"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quinta-feira, 30 de junho de 2016

NOTA DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL EM SÃO PAULO


RESPOSTA DE UM JUIZ DE VERDADE PARA UM PICARETA DO STF


SOBRE O GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO.


Enquanto o Governo Temer não se decide com relação à Nova Direção do Grupo Hospitalar Conceição, a Organização Criminosa Petista que está lá dentro continua fazendo gato e sapato da vida dos verdadeiros médicos e enfermeiras enquanto BANDIDOS que gostariam de ter sido políticos mas acabaram na Medicina e VAGABUNDAS que gostariam de ter sido  médicas, mas terminaram na Enfermagem, recebem rios de dinheiro através de "comissões", "grupos de trabalho", "gerências' e "cargos de confiança". Recebem este dinheiro porque não são nem médicos nem enfermeiras de verdade - são canalhas petistas ou colaboradores do PT e do PC do B sem um pingo de piedade pelas pessoas que morrem dentro daquele hospital como se estivessem em campos de concentração. 

blog do Jornalista Polibio Braga: Governo Temer arbitrará novo nome para CEO do Grup...

blog do Jornalista Polibio Braga: Governo Temer arbitrará novo nome para CEO do Grup...:

Caberá ao governo Temer arbitrar entre os dois nomes que recebeu da base aliada para o cargo de Superintendente do Grupo Hospitalar Conceição, optando entre Mauro Sparta ou Denise Ackel da Costa, com mais possibilidade para Sparta, porque Acker, Novo Hamburgo, é bancada apenas pelo deputado Renato Molling. Os outros dois cargos principais de direção:

Diretor Administrativo e Financeiro, Jorge Ibanez.

Diretor Técnico - Um médido indicado pela própria Associação dos Médicos e Odontólogos do Conceição.

Os cargos de superintendente e diretor técnico serão feitos pelo PP, mas os dois indicados nem são do Partido, já que o PP quer que os escolhidos sejam profissionais qualificados e capazes de impor harmonia no GHC.

Jorge Ibanez é quadro do PMDB e se trata de quadro muito experimentado na administração pública.

IMPRENSA LIVRE RS: Orçamento anual de R$ 3 bilhões anuais é disputado...

IMPRENSA LIVRE RS: Orçamento anual de R$ 3 bilhões anuais é disputado...:
O comando do GHC - Grupo Hospitalar Conceição, com um orçamento de R$ 3 bilhões por ano, é disputado acirradamente. O atual ministro da Saúde Ricardo Barros (PP-PR) deu há pouco tempo, uma entrevista para a Rádio Gaúcha, e afirmou que os novos dirigentes do GHC, não pertencerão ao quadro de servidores do grupo hospitalar. Uma coisa é certa: a indicação da Srta. Denise Adriana Ackeré um tiro no pé....Se for indicada, causará grandes problemas. Em vez de ser uma solução, causará um tremendo embaraço político e administrativo. Será boicotada acirradamente...A Srta. Denise não possui  capacidade gestora, nem psicológica de assumir o comando do GHC!! Tem algo podre acontecendo no Reino da Alemanha. Será que existe intere$$es escusos por trás da indicação da desagregadora Denise?? Órgãos investigativos federais estão de olho!!

quarta-feira, 29 de junho de 2016

JUIZ DE SÃO PAULO RESPONDE À BARBARIDADE FEITA POR TOFFOLI

Exclusivo: Juiz da ‘Custo Brasil’ critica decisão de Toffoli

O Antagonista obteve com exclusividade o despacho do juiz Paulo Bueno de Azevedo sobre a libertação de nove dos 11 presos da Operação Custo Brasil.
Se prevalecer a tese de Dias Toffoli, segundo o magistrado, a prisão preventiva só será aplicada “aos pobres”. No documento, Bueno de Azevedo diz discordar da decisão de Dias Toffoli, embora seja obrigado a acatá-la.
“Obviamente irei acatar, porém respeitosamente discordo, continuando a achar que a expressiva quantia de dinheiro não localizado pode sofrer novos esquemas de lavagem, ao menos por ora.”
O juiz também faz uma crítica educada à “doutrina” invocada por Dias Toffoli de que a prisão preventiva só seria aplicável em caso de “crimes violentos, no mais das vezes cometidos apenas por acusados pobres”.
“Resguardo, pois, o meu posicionamento pessoal, aqui manifestado em homenagem à minha independência judicial.”

O BRASIL PRECISA LIQUIDAR COM O STF


TOFFOLI 2


TOFFOLI 1


A VERGONHA DE SER BRASILEIRO


Milton Pires.
Em toda minha vida eu, como todo brasileiro, tive a desgraça de eventualmente conhecer a parte mais podre, mais corrupta...mais nojenta da sociedade em que vivo.
Eu vi médicos famosos cobrarem “por fora”, dentro de um hospital do SUS de Porto Alegre, para retirar câncer de mama da esposa de um colega, eu vi policiais do esquadrão da morte na década de 70 e 80, vi advogados falsificando documentos de carros roubados para traficantes do Vale do Paranhana, vi a Maçonaria gaúcha fraudando bancos através de empréstimos ..eu vi muita coisa...Mas nada, absolutamente coisa alguma, se compara ao desprezo, à completa indiferença e desrespeito pela Justiça e Polícia Federal, que esta Organização Criminosa Vagabunda conhecida como PT tem..
Da primeira vez, um funcionário dela, travestido de juiz e conhecido como “Teori Zavascki”, soltou um colega criminoso que atuava como senador – ele tinha sido preso por tramar a fuga de um prisioneiro federal.
Hoje, um verdadeiro picareta, um homem cuja formação em Direito não o qualifica em mais nada, a não ser tornar-se advogado do PT, soltou outro colega seu – um marginal casado com uma bandida petista que chegou ao Senado Federal e que, com a cara cheia de cirurgias plásticas e maquiagem, berra histericamente na TV Senado defendendo a “chefa” de sua quadrilha enquanto seu marido tramava fraudes bilionárias para sua campanha eleitoral
- Deus em livre...Que vergonha que é ser brasileiro…
29 de junho de 2016.

SIMERS BEM QUIETINHO

Sindicato Médico do RS - SIMERS - não dá uma palavra (nem uma palavrinha sequer) sobre a permanência de Organização Criminosa Petista na Direção do Grupo Hospitalar Conceição. Estão todos bem "quietinhos" e preocupados com o futuro da "companheirada"
Milton Pires.

Há golpe

Há golpe:

Elio Gaspari é um golpista.

Nesta quarta-feira, ele deu um golpe para tentar demonstrar que o impeachment é um golpe.

Ao analisar a perícia apresentada pelos técnicos do Senado, ele disse que Dilma Rousseff “delinquiu ao assinar três decretos que descumpriam a meta fiscal vigente à época em que foram assinados. Juridicamente, é o que basta para que seja condenada por crime de responsabilidade”.

Ele argumenta, porém, que “o julgamento de Dilma Rousseff vai noutra direção. Não é um golpe à luz da lei, mas nele há um golpe no sentido vocabular. O verbete de golpe no dicionário Houaiss tem dezenas de definições, inclusive esta: ‘ato pelo qual a pessoa, utilizando-se de práticas ardilosas, obtém proveitos indevidos, estratagema, ardil, trama’”.

Elio Gaspari é um golpista “no sentido vocabular”.

O post Há golpe apareceu primeiro em O Antagonista.

Porta de cadeia


Porta de cadeia:

Fábio Porchat, do Porta dos Fundos, foi contratado para animar a festa de aniversário de um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil, Demarest Almeida. A festa custou 200 mil reais. Bancados com a Lei Rouanet, segundo a PF.

Diz a Época:

“Uma auditoria da Receita Federal comprovou que o escritório deduziu do Imposto de Renda a quantia empenhada no projeto. Nesta terça-feira, policiais federais estiveram na sede do Demarest em São Paulo para cumprir mandado de busca e apreensão”.

O post Porta de cadeia apareceu primeiro em O Antagonista.

terça-feira, 28 de junho de 2016

VAGABUNDOS USARAM LEI ROUANET ATÉ PARA PAGAR CASAMENTO

28/06/2016, 08h10
2
Operação da Polícia Federal e da Controladoria-Geral da União investiga fraude de R$ 180 milhões na legislação
Agentes da PF durante a Operação Custo Brasil, em São Paulo. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO
FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO
A Operação Boca Livre, que investiga fraudes de R$ 180 milhões, aponta que até festa de casamento foi custeada com dinheiro público obtido por meio da legislação. Nesta terça-feira, 28, a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União cumprem 14 mandados de prisão temporária e 37 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro e no Distrito Federal, todos expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal em São Paulo.
O inquérito policial foi instaurado em 2014, após a PF receber documentação da Controladoria Geral da União de desvio de recursos relacionados a projetos aprovados com o benefício fiscal. Segundo a Federal, há indícios de que as fraudes ocorriam de diversas maneiras como a inexecução de projetos, superfaturamento, apresentação de notas fiscais relativas a serviços/produtos fictícios, projetos simulados e duplicados, além da promoção de contrapartidas ilícitas às incentivadoras.
“As investigações constataram que eventos corporativos, shows com artistas famosos em festas privadas para grandes empresas, livros institucionais e até mesmo uma festa de casamento foram custeados com recursos de natureza pública, obtidos por meio da Lei Rouanet”, informa a PF em nota.
A pedido da PF, a Justiça Federal inabilitou, em sede liminar, algumas pessoas jurídicas para a propositura de projetos culturais junto ao MinC e à Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. Também foi realizado o bloqueio de valores e o sequestro de bens como imóveis e veículos de luxo.
A investigação cita o Ministério da Cultura, as empresas Bellini Eventos Culturais, Scania, KPMG e o escritório de advocacia Demarest, Roldão, Intermedica Notre Dame, Laboratório Cristalia, Lojas 100, Nycomed Produtos Farmacêuticos e Cecil.
Lei Rouanet foi criada no governo Fernando Collor (PTC/AL), em 1991. A legislação permite a captação de recursos para projetos culturais ppr meio de incentivos fiscais para empresas e pessoas físicas. Na prática, por exemplo, a Lei Rouanet permite que uma empresa privada direcione parte do dinheiro que iria gastar com impostos para financiar propostas aprovadas pelo Ministério da Cultura para receber recursos.

LEI ROUANET BANCOU CASAMENTO EM JURERÊ


Rouanet bancou até casamento:

Os investigados da Operação Boca Livre usaram a Lei Rouanet para bancar eventos corporativos, shows com artistas famosos em festas particulares, a edição de livros institucionais e até uma festa de casamento.

O casório ocorreu na Praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis.

O post Rouanet bancou até casamento apareceu primeiro em O Antagonista.


PF ESTÁ NO MINISTÉRIO DA CULTURA


PF ESTÁ NO MINISTÉRIO DA CULTURA:

A Polícia Federal cumpre agora mandado de busca e apreensão no Ministério da Cultura. Os agentes estão recolhendo arquivos digitais e documentos sobre contratos de patrocínio da Lei Rouanet.

A Operação Boca Livre vai crescer! Michel Temer fez bem em recuar na decisão de extinguir o MinC.

O post PF ESTÁ NO MINISTÉRIO DA CULTURA apareceu primeiro em O Antagonista.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO "NÃO MENCIONADO"

Órgãos federais menos regulados são alvo de desvios milionários

Os seis órgãos federais citados na delação de Sérgio Machado acumulam escândalos de corrupção e denúncias de irregularidades em suas gestões. As entidades são constantemente objeto de disputa política e estariam em situação bem pior que a Petrobras, segundo Machado, “a madame mais honesta dos cabarés do Brasil”.
Em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), o ex-presidente da Transpetro surpreendeu ao afirmar que a petrolífera, cujo rombo estimado pela Polícia Federal é de R$ 42 bilhões, era um organismo “bastante regulamentado e disciplinado”. Ele acrescentou que outras unidades do governo têm práticas “menos ortodoxas”.
Um das instituições citadas por Machado foi o Banco do Nordeste (BNB). Investigações dos ministérios públicos Federal e Estadual do Ceará, onde fica a sede da instituição, apontam irregularidades nas concessões de empréstimos, favorecimento de empresas e desvio de recursos para financiar campanhas políticas. Um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que apenas o esquema de fraudes nos empréstimos gerou prejuízo de R$ 683 milhões.
O escândalo mais recente envolvendo as outras “madames do cabaré” foi revelado em maio e tem como alvo a Superintendência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) de Santa Catarina. A Polícia Federal (PF) investiga um esquema montado por servidores federais, prefeituras e empreiteiras que teria movimentado cerca de R$ 2 milhões em propinas.
Nos últimos cinco anos, de acordo com levantamento do jornal O Globo, a PF investigou esquemas similares em Amapá, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rondônia e Tocantins. Responsável por obras de esgoto e saneamento básico, a fundação tem orçamento de R$ 3,2 bilhões, maior que o dos ministérios da Cultura e do Meio Ambiente.
Reduto do PR, o Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit) foi palco de um escândalo que levou à demissão de 20 pessoas e à queda do então ministro Alfredo Nascimento. Segundo as denúncias, empresas pagavam 4% de propina ao PR para ganhar licitações e aditivos. Até agora, ninguém foi preso. No Rio Grande do Norte, o MPF descobriu desvios de R$ 13,9 milhões na duplicação da BR-101 e denunciou 25 pessoas no ano passado.
Ligado ao Ministério da Integração Nacional e dominado nos últimos anos por PMDB e PP, o Departamento Nacional de Obras Contra Seca (Dnocs) foi alvo de duas investigações recentes. Em março de 2013, a Operação Cactus apurou supostos desvios em contratos distribuídos por 20 municípios do Ceará. A investigação teve início com um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) apontando suspeita de fraudes que chegavam a R$ 200 milhões.
Também foram citadas na delação de Machado as companhias Docas, que administram portos federais. Em 2012, o MPF denunciou o ex-diretor-presidente da Companhia Docas do Espírito Santo, Hugo Merçon, sob a acusação de favorecer a contratação de uma empresa por dispensar a licitação.
Outro órgão que sofreu com influência política na gestão foi o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que tem orçamento anual de R$ 60 bilhões e cuida de programas como o fornecimento de merenda. Em abril, às vésperas da votação do impeachment na Câmara, Dilma nomeou para o órgão Gastão Vieira, do nanico PROS, ex-ministro do Turismo, na tentativa de ganhar o apoio da legenda. Em 2013, o então presidente, José Carlos Wanderley Dias de Freitas, foi flagrado em um grampo da PF alertando o reitor da UFPR sobre uma investigação contra a instituição.
Informações:BN

Em organograma do crime, Gleisi é 'GH'

Em organograma do crime, Gleisi é 'GH':

Gleisi Hoffmann é identificada em organograma montado pela Polícia Federal com base nas investigações da Operação Custo Brasil. A senadora petista é GH e seu marido Paulo Bernardo, claro, o PB.

A estrela vermelha está lá. É bastante ilustrativo em relação ao que O Antagonista já publicou ao longo da tarde com exclusividade.


Conheça o organograma da roubalheira petista nos empréstimos consignados.

Conheça o organograma da roubalheira petista nos empréstimos consignados.: Ao lado, o organograma da propina, tudo para roubar o dinheiro dos pobres servidores federais que tomavam empréstimos consignados. A obra saiu nos governos Lula e Dilma. O blog Antagonista informou esta tarde que teve acesso exclusivo ao inquérito da Operação Custo Brasil, que prendeu o ex-ministro Paulo Bernardo, marido de Gleisi Hoffmann. São várias as notas exclusivas publicadas.

Dinheiro sujo dos consignados abasteceu campanha da senadora Gleisi Hoffmann

Dinheiro sujo dos consignados abasteceu campanha da senadora Gleisi Hoffmann: A cópia do inquérito feito pela Polícia Federal no âmbito da Operação Custo Brasil apresenta planilhas obtidas pela Polícia Federal no computador do advogado Guilherme Gonçalves, que indicam que, além de despesas pessoais de Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann, o esquema de propina da Consist.

WELCOME TO HELL


URGENTE - ESQUEMA "CONSIST" BANCOU A ELEIÇÃO DE BARBIE PETISTA GLEISI "OFF" MAN

EXCLUSIVO: ESQUEMA CONSIST BANCOU ELEIÇÃO DE GLEISI


Planilhas obtidas pela Polícia Federal no computador do advogado Guilherme Gonçalves indicam que, além de despesas pessoais de Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann, o esquema de propina da Consist bancou a campanha da petista ao Senado, em 2010.
Já se sabia do pagamento de funcionários do casal e repasses a Zeno Minuzzo, então tesoureiro do PT paranaense. Agora, surgem evidências de que o dinheiro também pagou despesas eleitorais de Gleisi.
Segundo a PF, 20% do líquido pago pela Consist ao escritório de Guilherme Gonçalves foi repassado mensalmente ao "eleitoral".
A planilha consta do inquérito da Operação Custo Brasil, obtido com exclusividade por O Antagonista. Os investigadores, porém, não puderam aprofundar a investigação por causa do foro privilegiado da petista.

Luís Carlos Melo Lopes (1955-2016)

Ao nosso mais querido e inesquecível "Caçapava"....Muito obrigado por tudo que fez pelo Internacional ...Vai com Deus, meu irmão - um dia a gente se encontra.

domingo, 26 de junho de 2016

O FIM DO GOVERNO TEMER E A PROXIMIDADE DO CAOS.


Milton Pires

O que vai ser lido a seguir parte da ideia de que o Brasil é governado, de fato, por uma Ditadura do Poder Judiciário. São petistas os juízes que estão dentro do Supremo Tribunal Federal (STF). Sua função é resguardar os interesses da Organização Criminosa que se apresentou ao Brasil sob o nome de “Partido dos Trabalhadores” e que lhes deu emprego na Suprema Corte do país. 

Amanhã, dia 27 de junho, o STF passa a julgar o pedido de prisão do homem que liquidou com o Regime Petista no Brasil – deputado (eu quase escrevi “ex”) Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro. Digo ao leitor ser minha convicção que três coisas vão acontecer:

1.acredito em condenação rápida e por unanimidade.

2.acredito em prisão em regime fechado.

3.acredito no FIM do Governo Temer.

Uma vez preso, o deputado Eduardo Cunha há de fazer uma delação que representará o próprio fim da possibilidade da política no Brasil. Não vai sobrar, literalmente, ninguém – nem mesmo o próprio Temer que, ao que tudo indica, entende que deve se manter “neutro e não emitir forma alguma de opinião” (como se tal coisa fosse possível)

A prisão imediata de Eduardo Cunha pretende ser a resposta dos juízes petistas à invasão do apartamento de um dos membros da Organização Criminosa que tinha papel fundamental na tarefa de atrasar o impeachment – a Senadora Gleisi Hoffmann - e vai demonstrar, definitivamente, que a destruição do Brasil feita pelo PT contou, desde o início, com a ajuda do PMDB. Vai deixar também, muito claro, que todos os fatos ocorreram, senão com a participação, pelo menos com o conhecimento do próprio Michel Temer.

Não sei quanto é novo, para o leitor, isso que acabei de escrever mas esse processo todo, que pode parecer tão óbvio, não deixa transparecer de imediato o mais grave de tudo – o envolvimento dos próprios juízes petistas do STF. 

Teremos portanto, assim como eu a vejo, uma crise sem precedentes na História do Brasil. Uma crise que há de envolver o impeachment de uma presidente, denúncias gravíssimas contra o vice, prisão do Presidente da Câmara e indiciamento de um marginal que controla o Senado Federal em pelo sete processos.

Resta, em tudo isso, saber como se comportarão as Forças Armadas. As Forças Armadas que aceitaram ordens de um político do PC do B, que curvaram-se ao PT durante treze anos, que foram (como todas as outras instituições) aparelhadas no seu alto comando e que, no caos que se aproxima, com o fim do Governo Temer, terão de escolher o lado em que vão ficar.
 

26 de junho de 2016. 

ERA SÓ UMA MÉDICA..."NÃO TEM PROBLEMA"

Gisele Palhares Gouvêa (1982-2016)
Graças a Deus foi "só uma médica" que foi assassinada...."Terrível" se fosse uma funkeira que faz foto com fuzil de guerra na mão e foi "estuprada por 33 homens"...
Ninguém precisa falar em "cultura de médica fuzilada"..Ninguém vai sentir falta..Até porque, a maioria das médicas "nem representa as mulheres como um todo", né?? Até porque o que aconteceu é um "reflexo da sociedade"
(Os MARGINAIS que controlam a Imprensa no Brasil não precisam dar tanta repercussão..)

TREM DA HISTÓRIA


TREM DA HISTÓRIA...
Milton Pires

Nenhum poeta pode 
escrever nas primeiras
horas da manhã...

Salvo se, ao invés de
acreditar que é muito
cedo, ele pensar que
já é muito tarde...

Isso é verdade e, quando
eu morrer, vai ser escrito
no Livro do Céu...

junho de 2016.

Sórdida tramoia petista

domingo, junho 26, 2016


Sórdida tramoia petista - EDITORIAL O ESTADÃO

O Estado de S. Paulo - 26/06

Já não há quem se surpreenda com a prisão de mais um figurão do PT, ex-ministro de Lula e de Dilma, por envolvimento em corrupção. A acusação que pesa sobre Paulo Bernardo e seus cúmplices, no entanto, é excepcionalmente grave não pelo fato de tratar-se de mais uma velhacaria urdida com o objetivo de alimentar o propinoduto que durante tantos anos financiou o lulopetismo, mas porque a natureza dessa trama criminosa é particularmente perversa do ponto de vista social: obrigava funcionários públicos de baixa renda – os principais usuários do crédito consignado – a contribuir compulsoriamente para abastecer os cofres do PT e rechear o bolso de espertalhões como o ex-ministro do Planejamento e também das Comunicações. A Operação Custo Brasil, congênere da Lava Jato, desvela assim mais uma sórdida tramoia do peculiar modo lulopetista de promover a defesa dos interesses dos trabalhadores.

O esquema armado pelos sequazes de Paulo Bernardo para roubar mais de R$ 100 milhões dos funcionários públicos revela uma criatividade e eficiência que o PT jamais conseguiu demonstrar para administrar ou impedir a crise econômica em que afundou o País. De acordo com a Polícia Federal (PF), sem nenhuma necessidade ou função senão a de armar o propinoduto, uma empresa-companheira, a Consist Software, foi contratada pelo Ministério do Planejamento, mediante licitação dirigida, para gerenciar os empréstimos consignados aos servidores públicos. Para isso cobrava uma taxa de cerca de R$ 1,00, debitada mensalmente na folha de pagamento do tomador do crédito, independentemente do valor do empréstimo. A Consist ficava com menos de um terço desse valor, como pagamento pelo serviço prestado. O restante virava propina, a maior parte cabendo ao PT, de acordo com distribuição que era feita pelo então tesoureiro do partido, hoje encarcerado, João Vaccari Neto. Para Paulo Bernardo cabia uma comissão que era inicialmente de quase 10% e com o tempo foi sendo reduzida.

Surpreendidos pela forte repercussão que a Operação Custo Brasil teve desde logo na mídia e nos círculos políticos, com a desfaçatez habitual os petistas partiram imediatamente para a ofensiva alegando, como vociferou o senador Lindbergh Farias, que a prisão de Paulo Bernardo teve “evidente motivação política”, destinada a desviar a atenção dos problemas que o governo interino está enfrentando pelo fato de em menos de um mês três ministros de Michel Temer terem sido demitidos. Ora, ao longo dos dois anos e dois meses até agora decorridos desde o início de suas operações, a Lava Jato jamais precisou de “motivação política” para levar uma legião de petistas e políticos de outros partidos à barra dos tribunais. A “motivação” da prisão de Paulo Bernardo foi exatamente a mesma que obrigou os três ministros do PMDB a deixarem os cargos: bem fundamentadas suspeitas de corrupção.

Alegam também os petistas, eternas vítimas de um sistema injusto que, não obstante, os manteve por mais de 13 anos no poder, que o juiz que autorizou a operação abusou de seus poderes, usurpando prerrogativas da Suprema Corte ao invadir o apartamento de Paulo Bernardo em Brasília, que na verdade é propriedade do Senado Federal, cedido à mulher do investigado, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). De acordo com esse ponto de vista, Paulo Bernardo não tem foro privilegiado, mas a senadora, que é sua mulher, tem. Para agir, portanto, a PF teria que ter sido autorizada pelo STF.

O argumento de abuso de autoridade – que instrui uma representação que o presidente do Senado, Renan Calheiros, se apressou a apresentar ao STF – pode até ter procedência, embora cada caso deva ser considerado sempre com a cautela necessária para evitar, por exemplo, que o foro privilegiado de cônjuges se torne o confortável refúgio de meliantes e também para se evitar que apartamento funcional receba tratamento privilegiado, que deve ser atribuído a uma pessoa que recebe múnus de autoridade, e não a um imóvel. De qualquer modo, essa é uma decisão que cabe à Suprema Corte tomar.

De resto, abuso de verdade, e claramente criminoso, é o que comete quem não tem o menor escrúpulo para, em nome de interesses políticos e da ganância pessoal, meter a mão no bolso de cidadãos indefesos.

Capital Moral

Capital Moral:

Sergio Moro ovacionado no show do Capital Inicial, ontem à noite, em Curitiba.

Guilherme Fiuza comentou:

"Ué, o cantor dessa banda não defendia a companheira presidenta contra o golpe?"






sábado, 25 de junho de 2016

IMPRENSA VAGABUNDA PETISTA SEGUE "BATENDO" NA QUESTÃO DA GRÃ BRETANHA x UNIÃO EUROPÉIA

Imprensa Vagabunda Petista - principalmente a Rede Globo - tão "desesperada" com a coisa da Grã Bretanha sair da UE que, daqui a pouco, vai lançar um abaixo-assinado "para brasileiros".
Puta que o pariu, que falta de autoestima...O Brasil DEVASTADO por uma Organização Criminosa como o PT, o Governo Temer segurando-se por um fio, um STF corrupto até mesmo com a funcionária que serve cafezinho e os vagabundos da imprensa continuam com a coisa da Inglaterra....
Estes ANIMAIS COMUNISTAS deveriam lançar uma campanha tipo‪#‎somostodosuniãoeuropeia‬ ou dizer que é "preconceito" dos ingleses decidirem o que querem fazer de suas próprias vidas e do seu país....

Cada dia que passa eu tenho mais vergonha de ser brasileiro...
Milton Pires.

SALVO DAS ARIRANHAS PARA SE TORNAR MARGINAL NO REGIME PETISTA

Viúva chorou ao saber da prisão do homem que o marido salvou das ariranhas

Em entrevista exclusiva ao Correio, filho do sargento morto após resgatar menino mordido por ariranhas no zôo de Brasília fala do caso e da reação ao saber do destino do sobrevivente



 postado em 25/06/2016 14:04 / atualizado em 25/06/2016 14:27



Filho mais velho do sargento que se atirou no fosso das ariranhas do Zoológico de Brasília, em 1977, para resgatar Adilson Florêncio da Costa, então com 13 anos, o médico Sílvio Delmar Hollenbach Júnior, 46, quebrou o silêncio. No início da tarde deste sábado (25), ele falou, com exclusividade ao Correio. Contou que a mãe chorou ao saber da prisão do menino por quem o marido dela deu a vida. 

A Polícia Federal prendeu Adilson na sexta-feira (24), por supostamente integrar um esquema que desviou R$ 90 milhões da Postalis e da Petros, os fundos de pensão dos funcionários dos Correios e da Petrobras. Adilson é ex-diretor financeiro da Postalis. A mulher do sargento só chorou ao saber do caso. “Ela não quis fazer nenhum comentário a respeito do assunto”, ressaltou o filho dele. 

Médico otorrinolaringologista, Sílvio Delmar Hollenbach carrega o nome do pai herói. Ele atendia um paciente quando soube da prisão de Adilson . “Estava atendendo uma consulta quando me ligaram. Depois, vi a notícia nas redes sociais”, contou. “Cada um faz suas escolhas. A gente cabe lamentar, mas o que importa é a mensagem que meu pai deixou de amor ao próximo”, completou. 

Sem contato

As famílias do herói e do garoto salvo por ele nunca tiveram contato. Nem mesmo houve um agradecimento formal. Sílvio, no entanto, garante não haver mágoas por parte dos parentes dele. “Nunca cobramos ou esperamos esse agradecimento”, frisou. 

As lembranças daquele 27 de setembro de 1977 ainda estão vivas na memória de Sílvio Jr.. “Lembro de tudo. Do meu pai saindo do carro, pulando no fosso e retirando o menino. Não fui ao enterro por ser pequeno. Na verdade, soube da morte dele pelo Jornal Nacional”, conta. 

Sílvio formou-se em Porto Alegre e fez residência no Hospital das Forças Armas (HFA) — unidade médica onde seu pai ficou internado antes de morrer. “Trabalhei sete anos lá. Nunca houve um desconforto, era super tranquilo. Me sentia em casa, em família”, brinca. A ideia inicial era voltar para o Sul, mas o médico foi aprovado num concurso da Secretaria de Saúde e começou a trabalhar no Hospital de Base (HBDF), em 2003.

A VERGONHA DA IGREJA CATÓLICA NO BRASIL

NOTA DO EDITOR DO ATAQUE ABERTO: 

Nunca, em toda sua História, a Igreja Católica desceu tanto. Qualquer forma de Inquisição, de obscurantismo...qualquer maneira de se envolver com a imundície da vida Política no Brasil já perpetrada pela Igreja fica pequena depois desta comunicação entre dois MARGINAIS PETISTAS como Leonardo Boff e Gleisi Hoffmann

HOSPITAL SUSPENDE CIRURGIAS EM FUNÇÃO DE "PASSAGEM DA TOCHA OLÍMPICA"

24/06/2016 12h54 - Atualizado em 24/06/2016 12h59

Passagem da Tocha Olímpica por Foz do Iguaçu suspende cirurgias eletivas

Segundo a direção do Hospital Municipal, determinação é da organização.
Unidade referência em urgência e emergência na região ficará disponível.

Do G1 PR, com informações da RPC em Foz do Iguaçu

hospital municipal de foz do iguaçu (Foto: Assessoria de Imprensa / Pró-Saúde)Após suspensão, cirurgias eletivas serão retomadas a
partir do dia 2 de julho (Foto: Assessoria de Imprensa /
Pró-Saúde)
A passagem da Tocha Olímpica por Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, deve suspender as cirurgias eletivas agendadas para serem realizadas no Hospital Municipal Padre Germano Lauck a partir de sábado (25) até o dia 30. Segundo a direção da unidade, a determinação é dos comitês olímpico e local, que organizam a passagem do fogo pelas cidades.
De acordo com o chefe da 9ª Regional de Saúde, Ademir Ferreira, como a unidade é referência em urgência e emergência na região, ficará à disposição para eventualidades.
“O motivo para isso é para que, se houver uma intercorrência, por exemplo, algum acidente biológico, nós temos que ter a retaguarda para atender as pessoas que estão participando, principalmente o público que acompanha o revezamento, porque o comboio vem todo com uma estrutura própria, até com helicóptero”, explicou.
As cirurgias eletivas deverão ser retomadas no dia 2 de julho.
Tocha na fronteira
Em Foz do Iguaçu, o revezamento será realizado nos dias 30 e 1º de julho e terá como diferencial a passagem pelos principais atrativos turísticos da cidade: o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as Cataratas do Iguaçu, Itaipu Binacional, Marco das Américas, Parque das Aves e o Templo Budista.
Antes de chegar à Foz do Iguaçu o fogo olímpico passará no dia 29 por Cascavel e irá percorrer já no dia 30 as cidades de Matelândia, Medianeira, São Miguel do Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu. Já na fronteira, a tocha terá 102 condutores, com cada um percorrendo cerca de 200 metros, dentro dos 20 quilômetros programados para serem cumpridos. No dia 2, o fogo  seguirá viagem para Céu Azul, também no oeste, e cidades do sudoeste, como Pato Branco e Francisco Beltrão
.

O STF vai homologar a delação da Odebrecht?


O STF vai homologar a delação da Odebrecht?:

A Lava Jato teme a delação da Odebrecht.
Pela primeira vez, segundo a Época, “os investigadores se perguntam se as instituições serão capazes de absorver o gigantesco impacto que causará o que já foi entregue pela empreiteira e o que ainda está sendo negociado.
Há preocupação crescente de que, quanto mais robusta e ampla se torna a delação, mais inviável ela pode vir a ser na hora da homologação pelo STF.
A delação não poupa nenhum Poder da República ou partido político”.
Os procuradores não devem se preocupar com o alcance das denúncias. Quanto mais completo for o expurgo, melhor. A única dúvida é se a Odebrecht vai falar a verdade ou não.
O Antagonista desconfia daquela gente.

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Vagabundo Petista Paulo Henrique Amorim CONDENADO. Falta agora o Marginal Luís Nassif


SEM PRESCRIÇÃO

STJ envia a juiz do DF condenação de Paulo Henrique Amorim por injúria racial


O blogueiro e apresentador Paulo Henrique Amorim pode ser obrigado a cumprir imediatamente pena de 1 e 8 meses de reclusão (substituída por pena restritiva de direitos) por ter declarado que o jornalista Heraldo Pereira, da TV Globo, é “negro de alma branca” e “não conseguiu revelar nenhum atributo para fazer tanto sucesso, além de ser negro e de origem humilde”.
Em decisão publicada nesta quinta-feira (23/6), a ministra Laurita Vaz, vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, determinou a remessa dos autos ao juiz de origem, a fim de que seja avaliado o pedido de início da execução da pena, apresentado pelo Ministério Público do Distrito Federal. 
Heraldo Pereira foi alvo de injúrias raciais de Paulo Henrique Amorim, em publicação na internet.
Reprodução
Amorim foi condenado pela 6ª Turma em 2015. O colegiado concluiu que injúrias raciais são imprescritíveis, por representarem mais um delito no cenário do racismo.
A própria defesa reconheceu que a decisão "é a primeira de que se tem notícia na jurisprudência nacional” e planejou levar o caso ao Supremo Tribunal Federal, alegando que o entendimento violou a Constituição.
Laurita Vaz, a princípio, negou a subida do recurso extraordinário, no dia 27 de abril. Segundo a ministra, nova análise do tema demandaria o exame de legislação infraconstitucional — a Lei 7.716/89, que definiu crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, e a Lei 9.459/97, que incluiu a injúria racial. Assim, a tarefa não caberia ao STF.
A defesa do blogueiro moveu agravo contra a decisão monocrática, para tentar fazer o Supremo aceitar o pedido. A ministra determinou o envio dos autos à corte.
Histórico do caso
As declarações contra o jornalista Heraldo Pereira foram publicadas em 2009 e 2010, no blog Conversa Afiada, e levaram o MP-DF a apresentar denúncia contra o autor por racismo e injúria racial. O juízo de primeiro grau concluiu que não houve o primeiro crime — a tipificação foi alterada para injúria racial, mas a sentença declarou extinta a punibilidade, em razão da decadência. Sobre a segunda acusação, absolveu o réu por atipicidade da conduta.
A 3ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal condenou o blogueiro a 1 ano e 8 meses de reclusão pelo crime de injúria qualificada. Como a decisão foi por dois votos a um, o colegiado analisou de novo o caso, em embargos infringentes, e o considerou prescrito.
No STJ, o desembargador convocado Ericson Maranho concluiu que a Lei 9.459/97 criou mais um delito no cenário do racismo, portanto, imprescritível, inafiançável e sujeito à pena de reclusão. A 6ª Turma manteve o entendimento, e a ministra Maria Thereza de Assis Moura defendeu a competência do STJ para validar a tese.
“A interpretação dada por este tribunal superior a um determinado tipo penal, delimitando sua extensão, não implica em ofensa ao princípio da legalidade constante no artigo 1º do Código Penal, especialmente em situações como a presente, onde não se criou novo tipo penal, tampouco se cominou pena corporal não prevista no ordenamento jurídico”, declarou em voto-vista.
Heraldo Pereira, que atuou no caso como assistente de acusação, planeja solicitar que o juízo de execuções penais reavalie a conversão da pena restritiva de direitos. Ele aponta que o acórdão do TJ-DF concedeu o benefício porque o réu era primário, mas no intervalo dos recursos a situação mudou: Paulo Henrique Amorim foi condenado em outro processo de injúria, por ofensas ao jornalista Merval Pereira
AREsp 686.965
* Texto atualizado às 20h15 do dia 24/6/2016, para correção de informação.
A ministra não determinou o início imediato da pena, como publicado anteriormente, pois caberá ao juízo de primeira instância apreciar o
pedido do MP-DF.