an indictment and charge up to 14 FIFA officials or what it called "Widespread Corruption" during the past two decades, according to reports the indictment could come as soon as Wednesday, May 27th,2015 with a wire fraud, racketeering and money laundering among the reported charges.
The indictments focus on corruption activity surrounding the bid process for the World Cup Soccer. The current officials seen as close to Blatter are expected to be among those who face indictments. The identities of those charged couldn’t be learned. The charges are a result of three-years F.B.I - Federal Bureau of investigation.
FIFA has been at the center of corruption investigations for years. But the organization has long dismissed allegations that top officials were on the take in December, FIFA’s ethics committee said it was closing its investigation into alleged corruption in the 2018 and 2022 bidding process that awarded the World Cup to Russia and Qatar, respectively. Citing law enforcement officials, report states more than 10 current and former FIFA executives are facing indictment, and those who are living abroad could be extradited to the United States.
FIFA president Sepp Blatter is not among those being charged, according to the report. That doesn't, however, mean there won't be impact on Blatter, who is up for reelection for a 5th FIFA'S presidential term this week. Among other activities, the charges stem from corruption involving World Cup Soccer bids, marketing and broadcast deals, according to official sources. The investigation led by The Federal Bureau of Investigation covered years of alleged corrupt activity, with The U.S Department of Justice working with law enforcement in Switzerland to coordinate arrests. That process has already begun as today. "We're struck by just how long this went on for and how it touched nearly every part of what FIFA. did," a law enforcement official said, "It just seemed to permeate every element of the federation and was just their way of doing business. It seems like this corruption was institutionalized."
This is hardly the first time FIFA officials have come under scrutiny for corrupt activity. The organization was heavily criticized for its activity in the bidding processes including for the 2018 and 2022 World Cups. Former FIFA Executive Committee member Chuck Blazer has also has also been accused of widespread corruption.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Prioridade à família global revolta Samu e cinco pacientes esperam leitos

O atendimento prioritário e exclusivo dado à família dos apresentadores Angélica e Luciano Huck por equipe médica da Santa Casa revoltou o coordenador do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Eduardo Cury. Segundo ele, o mesmo atendimento não é prestado aos pacientes de Campo Grande e, tanto é verdade, que atualmente cinco pessoas estão em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) aguardando leitos na Santa Casa.
“A denuncia que eu faço a Santa Casa não tem como rebater porque a única coisa que peço é que o tratamento dado à família do Huck seja dado a todos os pacientes. Quando levamos para o hospital, não podemos descer o paciente, tem que ir um enfermeiro para fazer a classificação de risco e avaliar se desce ou não com o paciente. O que me revoltou muito é que, para se ter uma ideia, temos cinco pacientes esperando leitos”, explicou Eduardo Cury.
ESPERA
O coordenador do Samu contou o caso da paciente Celina, 53 anos, que sofreu infarto e, desde sábado (23), aguardava por um leito. “Procuramos leitos pelas unidades e a Santa Casa nos informou que não tinha aparelho respiratório, mas fecharam o CTI de transplante cardíaco para colocar a família global porque estava sendo assediada”, criticou.
Eduardo Cury disse ainda que o Samu conseguiu levar a paciente Celina para o Hospital Universitário ontem à tarde, no mesmo horário que estava sendo atendida a família global na Santa Casa e, uma hora depois, ela faleceu. “Não posso afirmar que se ela tivesse ido com mais antecedência seria salva, mas também não posso raciocinar assim. Tenho que oferecer os melhores serviços no menor tempo possível.”, destacou.
“Se não tem pacientes de alta complexidade, eu levaria nas ambulâncias do Samu, com maior prazer, para os hospitais particulares de Campo Grande”, contou o médico, afirmando que, em condições normais, os pacientes devem ser regulados pelo Samu e essa fila não pode ser furada.
EXAMES
O coordenador do Samu ressaltou que Luciano e Angélica fizeram tomografia computadorizada e outros exames, que tiveram os resultados disponíveis em duas horas. “Quando levo paciente acidentado para lá, algumas famílias me ligam porque não têm o resultado dos exames. Eu aplaudo a rapidez e só quero que esse tratamento seja dado para todos os pacientes, mas o critério que foi usado para eles, posso garantir, não é o mesmo usado para quem precisa e alguém tem que defender o pobre nesse País”, criticou.
Eduardo Cury reclamou, ainda, que quando equipe do Samu chega com paciente na Santa Casa, o hospital demora até duas horas para liberar os socorristas, sob a alegação de que faltam funcionários no local.
“Mas para o Luciano Huck não faltou nada”, observou o coordenador, frisando que denunciará o caso ao Conselho Municipal de Saúde.
ACIDENTE
O avião modelo Embraer 820C apresentou uma pane no motor. A aeronave havia decolado de uma estância turística do Pantanal, em Miranda com previsão de pousar no aeroporto de Campo Grande, na manhã de ontem.
Huck e os filhos viajaram para o Pantanal para acompanhar uma série de gravações de Angélica para o programa semanal "Estrelas", da Rede Globo.

domingo, 24 de maio de 2015

Rousseff's criminally accused of manipulating fiscal accounts to meet targets.

Brazil's Congress members plans to file a criminal complaint against Rousseff, accusing her of manipulating fiscal accounts to meet targets.

The Brazilian General Prosecutor to investigate Rousseff for allegedly breaking the law with a series of measures from the Fiscal Responsibility Law Act 101 of May 4th, 2000, commonly recognized as "creative accounting". The government has been accused of using money from state-run financial institutions to finance the Treasury and make its end-year budget targets.

Rousseff's government has also been accused of hiding details about its fiscal accounts ahead of presidential elections. Rousseff appointed a new Economy Minister at the beginning of the year to shore up investor confidence, has also come under fire as many politicians in her party, including Rousseff's head treasurer and recently another criminal name is running towards behing federal bars, Rousseff's Pernambuco's workers' communist ruler party and senator Humberto Costa, who have criminally received $ 4.6 million dollars in scheme bribes, implicated in a corruption scandal investigation into the state-run oil company Petrobras. Rousseff's has not been named in the investigation yet, but former Petrobras executives have told investigators that construction companies paid millions of dollars in bribes to secure lucrative contracts.

Brazil's Ministry of Budget management under supplementary law act 101 establishes public finance rules enforcing responsibility in fiscal management, and other provisions.

To the President of Brazil's public, known that the National Congress decrees and I hereby sanction the following Supplementary Law:
Chapter I - Preliminary Provision.
Article 1. This Supplementary Law establishes public finance rules enforcing responsibility in fiscal management, under Title IV, Chapter II of the Brazilian Constitution. § 1st, Responsibility in fiscal management presupposes well-planned and transparent actions to prevent risks and correct deviations that may affect the equilibrium of public accounts, by compliance with revenue and expenditure results targets, observing limits and satisfying conditions regarding tax breaks, generation of personnel and social security expenditures, among others, consolidated and security debt, credit operations, including those involving revenue anticipation, guarantees issued and outstanding liabilities. § 2nd, The provisions of this Supplementary Law apply to the Federal government, the States, the Federal District, and the Municipalities. §3rd, Is applicable to the Federal Government, the States, the Federal District, and the Municipalities, the following is included the Executive, Legislative (including the Audit Courts) and Judiciary Branches, and the Attorney General’s Office and their respective direct administrations, funds, government agencies, foundations, and state-owned enterprises;
II – the States include the Federal District;
III – Audit Courts include: the Federal Audit Court, State Audit Courts and, if applicable, Municipal Audit Courts.
Article 2. For the purposes of this Supplementary Law, the following definitions are used:
I – Member of the Federation: the Federal Government, each State, the Federal District, and each Municipality;
II – controlled company: a company controlled by a member of the Federation directly or indirectly, holding the majority of its voting shares;
III – state-owned enterprise: a controlled company receiving funds from the controlling company to cover personnel, overhead, or capital expenditures, excluding from capital expenditures, those resulting from increase in shareholder´s equity;
IV – net current revenue: sum of revenues from taxes and contributions, on assets, on industrial and agricultural activities, on services, on current transfers and on other current revenues, less:
a) in the Federal Government, the amounts transferred to States and Municipalities pursuant to the Law or Brazilian Constitution, and the contributions mentioned in Article 195, item I, a), and item II, and Article 239 of the Brazilian Brazilian Constitution.

PARADA TOTAL

DIA 27 DE MAIO NÓS PRECISAMOS PARAR O BRASIL - É MELHOR PERDER UM DIA DE EMPREGO OU MESMO O TRABALHO DO QUE ENTREGAR O PAÍS PARA ESSES ANIMAIS PETISTAS ATÉ 2018. O PT PRECISA SER DERRUBADO DO GOVERNO !

O LADO NEGRO


quinta-feira, 21 de maio de 2015

MÉDICOS CUBANOS AMEAÇADOS PELA DITADURA DE FIDEL.



23/03/2015

Mais Médicos

Cuba ameaça cassar diploma de médico com parentes no Brasil


O governo de Cuba está ameaçando cassar o diploma de profissionais do Mais Médicos que insistirem em manter seus familiares no Brasil. Outra forma de pressão tem sido reter em Cuba o médico que sai de férias (e que precisa obrigatoriamente gozá-las na ilha). Ele só poderá retornar ao Brasil se, antes, o parente voltar para a ilha. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Há uma semana, o jornal revelou que o governo cubano ameaçava seus médicos de excluí-los do programa e substituí-los por outros. Até dezembro, dos 14.462 profissionais trabalhando no Mais Médicos, 11.429 (quase 80%) eram cubanos. Não há estimativa de quantos estão com as famílias no Brasil, mas a reportagem contabilizou pelo menos 30 casos nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste.

Os médicos cubanos dizem que, quando assinaram o contrato para o Mais Médicos, foram informados que poderiam viver com suas famílias no Brasil. O artigo 18 do programa prevê a vinda de dependentes dos profissionais.

FÉRIAS

O governo brasileiro concede aos familiares dos médicos cubanos visto de permanência de 36 meses, mesmo tempo dado a eles. Porém, emissários do governo cubano têm dito aos médicos que o contrato prevê visitas, não moradia. Mas, como o documento não estipula prazo para as visitas, isso abriu brecha para que se estendam.

Segundo os médicos, já existem profissionais retidos na ilha. "Temos uma colega que trabalha em Rondônia que saiu de férias e seu marido ficou [no Brasil]. Ela tinha que ter regressado no início de março, mas o governo não deixa enquanto o marido não voltar para Cuba", relatou um deles, que atua no Norte. Outra médica, que atua no Estado de São Paulo, sofre por antecipação. Tem que sair de férias em abril, mas o marido (empregado numa fábrica) e a filha (matriculada em escola) ficarão no Brasil.

DESERÇÕES

Em reuniões com os médicos no Brasil, representantes do governo cubano têm dito que a medida é para prevenir eventuais deserções, o que já ocorre na Venezuela. Entre setembro de 2013 e o mesmo mês de 2014, mais de 700 médicos enviados por Havana para trabalhar na Venezuela desertaram, segundo a ONG americana SSF (Solidariedade Sem Fronteiras).

Até 2013, a média anual de deserções naquele país, onde atuam cerca de 30 mil médicos cubanos, era de 300. Segundo o presidente SSF, Julio César Alfonso, as principais causas de deserção na Venezuela são a crise econômica e a falta de segurança no país, onde morreram quase 70 médicos cubanos nos últimos anos. Desde 2006, os EUA receberam 8.000 médicos cubanos, de acordo com Alfonso.

Com informações do jornal Folha de S. Paulo

Shopping na Câmara dos Deputados.

Contando com o apoio da maioria dos líderes de bancadas, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu dar prosseguimento aos preparativos para a construção do chamado Anexo V. Na reunião do colégio de líderes de ontem, Cunha relatou aos colegas sobre o andamento da proposta. Ele ponderou que o arrendamento do espaço para um shopping na área próxima à Câmara é “uma das possibilidades”. Contrariado com um suposto “vazamento” de informações, Cunha também decidiu afastar o diretor do Departamento Técnico (Detec) da Câmara, o engenheiro Maurício da Silva Matta. Dos líderes partidários ouvidos pela reportagem, apenas o do PPS, Rubens Bueno, se colocou contra a expansão. Estimativas da própria mesa informam que a obra deve custar até R$ 1 bilhão.

Câmara dos Deputados/Divulgação


Segundo parlamentares ouvidos pela reportagem, Cunha quer garantir o “controle” sobre o processo que envolve a construção do novo prédio. “Ele afastou o diretor da Casa porque ele que deu aquela declaração de forma antecipada. O diretor fez uma colocação como se aquilo (a construção de um shopping por meio de PPP) fosse uma decisão final, e não é. Aquilo é uma das possibilidades”, disse o líder do PSC, André Moura (SE). Procurado pela reportagem, Matta confirmou o afastamento do cargo, mas disse que ainda não havia sido comunicado oficialmente até o começo da noite de ontem. Servidor de carreira da Câmara, Matta conversou com jornalistas sobre o tema, inclusive com o Correio, mas não forneceu detalhes sobre a proposta de parceria público-privada.

“Eu acho que a PPP é salutar, é boa. Agora, o presidente deixou claro na reunião (do colégio de líderes) que não houve nenhuma definição daquela posição, que foi colocada na imprensa, de que seria um shopping”, disse André Moura. “Nós achamos necessário que haja de fato uma ampliação do espaço da Câmara. Frente aos outros prédios públicos, o nosso espaço é bastante antigo e reduzido. E nós temos a questão de que quase 100 deputados ficam numa situação diferenciada”, comentou o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ).

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

"Exumação Premiada"


"CPI cria Programa de Exumação Premiada. Janene aceita acordo."
(Milton Pires)

Brazil blogger known for reporting on corruption found decapitated

Evany José Metzker, who had investigated child prostitution and drug dealing, found dead five days after being reported missing. 

The decapitated body of a Brazilian blogger known for denouncing corrupt politicians has been found in a rural zone in south-eastern Minas Gerais state, police said on Wednesday.
Evany José Metzker, 67, was reported missing five days before his body was found near the town of Padre Paraíso in one of Brazil’s poorest regions.
“His hands were tied behind his back and his body showed signs of torture,” a police press officer said, adding that the murder was apparently motivated by Metzker’s recent investigations into child prostitution and drug trafficking.
Metzker’s credit cards, a cheque book and his ID card were found near his body.
The officer spoke on condition of anonymity because he was not authorised to be quoted by name. He said police were also looking into the possibility that the murder was a crime of passion. He would not elaborate.
“It was a barbaric crime that has shocked Minas Gerais and all of Brazil,” Kerison Lopes, president of the Minas Gerais Journalists Union said. “He was decapitated, scalped and tortured.”
“There is a climate of terror in the region that intimidates reporters from doing their job,” he said, adding that Metzker often received death threats.
Carlos Lauria, the senior Americas programme coordinator of the New York-basedCommittee to Protect Journalists said that at least 14 Brazilian journalists have been killed since 2011 “in retaliation for their work, making Brazil a very dangerous country for journalists”.
“Lethal violence against the Brazilian press is on the rise, impeding journalists from reporting critically on what is going on,” he said. “The level of violence [against journalists] in Brazil is unacceptably high.”

A FRAUDE NO CONSULADO BRASILEIRO

Revista revela fraude milionária no Consulado do Brasil em New York

Consulado-Geral do Brasl em NY
Nota
A Revista ISTOÉ publicou na edição nº 2372 de 15 de maio de 2015, a reportagem ‘Roubo no Itamaraty’ de autoria de Ludmilla Amaral que pode ser lida originalmente aqui, e que revela a história de uma fraude milionária no Consulado-Geral do Brasil em New York
Roubo no Itamaraty
Não é de hoje que o Itamaraty vem sendo o palco de eventos que comprometem a imagem do Brasil no Exterior. Aos casos de assédio moral em sedes de embaixadas, demonstrações de inoperância e uma sequência de greves soma-se, agora, um roubo que vem sendo praticado há pelo menos seis anos e que atinge quase US$ 1 milhão. O crime, ocorrido no Consulado do Brasil em Nova York, é investigado sob sigilo há cerca de três meses e já provocou a demissão por justa causa de três funcionários não concursados e contratados nos Estados Unidos, responsáveis pela emissão de vistos para que cidadãos americanos possam entrar no Brasil.
Para obterem o visto brasileiro, os americanos precisam pagar duas taxas. Uma pelo visto propriamente dito e outra de reciprocidade, cobrada para equiparar os valores pagos pelos brasileiros que queiram obter o visto americano. Em 2009, foi implementado um sistema para o controle da emissão de vistos e essas taxas passaram a ser lançadas separadamente. O problema é que no cadastro do turista aparecia apenas o valor desembolsado para a obtenção do visto e o sistema não acusava se a taxa de reciprocidade havia ou não sido quitada. Três funcionários antigos do Consulado em Nova York descobriram essa falha e passaram a desviar as taxas de reciprocidade. “No começo do golpe eles devem ter arrecadado cerca de US$ 5 mil por mês, mas com o tempo esses desvios devem ter chegado a cerca de US$ 1,8 mil por dia”, revelou à ISTOÉ um funcionário do Itamaraty com acesso às investigações.
O golpe nos vistos começou a ser praticado em 2009 e só foi descoberto em fevereiro desse ano, quando servidores concursados chegaram ao Consulado e perceberam que a reciprocidade não estava sendo lançada. O caso foi levado ao Itamaraty que escalou duas equipes para fazer a investigação. Descobriram que Fernando Villa Paiva, Andréa Lanna e Rogério Anildo Jost participavam do esquema. Eles foram demitidos por justa causa e devem responder judicialmente à polícia de Nova York, que foi acionada pelo Itamaraty. Durante as investigações, foi descoberto que além desses desvios os funcionários criaram empresas laranjas que ofereciam aos turistas americanos um processo mais rápido para a emissão de vistos em troca de uma terceira taxa. As investigações iniciais indicam que pode haver a participação da agência de turismo brasileira BACC Travel no esquema. Procurado por ISTOÉ, o proprietário da agência, João de Matos, negou envolvimento. “Soube do desvio, mas nós não temos nada a ver com isso”, disse. Pessoas ligadas à investigação estimam que apenas com a taxa de reciprocidade, cerca de US$ 600 mil foram desviados. Por meio de sua assessoria de imprensa, o Ministério das Relações Exteriores confirma que está sendo investigado o caso de desvio na taxa de reciprocidade, mas se recusa a fornecer mais detalhes.
O Consulado do Brasil de Nova York é o que tem o maior volume de trabalho dentre os postos brasileiros no Exterior. O caso do roubo nas taxas do visto evidencia a falta de servidores para atender a demanda. No consulado de NY há apenas um servidor concursado para trabalhar na emissão de vistos. Por isso, funcionários locais – que não possuem atribuições para o serviço – acabam fazendo o trabalho. Desde a gestão do ex-presidente Lula foram criadas mais de 800 vagas para oficiais de chancelaria e 400 para diplomatas, mas o Concurso não saiu do papel. Além desse problema, o Itamaraty se deparou na semana passada com ao menos 70 dos 227 postos do Brasil no Exterior em greve – até o fechamento dessa edição a greve ainda não havia cessado. O Itamaraty afirma que a paralisação não afetou os serviços nos postos. A garantia do pagamento auxílio-moradia é a principal reivindicação dos servidores. Nos últimos meses, alguns postos chegaram a ficar sem luz e sem água por terem atrasado o pagamento das contas. Esses cenários refletem o descaso do Palácio do Planalto com o Itamaraty e quem sofre as consequências são os brasileiros no Exterior que não encontram ajuda quando precisam.