"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

10 de Janeiro de 1863: Abre ao público o Metro de Londres

10 de Janeiro de 1863: Abre ao público o Metro de Londres: primeiro metro do mundo foi criado por pura necessidade. No início do século XIX, as ruas da capital britânica estavam completamente entupidas de carroças, carruagens e autocarros de dois andares puxados a cavalos. O criador do comboio subterrâneo em Londres, Charles Pearson, disse certa vez que a única solução para os constantes engarrafamentos era transferir o transporte colectivo para cima de viadutos ou para debaixo da terra.


A administração pública decidiu-se pela segunda opção. O engenheiro "sir" John Fowler chefiou as obras. Sob as suas ordens, 3.500 operários começaram a arrancar casebres e barracas, deixando sem tecto 12 mil pessoas, justamente da camada mais pobre da população.

Um dos desafios era a forma de tracção. Como ainda não havia sido inventada a energia eléctrica, os comboios subterrâneos de Londres começaram por ser movidos a vapor. Os gases eram recolhidos num vagão especial e só libertados fora do túnel. O sistema, entretanto, não era ideal, conforme noticiou o jornal Observer de 12 de Janeiro de 1863:

“Apesar da excelente ventilação, os funcionários já começaram a sentir os efeitos negativos. Dois homens intoxicaram-se com o ar contaminado e tiveram que ser hospitalizados. (...) Infelizmente, é preciso reconhecer que o sistema de ventilação ainda não está apurado o suficiente. (...) “
Por esse motivo, o primeiro traçado do metro de Londres não era totalmente subterrâneo. Em alguns locais, os trilhos estavam abaixo do nível do solo, mas a céu aberto. Só a partir de 1890, com o advento da electricidade, o traçado passou a ser todo debaixo da terra, pois não já não havia problemas de ventilação. Não demorou até que o metro (ou "tubo", como era chamado) se tornasse a "menina dos olhos" dos londrinos.

Foi desenvolvido um horário regular para as composições. O trajecto principal, entre Paddington e o centro, tinha 6,5 quilómetros. Entre as 6 e 8 horas da manhã, havia um metro a cada meia hora. Depois, a cada 15 minutos. Na primeira classe, a passagem custava 6 pence, na segunda, quatro, e, na terceira, três pence.

O sistema de Pearson e Fowler, inaugurado a 10 de Janeiro de 1863, demonstrou tanta eficiência que, dois anos mais tarde, a passagem para pedestres por debaixo do Rio Tâmisa começou a ser usada pelo metro.

A partir daí, não demorou muito tempo para que a rede fosse ampliada dentro de Londres e área metropolitana. Outras metrópoles seguiram o exemplo. Budapeste, Paris e Berlim aplicaram os conhecimentos dos pioneiros britânicos no transporte subterrâneo.
Fontes: DW
Cartaz de 1911 do metrô de Londres (Foto: Divulgação/Museu do Transporte de Londres)
Cartaz de 1911
p4.jpg
The lure of the Underground - Alfred Leete, 1927

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário