"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Câmara dos Deputados prevê gastar até R$ 64 mil com sete tipos de chá

Câmara dos Deputados prevê gastar até R$ 64 mil com sete tipos de chá:

xicara-cha-hortela.jpg
Imagem: Reprodução / Redes  Sociais
A Câmara dos Deputados abriu licitação para adquirir 28.170 caixas de chá para o intervalo de um ano. Cada caixa deverá conter dez sachês. São 5.460 caixas de erva-doce, 5.340 de camomila, 5.340 de hortelã, 4.470 de capim-cidreira, 4.080 de frutas,1.740 de boldo e outras 1.740 de chá preto. A despesa, segundo o edital de licitação, pode chegar a R$ 64 mil e a quantidade foi estimada com base no consumo entre os anos de 2012 e 2016.
Mais informações »


26 de Julho de 1893: Nasce o pintor alemão George Grosz, fundador do movimento Dada, em Berlim.

George_grosz-the_eclipse_of_the_sun.jpg
Eclipse of the SunGeorge Grosz

26 de Julho de 1893: Nasce o pintor alemão George Grosz, fundador do movimento Dada, em Berlim.:

George Grosz, pintor alemão,  nasceu em Berlim a  26 de Julho de 1893 e faleceu nessa mesma cidade a  6 de Julho de 1959.
Destacou-se, inicialmente, na qualidade de uma das figuras mais proeminentes do movimento Dada em Berlim. Foi um dos principais membros do grupo expressionista da Nova Objectividade, juntamente com Max Beckmann e Otto Dix, empenhando-se em analisar criticamente a situação política e social da Alemanha, durante a República de Weimar (1919-1933).
Entre 1909 e 1912 estudou na Academia de Dresden e entre 1912 e 1917 na Academia de Artes e Ofícios de Berlim (Kunstgewerbeschule), na qual foi aluno de Emil Orlík.
Em 1913 mudou-se para Paris, cidade na qual  entrou em contacto com as vanguardas, destacando-se o cubismo e o futurismo. Nessa cidade pôde também admirar de perto a obra de Goya, Toulouse Lautrec e Honoré Daumier. Durante o tempo que esteve em Paris desenvolveu uma  importante evolução do seu estilo pictórico, com uma progressiva simplificação das formas, na qual se notava uma grande influência do cubismo e do futurismo, mas também do expressionismo.
Em 1914, com o início da Primeira Guerra Mundial, Grosz  alistou-se na infantaria  do Exército Alemão. Em 1916 abandona o exército por motivos se saúde.
Em 1919 filiou-se no Partido Comunista de Alemanha (KPD). É detido pela sua participação na Liga Espartaquista liderada por  Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht. A partir desse momento, seria processado em diversas ocasiões.
Em 1932 quando na Alemanha o  nazismo está no seu auge, a obra de Grosz passa a ser interpretada como um modelo de arte degenerada, e Grosz recebe o título de "bolchevique cultural número um". Em 1933, com a chegada ao poder de Adolf Hitler, Grosz decide emigrar para os Estados Unidos. Trabalha como professor em Nova Iorque e em 1938 obtém a nacionalidade norte americana.
Fontes: Wikipédia (Imagens)
             Biografias y Vidas



Arquivo: GeorgeGrosz.jpg
George Grosz em 1921

the-lovesick-man-1916.jpg
The Lovesick Man -  George Grosz

26 de Julho de 1894: Nasce o escritor britânico Aldous Huxley, autor de "Admirável Mundo Novo"

BraveNewWorld_FirstEdition.jpg


Admirável Mundo Novo

26 de Julho de 1894: Nasce o escritor britânico Aldous Huxley, autor de "Admirável Mundo Novo":

Filho de uma família de classe média alta, Aldous Huxley nasceu a 26 de Julho de 1894 em Godalming, Inglaterra e teve uma educação privilegiada. Devido a um problema na retina, quase ficou cego aos dezasseis anos. Parcialmente recuperado, aprendeu braile. Estudou no Eton College e no Balliol College, em Oxford, licenciando-se em inglês em 1916.

O seu primeiro volume de poemas foi publicado em 1916 e em 1920 lançou mais duas obras. Actuou como crítico literário e teatral e escreveu artigos para várias revistas. Em 1919 Huxley casou-se com Maria Nys, com quem teve um filho, Mathew.

Em 1921 publicou o seu primeiro livro de crítica social, "Crome Yellow". Durante a década de 1920, Aldous Huxley conviveu com o grupo de Bloomsbury, o qual integrava artistas, intelectuais e escritores, como Virginia Woolf, e publicou mais de uma dezena de livros, entre os quais "Contraponto", que obteve grande sucesso.

Em 1930, Aldous Huxley estabeleceu-se na França, onde escreveu a sua obra mais conhecida, "Admirável Mundo Novo", com a qual ganharia fama internacional. Através de uma sombria ficção científica, o escritor estabeleceu uma visão pessimista de uma futura sociedade tecnológica.

Em 1937, Huxley mudou-se para a Califórnia, nos Estados Unidos, onde abandonou a ficção e passou a dedicar-se a escrever ensaios e guiões para cinema. Entre os vários guiões que elaborou, estão "Orgulho e Preconceito", uma adaptação do romance de Jane Austen, de 1940, e "Jane Eyre", de 1944, com Orson Welles no elenco.

Em 1954 Huxley publicou "As Portas da Percepção", em que relata a experiência de ampliação da consciência através do uso da mescalina, um potente alucinogénio. Huxley tornou-se um guru para a comunidade hippie e passou a interessar-se por filosofias orientais. Em 1956, um ano depois da morte da primeira esposa, Huxley casou-se com a psicoterapeuta Laura Archera.

Em 1962 o escritor lançou seu último romance, "A Ilha". Aldous Huxley morreu no dia 22 de Novembro de 1963, no mesmo dia em que o presidente John F. Kennedy foi assassinado.


 wikipedia (imagens)

Monochrome portrait of Aldous Huxley sitting on a table, facing slightly downwards.
Aldous Huxley

"A República dos Sem-Vergonha", por Nêumanne


"A República dos Sem-Vergonha", por Nêumanne:


José Nêumanne, como de hábito, escreveu um artigo brilhantemente indignado e esclarecedor no Estadão, intitulado "A República dos Sem-Vergonha -- Sob a égide de Temer, Lula e Cunha, Congresso tenta favorecer a corrupção". Reproduzi-lo na íntegra é uma homenagem ao autor e ao jornal que o publicou: (ANTAGONISTA)

"O historiador cearense Capistrano de Abreu (1853-1927), colega de classe de padre Cícero Romão Batista no seminário de Fortaleza, não ficou famoso por causa disso, mas por uma piada, seu projeto de Constituição, que rezava, categórico: 'Artigo 1.º : Todo brasileiro deve ter vergonha na cara. Artigo 2.º: Revogam-se as disposições em contrário'.
Nenhum de nossos projetos constitucionais teve o poder de síntese dessa chacota, que de tão atual se tornou denúncia. A cada nova legislação este país se torna cada vez mais a 'república dos sem-vergonha'. E a sociedade dos otários espoliados. A primeira página do Estado de anteontem registrou: Câmara quer mudar delação premiada e prisão preventiva. E a notícia a que ela se refere, da lavra de Isadora Peron, da sucursal de Brasília, completou: 'Também estudam revogar o entendimento de que penas podem começar a ser cumpridas após condenação em segunda instância'.
Na mesma edição deste jornal, que se notabilizou pelas lutas pela abolição da escravatura, pela proclamação da República, contra o Estado Novo e a ditadura militar, os repórteres de política Pedro Venceslau e Valmar Hupsel Filho relataram a saga de Vicente Cândido (PT-SP) para promover uma reforma política que inclua um Fundo Partidário de, no mínimo, R$ 3,5 bilhões; o distritão, em que só os mais votados para deputado se elegem; e, last but not least, a 'emenda Lula. Esta merece destaque especial, por impedir que postulantes a mandatos eletivos sejam presos oito meses antes da data marcada para a eleição, mesmo que só venham a ter suas candidaturas registradas oficialmente quatro meses após esse prazo. O nome do presidenciável do Partido dos Trabalhadores (PT), no qual milita Sua Candidez, é usado como marca registrada da emenda por atender ao fato de que Luiz Inácio Lula da Silva acaba de ser condenado a nove anos e meio de prisão e proibido de ocupar cargos públicos por sete anos pelo juiz Sergio Moro, na Operação Lava Jato.
A proibição de prender quem avoque sua condição de candidato é a mais abjeta das propostas do nada cândido (claro, impoluto) relator, mas não é a que produzirá, se for aprovada pelo Congresso Nacional, mais prejuízos, em todos os sentidos, para a cidadania. As medidas cinicamente propostas pelo 'nobilíssimo' parlamentar produzem, em conjunto, um despautério que provocaria a aceleração do enriquecimento dos partidos e de seus representantes, em particular os dirigentes, sob a égide de um sistema corrupto e que trava a produção e o consumo, empobrecendo a Nação. O financiamento público das milionárias campanhas eleitorais legaliza a tunga ao bolso furado do cidadão.
Ex-sócio do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, que não sai do País para não ser preso pela Interpol, Sua Candura-mor, o deputado ecumênico, integra o lobby a favor da legalização dos cassinos e foi um dos idealizadores da campanha de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara. A reforma ressuscita uma ideia que nunca pareceu ter muito futuro e sempre foi apregoada pelo presidente Michel Temer: o distritão. Trata-se da volta do tílburi ao Vale do Silício, pois reduz a pó as tentativas vãs de tonificar a democracia, dando mais força aos partidos, e estimula o coronelismo partidário, usando falsamente a modernização, confundindo-a com voto distrital.
O Estado noticiou que o patrimônio de Cândido aumentou nove vezes nos últimos nove anos (descontada a inflação no período). Neste momento, em que as arenas da Copa do Mundo da Fifa em 2014 – de cuja lei foi relator – têm as contas devassadas por suspeitas de corrupção e um juiz espanhol mandou prender o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, o eclético parlamentar achou um parceiro no Senado: o relator da reforma política e líder do governo Temer na Casa, Romero Jucá (PMDB-AP).
Enquanto Cândido e Jucá providenciam a engorda dos cofres partidários para garantir as campanhas perdulárias, que vinham sendo feitas à custa de propinas milionárias, a comissão especial da reforma do Código de Processo Penal (CPP) batalha pelo abrandamento da legislação de combate à corrupção no Brasil.
A reforma do CPP, que é de 1941, foi aprovada no Senado em 2010. Na Câmara ficou esquecida até o ano passado e foi desengavetada durante o mandarinato do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente preso em Curitiba. O presidente da comissão especial que discute as mudanças na Casa, deputado Danilo Forte (PSB-CE), que apareceu recentemente na lambança de Temer ao tentar atravessar a adesão dos dissidentes do PSB ao DEM, discorda de presos fecharem acordos de delação premiada com procuradores.
Forte também considera que é preciso punir juiz que desrespeite as regras da condução coercitiva, que deveria ser empregada apenas se uma pessoa se negar a prestar depoimento. O presidente da comissão especial parece até ter inspirado sua ideia na recente decisão de Nicolás Maduro, que ameaçou de prisão os juízes que o Parlamento da Venezuela – de maioria oposicionista e contra a Constituinte que ele quer eleger no domingo, no modelo da pregada por Dilma – escolheu para a Suprema Corte.
A reforma política de Cândido e Jucá e as mudanças no CPP propostas por Forte, aliado de Temer, evidenciam tentativas de adaptar as leis eleitorais e penais do País aos interesses pessoais de chefões políticos encalacrados nas operações, Lava Jato entre elas, inspiradas em convenções da ONU, da OEA e da OCDE contra a roubalheira geral, importadas por Fernando Henrique e Dilma e agora ameaçadas pelos que defendem a impunidade de quem for flagrado. Esse 'acordão', que denota fraqueza e sordidez, põe o Brasil, já na contramão da prosperidade, também na trilha oposta da luta contra o roubo. Aqui a vergonha empobrece o portador."

Organização Criminosa "Rede Globo" vem com Minissérie que pretende relatar "a Realidade" sobre o CAOS NOS HOSPITAIS PÚBLICOS


Como a série 'Sob Pressão' vai retratar o caos do sistema público de saúde do Rio

Produção da TV Globo e Conspiração Filmes mostra rotina tumultuada de uma equipe de emergência de um hospital público.

 11/07/2017 20:45 -03 | Atualizado 12/07/2017 14:35 -03
Derivada do filme de mesmo nome dirigido por Andrucha Waddington, a produção é livremente inspirada no livro Sob Pressão – A Rotina de Guerra de um Médico Brasileiro, de Márcio Maranhão.
A trama acompanha o dia a dia caótico da equipe de emergência de um hospital publico do subúrbio do Rio de Janeiro. Ficção com pé na realidade, a série tem como protagonistas os médicos Evandro (Julio Andrade), o cirurgião-chefe da equipe, e Carolina (Marjorie Estiano), uma cirurgiã vascular.
GLOBO / MAURÍCIO FIDALGO
Quem assina o roteiro final é Jorge Furtado, um dos roteiristas mais respeitados da TV brasileira, cujo currículo reúne obras de sucesso como Agosto (1993), Memorial de Maria Moura (1994), Ó Paí, Ó (2008) e Mister Brau (2015) - sem contar os inúmeros projetos premiados no cinema.
Em entrevista por telefone ao HuffPost Brasil, Furtado explica as facetas da dupla de protagonistas "muito diferentes, mas que se completam e apoiam". "Tanto o Evandro quanto a Carolina têm fantasmas do passado que assombram a vida deles. E lidam com esses fantasmas de maneiras distintas", conta.
Dr. Evandro perdeu a esposa na mesa de cirurgia que conduzia há um ano. Deprimido e viciado em remédios, ele não consegue superar o tragédia. Já a Dr. Carolina busca na fé o remédio para enfrentar o cotidiano e esquecer uma lembrança traumática da infância.
Nessa situação de caos particulares, os dois têm em comum o desejo de salvar vidas num ambiente de trabalho regido pela tensão, onde tudo falta.
Quem é fã de séries médicas made in USA, como HouseER, e Grey's Anatomy, "pode esperar o inesperado" da produção brasileira, garante Furtado.
"Para você ter uma ideia, um total de 180 personagens passam pela primeira temporada de Sob Pressão. Alguns são fixos, outros aparecem só um dia, outros voltam. Só esse volume de personagens já diferencia ela das séries que a gente costuma ver. São seis, sete histórias por episódio", diz.
GLOBO / MAURÍCIO FIDALGO
Lucas Paraizo, Jorge Furtado, Antonio Prata e Márcio Alemão, os responsáveis pelas histórias de 'Sob Pressão'
Com a ajuda de Lucas Paraizo, Antonio Prata e Márcio Alemão (além da consultoria médica de Márcio Maranhão), Furtado conta que abordará temas delicados e ainda cercados de desinformação como, por exemplo, a violência contra a mulher.
"Todos os dias, os hospitais públicos recebem 'mulheres que caíram da escada', que 'estavam limpando o armário e a gaveta caiu', que 'estavam limpando o lustre e caíram'. Enfim, histórias que encobrem uma realidade duríssima de violência contra a mulher no Brasil."
Ele explica que muitas vítimas têm medo de denunciar seus agressores por achar que não terão legitimidade. "Ou porque a denúncia não vai resolver o problema e elas vão ter que voltar para aquela convivência. E, de certa forma, a impunidade preserva a epidemia que é esse tipo de violência no Brasil", analisa.
Outro assunto cercado de tabus que Sob Pressão deve abordar é a doação de órgãos.
"Um hospital de traumas salva as vidas não apenas das pessoas que chegam ali, mas também administrando a doação de órgãos, que vai salvar vidas de outros que estão longe. Esse é um tema importante de se abordar. O Brasil perde todo ano muitos fígados, rins e órgãos que poderiam ser usados em transplantes e não são por inúmeros problemas."
GLOBO / MAURÍCIO FIDALGO
Segundo o roteirista, a questão do abuso infantil talvez seja o tema mais delicado e menos abordado na ficção brasileira que a série deve explorar.
"É importante falar disso porque a quantidade de casos é assustadora. E as pessoas têm muita vergonha desse assunto. As meninas e meninos abusados muitas vezes acham que aquilo só acontece com eles, que eles são casos excepcionais e, por isso, talvez tenham culpa na sua condição. É importante mostrar que a ocorrência desse tipo de violência é grande. E, na maioria dos casos, é praticada por pessoas da própria família."
Gravada na área desativada de um hospital em funcionamento no Rio de Janeiro, Sob Pressão promete mostrar um retrato dramático da saúde pública carioca, uma realidade também vista em cidades periféricas de todo o País.
"O Brasil vive um momento de crise econômica e política, talvez a pior face dessa crise esteja na saúde. Porque é ali que tudo estoura", reflete.
Questionado se, nesse contexto, a série se propõe alguma cobrança de ações das autoridades, Furtado explica:
"Acredito que a exposição já é um ato político. Mostrar um problema é um ato político. Isso não é pouco. O papel da ficção não é, de forma proselitista ou demagógica, falar sobre os problemas, as fazer com que a gente vivencie através de personagens esses problemas. Não questão de fazer uma denúncia, mas de mostrar uma realidade através da ficção."

terça-feira, 25 de julho de 2017

Tribunal nega pedido de Lula para desbloquear bens

Tribunal nega pedido de Lula para desbloquear bens:



dc57a4e9-bbaf-4b97-8af2-ca1672db1160.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou pedido liminar do ex-presidente Lula, que pedia a anulação do bloqueio de bens imposto pelo juiz Sérgio Moro. O desembargador João Gebran Neto não viu urgência no pedido, deixando a decisão final para o colegiado. Gebran lembrou ainda que a subsistência Lula não fica comprometida, pois ele recebe auxílio como ex-presidente. 

Mais informações »


Urgente: TRF4 confirma decisão de Moro e nega desbloqueio dos bens de Lula.

Lula%2B-%2BMA%2B-%2B36.jpg
Lula que não vá esperando colher de chá do TRF4, para onde irão suas condenações e recursos. Sirva de exemplo a decisão de negar seu pedido de desbloqueio de bens. Tome, tiranete:


O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato em segunda instância, negou um pedido da defesa de Lula para desbloquear bens e recursos do ex-presidente que foram confiscados por decisão do juiz Sergio Moro. Nos últimos dias, foram bloqueados R$ 606 mil que estavam em quatro contas bancárias de Lula, três apartamentos, um terreno, dois carros e mais R$ 9 milhões de dois planos de previdência privada.

Moro determinou o bloqueio com base em pedido do Ministério Público Federal. A defesa de Lula recorreu à segunda instância, no caso, o TRF4, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre. O relator, desembargador Gebran Neto, negou o pedido da defesa e manteve a decisão de Moro, ou seja, os bens e recursos de Lula continuam bloqueados.

“O pedido de provimento judicial precário esbarra na ausência de urgência. Considerando que o deferimento da liminar impõe que se equilibre a necessidade sob a ótica do mínimo suficiente, não socorre o impetrante a alegação genérica de que a constrição é capaz de comprometer a subsistência do impetrante, ex-Presidente da República, recebendo o auxílio que lhe é devido em decorrência da ocupação do cargo”, justificou o desembargador.

Na mesma decisão, Gebran Neto também abriu espaço para manifestação do Ministério Público Federal.

Governo federal tenta comprar fazenda para socorrer amigo de Temer

Governo federal tenta comprar fazenda para socorrer amigo de Temer:



1500920087_008922_1500936458_noticia_nor
Imagem: Mikhail Svetlov / Getty Images
Uma semana depois da explosão da delação da JBS que colocou contra as cordas o Governo Michel Temer, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) começou uma negociação inédita em São Paulo em socorro ao coronel reformado João Baptista Lima Filho, velho amigo de Temer e apontado pelos investigadores da Operação Lava Jato como o mais antigo operador de propinas do presidente. Desde junho, a autarquia tenta comprar uma fazenda para atender a sem-terras que acossavam o coronel Lima. Entre tantas demandas semelhantes e frustradas pelo país, o trunfo do grupo de manifestantes paulista foi lançar mão de um mecanismo de pressão que se mostraria eficiente: com o objetivo declarado de chamar atenção de Temer, eles invadiram uma propriedade do amigo do presidente em Duartina, a 380 km de São Paulo, e anunciaram que só deixariam o local com um acordo para aquisição de uma área para a reforma agrária em Bauru. Conseguiram, numa operação que, na visão de um procurador da república que analisou o caso investigado pelo EL PAÍS, contém indícios de tráfico de influência e improbidade administrativa.
Mais informações »


"OS DIAS NÃO ERAM ASSIM"


Cortesia do amigo,  Cláudio Januário Terracciano

Drácula Promete 13 MILHÕES para Bicheiros e Traficantes de "Escolas de Samba" do RJ no Carnaval de 2018

Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô


Michel Temer vai garantir o carnaval do Rio de Janeiro em 2018.
Ao empossar Sérgio Sá Leitão, ele pediu ao novo ministro da Cultura que ajude as escolas de samba. Mais cedo, o presidente se reuniu com representantes delas e prometeu 13 milhões de reais do governo federal -- 1 milhão de reais para cada escola.
O prefeito Marcelo Crivella havia suspendido esse "patrocínio" com dinheiro público. E as escolas ameaçaram suspender a festa.
FONTE - ANTAGONISTA

REDE GLOBO

BRASÍLIA - Em reunião com os principais dirigentes das escolas de samba do Rio nesta terça-feira, além do presidente da Liesa, Jorge Castanheira, o presidente Michel Temer garantiu que destinará à festa cerca de R$ 13 milhões retirados do carnaval pelo prefeito do Rio, Marcelo Crivella, que cortou pela metade os subsídios da festa carioca.

Segundo o deputado Pedro Paulo (PMDB-RJ), que participou do encontro no Palácio do Planalto, Temer se comprometeu a cobrir o rombo deixado pelo prefeito do Rio, estimado, segundo os dirigentes das escolas e da Liesa, em R$ 13 milhões. O presidente afirmou que ajudará parte em recursos diretos enviados ao Rio, e parte via patrocínio.

— Temer disse que vai garantir esses recursos. O prejuízo estimado pelo Jorge Castanheira é de R$ 13 milhões, e Temer disse que não faltará recursos para o carnaval do Rio. O governo federal vai bancar essa diferença — afirmou o peemedebista ao GLOBO.

TERROR NO RS - MPF vai denunciar Grupo Gerdau por compra de decisões no Carf (Zelotes)

MPF vai denunciar Grupo Gerdau por compra de decisões no Carf (Zelotes): O Grupo Gerdau será denunciado pelo MPF no âmbito da Zelotes, acusado de comprar decisões no Carf.

Ontem, a Justiça Federal de Brasília aceitou denúncia do MPF contra 11 acusados de fraudes em julgamentos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, envolvendo o Bank Boston.  Já são réus na 10a. Vara Federal um ex-diretor do banco, servfidores, advogados e lobistas.


Sindicato Médico do RS interpela ministro da Saúde no STF. Simers quer saber qual é o médico que "finge trabalhar".

Sindicato Médico do RS interpela ministro da Saúde no STF. Simers quer saber qual é o médico que "finge trabalhar".:

O Sindicato Médico do RS, Simers, acaba de protocolar interpelação no STF para que o ministro da Saúde, Ricardo Barros, aponte quem ele diz "fingir que trabalha", ao se referir aos médicos que atuam na saúde pública.

O ministro produziu sua fala no dia 14 de julho.

A interpelação é uma ação preparatória para ações cíveis e criminais.

"Ele ofendeu a categoria médica", disse esta manhã o presidente do Simers, Paulo de Argolo Mendes.
Se o ministro não responder, Argolo Mendes vai recrudescer, exigindo retratação:

- Basta. Estamos cansados de levar a culpa pelo que os ministros deixam de fazer, pelo que o governo deixa de fazer, pela corrupção no governo, enquanto trabalhamos desesperadamente para salvar vidas.

Há 878 anos D. Afonso Henriques derrotou cinco reis mouros da Península, na Batalha de Ourique

Há 878 anos D. Afonso Henriques derrotou cinco reis mouros da Península, na Batalha de Ourique:

A batalha de Ourique, ocorrida em 1139, reveste-se da maior importância para a independência e afirmação de Portugal como nação independente. Ela determina não o momento de afirmação da independência, mas o momento da justificação divina para a existência de um país independente, reconhecido pelo próprio Deus dos cristãos.
A batalha está envolvida em mistério, havendo mesmo quem afirme que efectivamente nunca ocorreu, pelo menos da forma como se julga.
A batalha ocorreu a 25 de Julho de 1139, num local que as fontes denominam de Ourique (Aulic, Oric, Ouric), que na altura estaria no território controlado pelos muçulmanos. Na batalha, D. Afonso Henriques terá defrontado os exércitos de cinco taifas, ou reinos muçulmanos, vindos de Sevilha, Badajoz, Elvas, Beja e Évora. A batalha terá ocorrido durante uma das muitas «correrias» que tinham lugar naquele tempo durante a Primavera e o Verão, durante as quais se aproveitava para atacar os muito divididos reinos muçulmanos da península.
Segundo a lenda - que viria a condicionar a História - as forças muçulmanas eram claramente superiores às forças portuguesas e a certeza da derrota tinha-se apoderado do pequeno exército comandado por D. Afonso Henriques.
O futuro rei, terá tido uma visão na véspera da esperada batalha, em que um eremita e depois o próprio Jesus Cristo terá aparecido e profetizado que D. Afonso Henriques sob o sinal da cruz, seria Rei, e que o seu reino se expandiria pelos lugares mais estranhos e recônditos do mundo, para espalhar a fé cristã e a palavra de Cristo.
A batalha foi ganha pelas forças portuguesas, e é a partir de aí, que embora não reconhecido, D. Afonso Henriques se proclama «Rex», e já não «Princeps».
A batalha de Ourique, tenha ou não ocorrido conforme as lendas e tradições indicam, tem no entanto a maior importância histórica porque ela marca o início de uma lenda que suporta e justifica mais tarde o direito de D. Afonso Henriques a declarar-se Rei de Portugal, garantindo assim definitivamente a separação de Portugal do Reino de Leão.
«IN HOC SIGNO VINCES»
A importância da batalha, ficou marcada ainda pela referência à frase que Cristo terá proferido perante Constantino o Imperador de Roma e que é comum em várias culturas europeias em que Cristo promete a vitória àqueles que defenderem a Cruz: IN HOC SIGNO VINCES», ou Com este sinal vencerás.
Por causa dessa referência, as armas e escudo armorial de Portugal, mantêm desde então e até hoje, cinco escudetes posicionados em forma de cruz, representando cada um dos cinco reinos derrotados na batalha. Sobre esses cinco escudetes, estão inscritos besantes em número variável (inicialmente onze em cada escudete), que significavam, que por direito divino D. Afonso Henriques era Rei, e que por isso tinha direito a cunhar a sua própria moeda.
Posteriormente, foi estabelecido o número de cinco besantes (em vez de onze) sobre cada um dos escudetes, passando a contar-se segundo a tradição duas vezes os besantes do escudete central, totalizando assim o número de trinta, que significará as trinta moedas pelas quais Judas vendeu Cristo. Essa simbologia foi continuamente mantida durante os quase novecentos anos de existência do país.
Extremamente importante do ponto de vista histórico, a batalha não tem porém qualquer relevância do ponto de vista militar, porque não há qualquer referência a que tenha alterado nenhum equilíbrio estratégico na região.
Fontes:www.areamilitar.net/HIST
História de Portugal - A.H. Oliveira Marques
wikipedia (imagens)


BatalhaOurique.jpg
Batalha de Ourique - Domingos Sequeira


1280px-D._Afonso_Henriques_Batalha_de_Ou
Batalha de Ourique por Jorge Colaço 


Vis%C3%A3o_de_D._Afonso_Henriques_na_bat
A visão de D. Afonso Henriques - Frei Manuel dos Reis


segunda-feira, 24 de julho de 2017

IMPRENSA LIVRE RS: AÇÃO ENTRE AMIGOS DO FORTUNATI...

IMPRENSA LIVRE RS: AÇÃO ENTRE AMIGOS DO FORTUNATI...: O contrato da Prefeitura Municipal de Porto Alegre com o Hospital Independência/Hospital Divina Providência , feito de forma suspeita p...

SIMERS aciona Ministro da Saúde no Supremo






Recuerdos de Mi Corazon...

1. Brasileiros querem médico mais humano e que toque no paciente (Dilma em 2013)

2. Médicos cubanos são ‘mais atenciosos que brasileiros’ (Dilma em 2014)

Comentário - Que engraçado...eu não consigo me lembrar do SIMERS, aliás, não consigo me lembrar de NENHUM Sindicato Médico "entrando no STF" contra nossa PresidentA...Por que, hein??

Justiça determina que filho de presidente do TRE-MS deixe presídio e seja internado em clínica

Justiça determina que filho de presidente do TRE-MS deixe presídio e seja internado em clínica:

Filho da presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso do Sul (TRE-MS), Breno Fernando Solon Borges deixou o presídio de segurança média de Três Lagoas e foi para uma clínica médica após receber liminar favorável da Justiça. Ele estava preso desde 8 de abril, quando foi flagrado com 129 quilos de maconha, 270 munições e uma arma sem autorização com outros dois jovens.

Segundo o site  G1 , Breno já havia conseguido autorização judicial para ser internado em uma clínica, mas não deixou o presídio em razão de um mandado de prisão preventiva da Polícia Federal (PF). Investigações da Operação Cérberus, deflagrada em 13 de junho, apontaram que ele fazia parte de uma organização criminosa de contrabando de armas e que planejava o regaste de um apenado na Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande.

Em março, o líder da quadrilha teria planejado tentativa de fuga da Penitenciária de Três Lagoas, e o nome de Breno apareceu em um celular apreendido. A investigação apontou que ele ajudaria na fuga e que, inclusive, chegou a deslocar-se até a cidade para participar da ação criminosa.

Breno é filho da desembargadora Tânia Garcia Freitas, que é presidente do TRE-MS. Ela prefere não comentar sobre o assunto. Procurada pelo G1, a defesa de Breno não se manifestou.

Leia mais notícias de ZH

Tribunal solta filho de desembargadora preso com 130 quilos de maconha, arma e munições

Tribunal solta filho de desembargadora preso com 130 quilos de maconha, arma e munições:

tania.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O plantão judiciário do TJ-MS, sexta passada, soltou Breno Fernando Solon Borges, 37 anos, preso com 130 quilos de maconha, 199 munições de fuzil calibre 762 e uma pistola nove milímetros. Contra ele, havia dois mandados de prisão, que foram suspensos pela Justiça.
Mais informações »


Lula diz que propina foi 'inventada' por empresários e pelo MP

Lula diz que propina foi 'inventada' por empresários e pelo MP:



1499777957963.jpg
Imagem: Paulo Fonseca / EFE
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta segunda-feira, 24, que a palavra "propina" foi "inventada" por empresários e pelo Ministério Público para "tentarem culpar os políticos". Segundo o petista, todos os políticos, "desde que foi proclamada a República", sempre usaram doações empresariais nas campanhas.
Mais informações »


PREDATOR x AMANTE - Ex-presidente da Petrobras Graça Foster é ouvida em processo contra Gleisi

Ex-presidente da Petrobras Graça Foster é ouvida em processo contra Gleisi:



graca.jpg
Imagem: Arquivo / ABr
A ex-presidente da Petrobras Graça Foster prestou depoimento nesta segunda-feira (24). Ela é testemunha de defesa no processo que investiga a participação da senadora Gleisi Hoffmann (PT) no esquema de corrupção na estatal. Graça Foster saiu sem falar com a imprensa.
Mais informações »


Vagabundo Petista formado em Medicina, Alexandre Quadrilha, denunciado pela Lava Jato


Exclusivo: Joesley repatriou recursos das contas 'Lula e Dilma'


Exclusivo: Joesley repatriou recursos das contas 'Lula e Dilma':


O Antagonista soube que Joesley Batista repatriou ao menos US$ 80 milhões das duas contas que mantinha na Suíça com créditos de propina devidos a Lula e Dilma.
Em sua delação, o empresário contou que chegou a depositar US$ 150 milhões como crédito da propina paga via Guido Mantega, para ter acesso a recursos do BNDES.
Joesley disse que as contas no banco Julius Baer tinham caráter "virtual", pois estavam em nomes de offshores suas e que os valores devidos foram "compensados" por meio de pagamentos no Brasil à campanha de Dilma em 2014.
Mas, como o dinheiro dessas contas não foi declarado ao Fisco, o dono da JBS usou a Lei de Repatriação, sancionada por Dilma, para regularizar os recursos.

Exclusivo: MP da demissão voluntária sai nos próximos dias

Exclusivo: MP da demissão voluntária sai nos próximos dias:



O Antagonista apurou que o PDV anunciado por Dyogo Oliveira será encaminhado via medida provisória ainda esta semana. A ideia é que o servidor que opte pelo programa de demissão receba 1 salário para cada ano trabalhado. Demais detalhes serão fechados nos próximos dias.
O texto da MP abrangerá todas as categorias do Executivo, mas depois o governo pretende excluir aquelas em que há falta de pessoal.
O ministro do Planejamento ainda não tem uma estimativa de adesão, pois o único PDV que se tem registro foi feito no governo FHC - 5 mil servidores entraram no programa.

COMENTÁRIO - O Serviço Público é algo que NASCEU na China, atingiu sua PERFEIÇÃO na Alemanha do século XIX e sua PODRIDÃO TOTAL no Brasil do século XX e XXI. Existem 3 tipos de funcionário público no Brasil - o CORRUPTO, o INCOMPETENTE e aquele que, não sendo corrupto nem incompetente, só pensa em se APOSENTAR.


URGENTE: GOVERNO TEMER PREPARA PDV PARA SERVIDORES FEDERAIS


URGENTE: GOVERNO TEMER PREPARA PDV PARA SERVIDORES FEDERAIS:



O ministro Dyogo Oliveira revelou ao Valor que o governo prepara um Plano de Demissão Voluntária para servidores federais. Segundo ele, a ideia é permitir adesão este ano para obter efeito em 2018.
Mais cedo, O Antagonista revelou que Michel Temer estava arrependido de ter concedido no início do governo aumentos negociados por Dilma com várias categorias do serviço público.

COMENTÁRIO - Drácula acaba de encontrar a solução para os funcionários públicos cariocas - "demitiu" o Estado do Rio de Janeiro ...

Troca de máfia

Troca de máfia:

Traficantes controlam Unidades de Pronto-Atendimento no Rio de Janeiro, determinando quem será atendido, noticia O Globo.

O Rio apenas trocou de máfia.

24 de Julho de 1802: Nasce o escritor francês Alexandre Dumas, autor de "Os Três Mosqueteiros" e "O Conde de Monte - Cristo"

24 de Julho de 1802: Nasce o escritor francês Alexandre Dumas, autor de "Os Três Mosqueteiros" e "O Conde de Monte - Cristo":

Escritor prolífico francês, Alexandre Dumas nasceu a 24 de julho de 1802, na localidade de Villes-Cotterêts. Oriundo de uma família outrora proeminente, era neto de um aristocrata francês que, estabelecendo-se em Santo Domingo, tivera um filho de uma escrava crioula. Esta criança era o pai de Dumas que, após ter servido como general nas tropas napoleónicas, caíu em desfavor, deixando a família na ruína e entregue à sua sorte assim que ocorreu a sua morte. Nessa altura, Alexandre contava apenas quatro anos de idade.
Coube à mãe lutar contra as dificuldades, e Alexandre pôde assim beneficiar de uma relativa educação, começando a trabalhar desde muito cedo como funcionário notarial. Partiu em 1823 para Paris, onde conseguiu arranjar uma posição junto do Duque de Orleães, futuro rei de França, graças à sua caligrafia esmerada e elegante.
Nos seus tempos livres, dedicava-se ao teatro, que o fascinava, e que o introduziu na literatura. Passou a organizar a publicação de algumas revistas não tão relevantes. Em 1824, um ano após a sua chegada a Paris, teve um filho de ilegítimo de uma costureira, que veio a ser o famoso escritor também conhecido como Alexandre Dumas (filho).
Em 1835 estreou a sua primeira peça de teatro, a comédia La Chasse Et L'Amour, escrita em coautoria com Adolphe de Leuven e P.J. Rousseau. Garantiu o seu sucesso como dramaturgo em 1829, ao levar à cena Henri III Et Sa Cour, também uma comédia.
Em julho de 1830 participou na revolução contra Carlos X, tornando-se capitão na Guarda Nacional. Tendo contraído cólera, viu-se forçado a viajar até Itália em convalescença.
Em 1832 publicou La Tour De Nesle, obra escrita em coautoria com Frédéric Gaullardet. A peça baseava-se nos acontecimentos verídicos da vida da Rainha Margarida da Borgonha, que recebeu a visita dos seus dois filhos ilegítimos, cerca de vinte anos após os ter mandado matar, e foi considerada como a obra-prima do melodrama francês.
Orientando o seu fluxo prolífico para a produção de romances históricos, nomeou Auguste Maquet, um jovem professor de História, como um dos cerca de setenta assistentes que manteve ao longo da sua carreira. Encarregou-o de propor os temas e escrever o primeiro esboço de muitas das obras assinadas por si próprio, reservando-se o cuidado dos diálogos, os inconfundíveis e cativantes trejeitos da trama.
Dessa colaboração surgiram, entre muitas outras obras, os célebres romances Les Trois Mousquetaires (1844, Os Três Mosqueteiros), e Le Comte de Monte-Cristo (1844-45, O Conde de Monte-Cristo).
Em 1840 casou com uma amante, a atriz Ida Ferrier, mas assim que dissipou o seu dote, separou-se. Com os proventos da escrita, tratou de mandar edificar um sumptuoso palácio nos arredores de Paris, a que chamou o Castelo de Monte-Cristo.
Em 1851 teve que fugir dos credores para Bruxelas, e aí permaneceu cerca de dois anos, findos os quais regressou a Paris e fundou um diário com o nome Le Mousquetaire. Apodado como o "Rei de Paris", Dumas ganhava fortunas com a mesma rapidez com que as perdia, agraciando amigos e amantes, jogando e dando-se a todo o tipo de extravagâncias. Conta-se que terá deixado dezenas de filhos ilegítimos.
Em 1858 visitou a Rússia e em 1860 esteve em Itália, onde durante quatro anos foi conservador de um museu e apoiou a causa da união italiana de Garibaldi.
Entre a prolificidade da sua obra, pode-se destacar Georges (1843), La Tulipe Noire (1850), Le Meneur de Loups (1857) e Dix Ans Plus Tard ou Le Vicomte de Bragelonne (1848-1850), volume em que aparecia a famosa história do homem da máscara de ferro.
Dumas faleceu, vítima de uma apoplexia, a 5 de dezembro de 1870, em Puys, uma localidade nas cercanias de Dieppe.




Alexandre Dumas (pai). In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. 
wikipedia (Imagens)


Ficheiro:Alexandre Dumas.jpg
Alexandre Dumas


Arquivo:. Alexandre Dumas (1762-1806) JPG
General Thomas Alexandre Davy de la Pailleterie , pai  de Alexandre Dumas



Arquivo: Louis Français sur-Dantès filho rocher.jpg


O Conde de Monte Cristo 

DURÍSSIMA MENSAGEM PARA MÉDICOS BRASILEIROS


domingo, 23 de julho de 2017

NOVO TRIPLEX


O que esperar da raiva generalizada contra a classe política?

O que esperar da raiva generalizada contra a classe política?:

Enrique Peña Nieto (Foto: Manuel Velasquez/Anadolu Agency)
(Foto: Manuel Velasquez/Anadolu Agency)


Os ventos políticos na América Latina mudaram sensivelmente nos últimos dois anos à medida que governos de esquerda perderam o poder para administrações mais conservadoras. A tendência começou com a eleição de Mauricio Macri na Argentina, que encerrou um longo reinado de 20 anos dos Kirchners. Estendeu-se pelo impeachment de Dilma Rousseff em 2016. A tendência provavelmente continuará no Chile no final deste ano. Mesmo onde as administrações de esquerda sobreviveram, como no Equador, a movimentação para políticas mais conservadoras e amigáveis aos investidores está clara.

Muitos concluíram que os eleitores estão rejeitando as políticas da esquerda, que levaram a grandes desequilíbrios fiscais e baixo crescimento nos últimos anos. Mas a verdadeira prova para mostrar se essa mudança é mesmo sustentável virá do pesado calendário eleitoral dos próximos meses. Argentina, Chile, Colômbia, México, Brasil e muito provavelmente a Venezuela vão encarar eleições. Com exceção do México, e talvez da Colômbia, a onda conservadora deve se manter. Mas isso não é porque o eleitorado esteja se mudando para a direita. Os eleitores estão é com raiva da classe política. Enquanto isso funcionou contra as administrações de esquerda nos últimos dois anos, os eleitores apoiaram mudanças. Isso também pode criar problemas para as agendas reformistas que começam a ganhar força na região.

>> O fenômeno Macron pode ocorrer aqui?

O primeiro indicador de que os eleitores não estão felizes vem de um olhar rápido aos índices de aprovação na região. No Brasil, o presidente Temer tem índices baixos. O país está saindo de uma recessão e o governo é alvo de escândalos de corrupção. Mas o surpreendente é que Temer não está sozinho. O presidente Enrique Peña Nieto, do México, tem índices de aprovação de 12%, Michelle Bachelet, do Chile, fica com 20% e Juan Manuel Santos, da Colômbia, chega a 26%. Nenhum dos três países passou por crise econômica agora. Na Argentina, Macri ainda é popular, mas seu apoio vem caindo.

Se a desaceleração econômica ajuda a explicar parte do ódio, pesquisas nesses países também mostram que a corrupção está virando um tema cada vez mais relevante. E que os eleitores estão cada vez mais insatisfeitos com a qualidade dos serviços públicos, como segurança, educação e saúde. Mas junto com isso vem uma descrença crescente na classe política. Segundo um estudo global da Ipsos Public Affairs, os países latino-americanos têm índices de desconfiança e raiva dos políticos superiores aos dos Estados Unidos e da Europa.

Cenários e apostas (Foto: Época)


A verdadeira questão é quais candidatos estão mais bem posicionados para surfar nesse ódio. Em geral, esperamos a subida de nomes do centro ou da direita. Mas isso tem menos a ver com as políticas que defendem e mais com a falta de candidatos viáveis da esquerda capazes de representar esses eleitores descontentes.

A exceção a esse cenário é o México. A desilusão dos eleitores com a corrupção e a violência no país deve corroer a popularidade de Peña Nieto. Isso vai impulsionar o candidato de esquerda Andres Manuel Lopez Obrador, que é o líder da corrida presidencial para 2018.

>> Christopher Garman: "Os políticos vão sofrer, mas o Brasil não vai parar"

Na Argentina e no Brasil, as chances de um candidato de esquerda emergir em 2018 são menores, em grande medida por causa do dano reputacional provocado pelo final dos governos do PT e dos Kirchners. Mas o bom desempenho nas pesquisas de Luiz Inácio Lula da Silva e de Cristina Kirchner sugerem que nem tudo está seguro.

Para a Argentina, o foco estará nas eleições parlamentares de outubro, com as primárias em agosto servindo de indicador importante dos prospectos para o governo. Com a mudança de paradigma econômico imposta por Macri, o governo busca crescimento econômico e baixa inflação para aumentar as chances de ganhar mais poder no congresso. Uma vitória dará ao governo mais margem para continuar com os ajustes. Mas, se Cristina ganhar as eleições para Buenos Aires – algo improvável, mas não impossível –, Macri se arrastará para uma segunda metade dramática do mandato, com incertezas para as eleições gerais de 2019. Os políticos interpretarão os resultados como rejeição aos ajustes de Macri.

Rejeição generalizada (Foto: Época)


No Brasil, a crise política é uma ameaça para Temer. Mas ele pode permanecer no cargo apesar dos perigos. O escândalo dificulta a aprovação até de uma versão esmaecida da reforma da Previdência. Mas sua principal consequência é aprofundar os sentimentos contra a classe política para as eleições de 2018. Isso torna essa eleição mais imprevisível. A condenação de Lula por Sergio Moro é um golpe contra sua candidatura, mas não está claro se ele estará impossibilitado de concorrer. Mesmo que possa, a rejeição alta significa que não será competitivo no segundo turno. A maior questão não é se Lula pode concorrer ou ganhar, mas qual candidato pode surgir como “antipolítico”. O prefeito de São Paulo, João Doria, pode servir. Mas outros candidatos podem emergir, não necessariamente alinhados com as reformas boas para o mercado.

>> Com Macron, uma chance para o otimismo na França

No Chile, o ex-presidente Sebastián Piñera deve, aparentemente, vencer as eleições no fim do ano. Mas o ódio aos políticos pode puxar Alejandro Guiller, candidato independente mais à esquerda. Na Colômbia, o descontentamento com a corrupção pode abrir a porta para um candidato surpresa, principalmente se os escândalos envolvendo a Odebrecht desestabilizarem os candidatos de centro-direita.

Tudo isso sugere que as próximas eleições provavelmente não trarão de volta as políticas econômicas populistas da esquerda. É bom lembrar que a região provavelmente verá a queda do chavismo na Venezuela. Mas a questão importante é que os eleitores estão insatisfeitos com a corrupção, com o baixo crescimento e com os serviços públicos. E que a rejeição aos políticos não é equivalente a um movimento consistente rumo a escolhas econômicas associadas à direita.

Daniel Kerner (Foto: Época)
Christopher Garman (Foto: Época)