"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

MOMENTO ANTAGONISTA: TUDO SOBRE OS NOVOS ANEXOS DA JBS

MOMENTO ANTAGONISTA: TUDO SOBRE OS NOVOS ANEXOS DA JBS:

Confira o comentário de Claudio Dantas sobre os novos anexos da delação premiada da JBS.

The post MOMENTO ANTAGONISTA: TUDO SOBRE OS NOVOS ANEXOS DA JBS appeared first on O Antagonista.

MPF envia a Moro documentos entregues por Marcelo Odebrecht contra Lula

MPF envia a Moro documentos entregues por Marcelo Odebrecht contra Lula:

lula-marcelo-odebrecht.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O Ministério Público Federal enviou ao juiz Sergio Moro nesta quinta (31) uma série de documentos entregues por Marcelo Odebrecht contra o ex-presidente Lula.
Mais informações »


O “MILAGRE DA MULTIPLICAÇÃO”, FEITO PELO PT


         Depois que o energúmeno ex-presidente Lula da Silva cometeu a imperdoável heresia de se comparar a JESUS CRISTO, durante mais um de seus arroubos paranoicos ao discursar certa vez para a tradicional plateia de capachos que o idolatra, o PT repete o conhecido milagre da multiplicação, só que em fotos, onde tenta falsear a verdade e aumentar ardilosamente a quantidade de simpatizantes na já fracassada caravana do boquirroto pré-candidato, nestes dias em curso pelo nordeste brasileiro.
         Ao contrário de Jesus Cristo, que – segundo nos conta a Bíblia sagrada – multiplicou pães para alimentar a uma multidão de discípulos em Betsaida, na Galileia, o famigeradoPT não se cansa de usar artifícios espúrios visando “melhorar a sua própria imagem” nas manifestações públicas que envolvem os fanáticos simpatizantes. Fanáticos, ou contratados, não se sabe bem.
         Pois, nesta semana circulou pelas redes sociais uma NOVA FOTO da fracassada caravana Lulopetista, onde os éticos membros da quadrilha de bandidos manipularamdolosa e fraudulentamente uma imagem, inserindo os mesmos grupos de manifestantes várias vezes na mesma cena, misturando-os a outros “mortadelas” para inflar artificialmente a adesão de simpatizantes naquela passeata.
         Não é a primeira vez que tal fraude é flagrada em divulgações do PT, que – certamente desesperado pela péssima situação de rejeição que enfrenta – demonstra não ter a mesma competência utilizada nos crimes que promoveu, neste seu departamento de propaganda.
         E o pior! A falcatrua é tão malfeita que lembra os “apagões verbais” da DilmANTA. Tão notórios que dispensam exemplos.
         Enfim, o PT pretende enganar a quem, agindo assim?
         Todo o brasileiro que costuma usar seus neurônios já se deu conta do fracasso absoluto da campanha eleitoral prévia (que é proibida por lei) que o PT tenta fazer, utilizando até a figura patética do “Lularápio”.
         Restaram, porém, alguns reminiscentes da turma “me engana que eu gosto” sempre dispostos a aplaudir os criminosos e achar que tudo isso não passa de um golpe das zelites para sepultar o sonho bolivariano.
         Como aquele torcedor que continua a cantar marra, mesmo depois de um fiasco do seu time de coração, os fanáticos pelo PT existem; gritam mantras do tipo “golpistas!”; acreditam na inocência do chefe; e são caso para um profundo e demorado estudo psiquiátrico.
         Porque esta, nem FREUD explica!

         Marcelo Aiquel – advogado (31/08/2017)

Autor de assédio a passageira na Paulista é solto pela Justiça


Autor de assédio a passageira na Paulista é solto pela Justiça:

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) mandou soltar o ajudante-geral Diego Ferreira de Novais, de 27 anos, preso ontem em flagrante após se masturbar e ejacular em uma passageira dentro de um ônibus na Avenida Paulista, no centro de São Paulo. O suspeito recebeu liberdade em audiência de custódia na manhã desta quarta-feira e não vai responder a nenhum processo criminal.

A audiência de Novais ocorreu por volta das 11h40, no Fórum Criminal na Barra Funda, na zona oeste. Nela, o Ministério Público Estadual (MP-SP), responsável pela acusação, se manifestou pelo relaxamento do flagrante, mesmo o preso já tendo outras duas passagens por crimes sexuais. Segundo o TJ-SP, a Polícia Civil também não pediu a prisão preventiva do suspeito.

A liberação do ajudante-geral ocorreu porque a Justiça entendeu que não houve estupro (artigo 213, no Código Penal), como a Polícia Civil havia registrado, mas, sim, “importunação ofensiva ao pudor” – classificado como contravenção penal, e não crime. A decisão é assinada pelo juiz José Eugenio do Amaral Souza Neto.

“O crime de estupro tem como núcleo típico constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”, escreveu o juiz. “Na espécie, não entendo que não houve o constrangimento, tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco do ônibus, quando foi surpreendida pela ejaculação do indiciado.”

Para o juiz, o “ato praticado pelo indiciado é bastante grave, já que se masturbou e ejaculou em um ônibus cheio, em cima de uma passageira, que ficou, logicamente, bastante nervosa e traumatizada.” O magistrado também destaca que Novais tem “histórico desse tipo de comportamento”.

Segundo o juiz, ele necessita de “tratamento psiquiátrico e psicológico para evitar a reiteração de condutas como esta, que violam gravemente a dignidade sexual das mulheres, mas, que, penalmente, configuram apenas contravenção penal”.

Novo ataque

Um dia depois do caso, a polícia voltou a ser acionada por uma passageira que relatou ter sido apalpada nos seios por um homem. A Polícia Militar foi ao local e conduziu o homem para registro da ocorrência no 78º Distrito Policial (Jardins). Em nota, a Secretaria da Segurança Pública disse que um homem de 48 anos foi detido por importunação ofensiva ao pudor. “Policiais militares foram acionados e encaminharam o suspeito e a vítima, de 25 anos, para a delegacia para registrar o caso. O autor assinou um Termo Circunstanciado e foi liberado”, acrescentou.

(com Estadão Conteúdo)


ad516503a11cd5ca435acc9bb6523536?s=96&r=G
Após o juiz José Eugenio do Amaral Souza Neto, do Tribunal de Justiça de São Paulo, do Foro Criminal da Barra Funda decidir por não indiciar e soltar o agressor Diego Ferreira de Novais, por não ter observado crime de estupro, houve reação imediata da sociedade.
Diego foi preso nesta terça-feira (29) em flagrante após ter ejaculado em Cíntia Souza, de 23 anos, dentro de um ônibus municipal que fazia a rota Metrô Ana Rosa – Morro Grande. O caso aconteceu na altura da Alameda Joaquim Eugênio de Lima, na Avenida Paulista.
Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, a vítima, Cíntia Souza, declarou não ter tido respaldo da Justiça para o ocorrido e disse, chorando, que está se sentindo um lixo: “absurdo. É um absurdo. Estou me sentindo um lixo. Porque eu não fui constrangida… para a Justiça eu não fui constrangida”.
Cíntia disse ainda que a lei defasada, de 1941, não consegue proteger uma mulher do nosso século e repetiu: “como que não houve constrangimento? Cadê meus direitos como mulher? Só pensaram nele. E eu? Meu psicológico, como é que fica? Eu não entendo”. (Confira abaixo o áudio da vítima)
Também falando à Jovem Pan, a economista Rosângela Pereira, que estava com a vítima dentro do ônibus, disse que ficou revoltada com a decisão.
“O juiz diz que a passageira estava sentada em ônibus cheio. Ele não estava cheio. Não tinham 20 pessoas no ônibus. Ele premeditou tudo, escolheu a vítima e fez o que fez. Se tem uma brecha na lei para livrar cara de bandidos engravatados, com certeza tem brecha na lei para fazer com que esse cara fique preso. O juiz falar que o ônibus estava cheio? Ele tinha qualquer lugar para ficar. Se ele quisesse estaria sentado”, disse a economista.
Segundo Rosângela, o ato foi constrangedor e Cíntia ficou em estado de choque ao saber do resultado: “foi um ato constrangedor. Eu não sei o que pensar, o que dizer, não sei onde vamos parar. Falei com a Cíntia agora. Ela está em estado de choque. Ela não acredita de que tudo que ela passou, um juiz… eu não sei, estou revoltada. Eu vi o que aconteceu, passei horas com essa menina. É revoltante! Eu acho que essa decisão tem que ser revogada. Um juiz que tenha mais consciência do que esse deve tomar alguma decisão, porque isso é um tapa na nossa cara. Isso fica claro que qualquer homem que se aproximar de uma mulher e ejacular nela está tudo certo e não houve violência? É considerado normal? Não dá!”.
Decisão do juiz
Segundo o juiz, a contravenção a qual Diego foi julgado resulta apenas em multa e é impossível a homologação do flagrante. Confira trecho da decisão do juiz:
“O crime de estupro tem como núcleo típico constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso. Na espécie, entendo que não houve o constrangimento, tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco do ônibus cheio, em cima de uma passageira, que ficou, logicamente, bastante nervosa e traumatizada.
Ademais, pelo exame da folha de antecedentes do Indiciado, verifica-se que tem histórico desse tipo de comportamento, necessitando de tratamento psiquiátrico e psicológico para evitar a reiteração de condutas como esta, que violam gravemente a dignidade sexual das mulheres, mas que, penalmente, configuram apenas contravenção penal.
Como essa contravenção é apenas somente com multa, impossível a homologação do flagrante. Ante o exposto, relaxo a prisão em flagrante. Expeça-se alvará de soltura”.
O caso
Cíntia Souza foi vítima de assédio dentro de um ônibus municipal que fazia a rota entre o Metrô Ana Rosa – Morro Grande, enquanto ele circulava pela Avenida Paulista no início da tarde desta terça-feira (29). O ato ocorreu por volta das 12h30 na altura da Alameda Joaquim Eugênio de Lima.
Segundo o cobrador do ônibus, Bruno Vieira Costa, os demais passageiros só notaram o que aconteceu após ouvirem gritos dela pedindo que tirassem o homem de perto. “Eu não reparei se ela estava sonolenta ou dormindo. De repente escutei os gritos. Acho que ela nem se deu conta do que tinha acontecido até a hora que ela viu que o rapaz tinha ejaculado no pescoço dela. A hora que eu vi o espanto dela eu levantei. Ela começou a falar ‘tira ele de perto de mim, tira ele daqui’”, contou com exclusividade à reportagem da Jovem Pan.

Funaro teria confirmado que recebeu dinheiro de Joesley para ficar em silêncio

Funaro teria confirmado que recebeu dinheiro de Joesley para ficar em silêncio:

Funaro teria confirmado que recebeu dinheiro de Joesley para ficar em silêncio
O doleiro Lúcio Funaro  confirmou, em um dos depoimentos da delação premiada, que recebeu dinheiro do empresário Joesley Batista , executivos da JBS, para permanecer em silêncio e não revelar o que sabia sobre corrupção e movimentação ilegal de recursos por parte de influentes políticos do país. As informações são do jornal O Globo .

A declaração de Funaro deve fortalecer ainda mais a denúncia que a Procuradoria-Geral da República (PGR) está preparando para apresentar contra o presidente Michel Temer, a partir das delações de Joesley Batista e outros executivos da JBS.

Leia mais:
O que pode revelar a delação de Lúcio Funaro
Fachin pede que PGR faça ajustes em delação de Funaro
ÁUDIO: ouça a íntegra da gravação do diálogo de Temer e dono da JBS




Funaro é processado pela Justiça Federal em Brasília em três investigações da Polícia Federal (PF) — Greenfield, Sépsis e a Cui Bono — que envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). O empresário também foi citado nas delações da JBS.

Antes mesmo de o acordo ser enviado para homologação do STF , depoimentos de Funaro causaram estragos no meio político. Em 3 de julho, Geddel foi preso preventivamente, suspeito de tentar obstruir investigação que apura irregularidades na liberação de recursos da Caixa Econômica Federal. Acusações de Funaro estavam entre os principais elementos apontados pelo MPF contra Geddel. Segundo o doleiro, Geddel tentava evitar que Cunha e Funaro firmassem acordo de delação. O ex-ministro teria mantido conversas com a esposa de Funaro para garantir que o doleiro continuasse calado. Geddel conseguiu o benefício de prisão domiciliar.

Em outro testemunho, Funaro afirmou que Temer sabia de pagamentos de propina na Petrobras. Esse relato foi utilizado na denúncia por corrupção passiva apresentada pela PGR contra o presidente Michel Temer.

Exclusivo: PF encontra ‘outras conversas’ no gravador de Joesley


Exclusivo: PF encontra ‘outras conversas’ no gravador de Joesley:

O Antagonista apurou que a Polícia Federal encontrou no famoso gravador usado por Joesley Batista mais de 40 horas de conversas que haviam sido descartadas pelo empresário, mas permaneciam na memória do aparelho.

A PF recuperou os áudios e encaminhou o material à PGR, que pediu a Joesley a identificação dos interlocutores, data das conversas e os temas – em caso de suspeita de crime.

Os novos diálogos envolvem um ministro de Temer e um senador do partido da base do governo.

The post Exclusivo: PF encontra ‘outras conversas’ no gravador de Joesley appeared first on O Antagonista.

Mais de 200 promotores e outros oficiais do MP fazem manifesto contundente: 'O Brasil vive uma idolatria de bandidos'

Mais de 200 promotores e outros oficiais do MP fazem manifesto contundente: 'O Brasil vive uma idolatria de bandidos':

promotores-manifesto.png
Imagem: Produção Ilustrativa / Correio do Poder
Procuradores, promotores e advogados preocupados com a impunidade promovida pelo Judiciário brasileiro vêm se mobilizando para exigir um Direito Penal que funcione, protegendo os cidadãos de bem. Após a publicação de um primeiro manifesto, assinado por mais de 300 profissionais do Direito, eles divulgam agora um segundo manifesto, já com mais de 200 assinaturas, denunciando os esforços de políticos e legisladores para manter a situação de impunidade dos criminosos. Segundo o promotor Rodrigo Merli Antunes, que atua no Tribunal do Júri em Guarulhos, o grupo pretende fazer uma série de manifestos denunciando a idolatria a criminosos que reina no Brasil.
Mais informações »


ESPECIAL PARA MULHERADA FURIOSA - Chicletes de Viagra nas Reuniões da ODEBRECHT


Chicletes de Viagra:

Pelo quinto dia consecutivo, a Folha de S. Paulo cita os relatos do doleiro foragido Rodrigo Tacla Duran.

Depois de caluniar Sergio Moro, ele acusou os delatores da Odebrecht de consumirem “chicletes de Viagra antes de certas reuniões”.

Parabéns, Monica Bergamo.

The post Chicletes de Viagra appeared first on O Antagonista.

Escândalo de corrupção que se preze precisa de detalhes picantes para estimular a imaginação dos afetados pelos desmandos do poder. E os escândalos brasileiros estão sempre cheios deles. Quem é mais velho se lembra bem da entrevista que o irmão do ex-presidente Fernando Collor, Pedro Collor, deu à revista Veja sobre a rotina do poder em Brasília. E lá se vão 25 anos da publicação…
Tudo indica que o atual escândalo político, revelado pela operação Lava Jato, ainda pode nos brindar com muitos detalhes picantes. A coluna de Mônica Bergamo na Folha de S. Paulo publica hoje que o advogado Rodrigo Tacla Duran, que trabalhou para a empreiteira Odebrecht entre 2011 e 2016, pretende lançar um livro sobre os bastidores da corrupção na empresa. Segundo ele, os ex-executivos acusados de desviar dinheiro via departamento de propinas tinham o estranho hábito de mascar chicletes de Viagra antes do que a coluna chama de “certas ‘reuniões'”.

Ao libertar traficante, Marco Aurélio Mello faz 'copia e cola' de decisão que soltou o goleiro Bruno

Ao libertar traficante, Marco Aurélio Mello faz 'copia e cola' de decisão que soltou o goleiro Bruno:

marco-aureliocarlos-humberto-sco-stf.jpg
Imagem: Carlos Humberto / STF
Quando o ministro Marco Aurélio Mello mandou soltar, ontem, um traficante preso em flagrante com 211 quilos de cocaína escondidos em um fundo falso, utilizou um mecanismo de "copia e cola" de outras decisões anteriores, como a soltura do goleiro Bruno e, poucos  dias depois, de uma quadrilha inteira de assaltantes de bancos

Mais informações »


A folha corrida da turma de Temer

A folha corrida da turma de Temer:

O Globo fez um resumo do que ocorreu com a turma de Michel Temer desde o impeachment.

Leia aqui:

Michel Temer: Alçado à Presidência, foi citado na delação da JBS e denunciado por corrupção. É investigado em mais um inquérito.

 Aloysio Nunes Ferreira: O ministro das Relações Exteriores responde a um inquérito no STF com base na delação da Odebrecht. Há ainda um inquérito que surgiu como desdobramento da Lava Jato.

 Blairo Maggi: O ministro da Agricultura responde a um inquérito no STF com base na delação da Odebrecht. Também foi citado na delação do ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa.

 Bruno Araújo: O ministro das Cidades responde a um inquérito no STF com base na delação da Odebrecht.

 Eliseu Padilha: O ministro da Casa Civil responde a dois inquéritos no STF com base na delação da Odebrecht.

 Geddel Vieira Lima: Ex-ministro da Secretaria de Governo, saiu do governo em novembro do ano passado, após o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero dizer que foi pressionado por ele para liberar licença de um empreendimento. Em julho deste ano foi preso após acusações de ameaçar o doleiro Lúcio Funaro. Está atualmente em prisão domiciliar.

 Eduardo Cunha: O ex-presidente da Câmara está preso em Curitiba desde outubro do ano passado. Já foi condenado pelo juiz Sérgio Moro.

 Henrique Alves: O ex-ministro do Turismo está preso desde junho deste ano, acusado de receber recursos desviados dos cofres públicos.

 Moreira Franco: O ministro da Secretaria-Geral da Presidência responde a um inquérito no STF com base na delação da Odebrecht.

 Gilberto Kassab: O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações responde a dois inquéritos no STF com base na delação da Odebrecht.

 Helder Barbalho: O ministro da Integração Nacional responde a um inquérito no STF com base na delação da Odebrecht.

 José Serra: O senador e ex-ministro das Relações Exteriores responde a um inquérito no STF com base na delação da Odebrecht, e a outro com base na delação da JBS.

 Marcos Pereira: Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços responde a um inquérito no STF com base na delação da Odebrecht.

 Rocha Loures: Ex-assessor de Temer e ex-deputado, Loures foi denunciado pela PGR, acusado de ser intermediário da propina paga pela JBS a Temer. Responde a outro inquérito ao lado do ex-chefe.

 Romero Jucá: O senador, presidente do PMDB e ex-ministro do Planejamento saiu do governo em maio do ano passado após dizer em gravação que era preciso “estancar a sangria”, em referência à Lava-Jato. Responde a 14 inquéritos no STF, tendo sido citado em algumas delações. Desde a semana passada, a PGR ofereceu três denúncias contra ele.

 Tadeu Filippelli: Ex-assessor de Temer foi citado na delação da Andrade Gutierrez e chegou a ficar preso em maio acusado de desvios em licitações no DF, onde já foi vice-governador.

The post A folha corrida da turma de Temer appeared first on O Antagonista.

Ministro do STF manda soltar homem preso em flagrante com 211,5 quilos de cocaína

Aos poucos, muito aos pouquinhos, o Brasil vai entendendo que enquanto esta gente estiver no STF (e entrando no STF sem critério algum além da vontade política de outros) nós não temos salvação.

Ministro do STF manda soltar homem preso em flagrante com 211,5 quilos de cocaína:

mam.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Uma decisão liminar deferida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello concedeu liberdade a um motorista de 53 anos que havia sido preso em flagrante, na cidade de Rosana (SP), com 211,5 quilos de cocaína em um caminhão. O homem passou 34 dias encarcerado.


Mais informações »


31 de Agosto de 1867: Morre o poeta francês Charles Baudelaire

File:Étienne Carjat, Portrait of Charles Baudelaire, circa 1862.jpg

31 de Agosto de 1867: Morre o poeta francês Charles Baudelaire:

Charles Pierre Baudelaire, poeta e escritor francês, nasceu em Paris a 9 de Abril de 1821 e morreu a 31 de Agosto 1867, nessa mesma cidade. Herdeiro do Romantismo , conseguiu exprimir a tragédia do destino humano e dar uma visão mística do universo. Durante os seus estudos no liceu tornou-se viciado em ópio e haxixe, contraindo ainda doenças venéreas que viriam, mais tarde, a ser a causa da sua morte. O pai era um homem de cultura e um amante de pintura, e levava-o, com apenas quatro ou cinco anos de idade, a apreciar a beleza das formas e das linhas. Pouco tempo depois, em 1827, perdeu o pai. Mas o que mais lhe atormentou a infância foi o facto de a mãe ter casado com o general Aupick, que o enviaria para uma viagem por mar até à Índia, promovida para o fazer esquecer a carreira das Letras. Pelo contrário, regressou cheio de imaginação e determinado a ser poeta. Desenvolveu também uma tendência para um estado de espírito de intensa melancolia e de natureza solitária. Com o capital herdado do pai, viveu como um típico dândi. Em 1844 juntou-se a Jeanne Duval, relação que lhe trouxe muita infelicidade, ao ponto de se sentir tentado a suicidar-se. Mesmo assim, Jeanne foi motivo de inspiração dos poemas eróticos de Charles Baudelaire. Baudelaire torna-se conhecido como crítico de artes plásticas em revistas onde formula a sua conceção daquilo que deve ser a arte moderna. Em 1847 escreve o seu único romance, autobiográfico, La Fanfarlo . Em 1852 descobre a escrita de Edgar Poe e decide traduzi-la. Ocupa-se deste escritor até 1865. Em Poe descobre pela primeira vez alguém com quem se identifica espiritualmente. As traduções e as críticas de arte aumentaram a sua reputação e levaram-no a publicar os primeiros poemas numa revista que era considerada o bastião conservador do Romantismo, o que motivou acusações de obscenidade. Na Primavera de 1857, saíram nove poemas em "La Revue Française" e três em"L'Artiste", e em Junho publica o seu primeiro livro, Les Fleurs du Mal , alvo de um escândalo na época, devido ao erotismo de algumas poesias. Esta obra valeu-lhe um processo judicial por ultraje à moral pública e às boas maneiras. Para pagar as despesas do tribunal colaborou em diversas revistas. Ainda em 1857 escreve Petits Poèmes en Prose . Em 1861 publicou a segunda edição alargada e engrandecida de Les Fleurs du Mal mas omitindo os poemas banidos, publicados na Bélgica. Uma terceira edição viria a ser publicada em 1966. Em 1862 Baudelaire tinha declarado falência e as dificuldades económicas levaram-no ao desespero. Para escapar aos credores fez uma viagem à Bélgica em 1864. Em Fevereiro de 1866, ainda na Bélgica, encontrava-se gravemente doente. Regressou a Paris e viria a falecer nos braços da mãe, em Agosto do ano seguinte. A existência literária de Baudelaire é marcada por dois sonetos: Correspondances e L'Albatros . No primeiro prenuncia o simbolismo e todas as sinestesias do imaginário moderno, descobrindo "misteriosas correspondências". L'Albatros representa a condição terrena do poeta, que não sabe viver nem acomodar-se na sua existência. Em 1868 é publicada a sua obra crítica, Art Romantique . Estes trabalhos de Baudelaire são a fonte da poesia moderna. Os seus escritos representam uma combinação perfeita entre ritmo e música. Foi perseguido por obscenidade e blasfémia e mesmo depois da sua morte continuou a ser identificado pela opinião pública como símbolo de depravação e vício. Rejeitou a posição dos românticos e voltou-se para o seu interior numa poesia introspectiva em busca de Deus, sem uma crença religiosa, procurando em qualquer manifestação da vida, como a cor de uma flor ou o olhar cerrado de uma prostituta, a sua verdade significante. Com Deus e com as pessoas, tem um movimento de atração e rebeldia, uma espécie de ressentimento contra o criador. Baudelaire é um crítico da condição humana do mundo moderno. E moderna, foi a sua recusa em admitir restrições à escolha dos temas para poesia. Escreveu em prosa as obras: Les Paradis Artificiels , Opium e Haschisch ; Petits Poèmes en Prose ; Curiosités Esthétiques ; Art Romantique ; Le Spleen de Paris , entre outras. Dos seus desencontros nasce o tédio infinito, o tema dominante em Le Spleen de Paris , que se torna desejo atormentador de viajar em busca de coisas novas. Chamada pelo amor iludido, surge insistente a imagem da morte, também ela odiada e galanteada como a personificação maior da pequena morte do amor. Teme a morte e deseja-a como a única libertação e o reencontro consigo mesmo. Depois do desaparecimento físico de Charles Baudelaire, as opiniões começaram a mudar e muitos poetas tornaram-se seguidores do movimento simbolista. No século XX tornou-se reconhecido como um grande poeta francês do século XIX, tendo contribuído para revolucionar a sensibilidade e a maneira de pensar da Europa Ocidental.


Charles Baudelaire. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013.


wikipedia (Imagens)


File:Gustave Courbet 033.jpg
Retrato de Charles Baudelaire - Gustave Coubert

File:Fleurs du mal.jpg

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

É MENINO OU MENINA? - BISPO ARNALDO

Lula pede a Moro que desbloqueie sua aposentadoria e poupança e herança de Marisa

Lula pede a Moro que desbloqueie sua aposentadoria e poupança e herança de Marisa:

Lula-chorando.png
Imagem: Reprodução
A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu na noite de terça-feira (29) ao juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na Justiça Federal do Paraná, o desbloqueio de recursos recebidos por meio de aposentadoria e cadernetas de poupança. Em julho, após condenar o ex-presidente no chamado processo do tríplex, o magistrado ordenou o bloqueio e sequestro de bens de Lula até o total de R$ 13,7 milhões como indenização à Petrobras.

THE CHINELÂNDIA HERALD TRIBUNE - 'Partido da favela' pede registro ao Tribunal Superior Eleitoral


'Partido da favela' pede registro ao Tribunal Superior Eleitoral: Celso Athayde, 54, chegou à recepção do escritório de uma agência de publicidade onde teria uma reunião. Negro, foi instruído a ir à sala ao lado –a recepcionista achou que ele estivesse lá para fazer uma entrega. O tema do encontro na agência era justamente a ocupação de espaços de poder por negros, especificamente, no Congresso Nacional.
Leia mais (08/29/2017 - 17h27)



Celso Athayde foi criado para ser borracheiro. Negro e pobre, chegou a morar seis anos embaixo de um viaduto do Rio de Janeiro vendendo balinhas e comendo lixo quando era criança. Numa cidade cheia de portas fechadas, pouco se esperava de alguém educado em becos e vielas sem endereço postal. Mas Celso cresceu e hoje, além de empresário e um respeitado articulador nas comunidades, é um dos protagonistas de um movimento com um potencial gigantesco. No desgastado panorama político do Brasil está nascendo um partido para negros e moradores de favela: o Frente Favela Brasil.
Seus integrantes não buscam revanche, mas exigem participar do processo democrático além dos votos que os candidatos arrancam deles a cada quatro anos. O partido não recusa brancos do asfalto nas suas fileiras, mas quer os negros dos morros na liderança. “A gente não tem que votar para cobrar direitos, a gente tem que votar para ter poder. Queremos debater a política do Brasil sob o olhar de quem assina, não de quem pede ou apenas vota”, reivindica Celso.
O partido nasce disposto a mudar o roteiro num país onde Celso, quando veste terno, é frequentemente confundido com o motorista de um branco. Brasil, onde 54% da população se declara negra ou parda, é comandado apenas por brancos; o Ministério das Cidades calcula que há cerca de 14 milhões de pessoas morando em favelas, mas o poder vive em condomínios fechados com playground; as comunidades movimentam 68,6 bilhões de reais por ano, segundo o Instituto Data Favela, mas seus moradores mal têm acesso a serviços básicos. “Queremos conquistar a igualdade estando presentes, por fim, nas esferas de poder. Os negros já estão na política, só que no cantinho reservado para eles”, diz Celso em referência aos núcleos das legendas tradicionais destinadas aos negros, como o Tucanafro do PSDB.
O Frente Favela Brasil é parte do imaginário de muitos negros há anos, antes de ser oficialmente criado um ano atrás. O próprio Celso levava uma década ruminando a ideia. Mas foi o impeachment da presidenta Dilma Rousseff que levou a militância, finalmente, à ação. Naquela votação, em abril de 2016, o Brasil viu seus 513 representantes declararem seu voto inspirados em Deus, nos corretores de seguros, nas petroleiras, no agronegócio, na família, nas netas, nas sobrinhas, nos maridos, nos torturadores da ditadura... “Ninguém fez uma única defesa da favela e da população negra. Sempre fomos usados eleitoralmente, mas nunca ocupamos espaços de poder. Aqui as pessoas que não tem voz terão prioridade, estarão na linha de frente”, explica Patrícia Alencar, co-presidenta nacional do partido, educadora, candomblecista e moradora do morro do Papagaio, em Belo Horizonte. “Nós não pretendemos inverter a lógica e tirar os não negros do poder, mas, por que, se você tem 513 deputados, não pode ter uma bancada de 100 deputados negros, um número expressivo, para que nossas demandas sejam ouvidas e sejam votadas?”, provoca Celso.
Na sala espelhada de uma academia da Vila Kennedy, uma favela carioca a 45 quilômetros da praia de Ipanema, Celso procura novos militantes e lideranças, "as melhores de cada comunidade". Na plateia, sentados em cadeiras plásticas, há 30 moradores da comunidade cansados de não se sentirem representados. Celso, vestido com um moletom amarelo da seleção, apela a um novo olhar para pensar o país, “não mais o daqueles que se acham carentes, que se acham impotentes, mas aqueles que são potentes”. Os participantes assentem.
Com seu bebê recém nascido no colo, Flávia Ribeiro, advogada de 31 anos, indaga sobre a representatividade da mulher negra no novo partido. “Eu quero escrever minha própria historia. A gente sabe que no Brasil estamos representados por pessoas que não vivem nossa realidade, não sabem das nossas necessidades”, conta ela depois de se tornar uma das lideranças do Rio. “Acho maravilhoso poder trabalhar pela mulher negra da favela, isso vai mudar a vida de muita gente, inclusive a minha”, suspira. “Eu me formei em 2010, passei na OAB com muito custo, mas trabalho como assistente de faturamento, nada a ver com minha profissão. Eu sei que o Brasil está em crise, mas acredito que minha condição de negra periférica tem muito a ver com eu não conseguir emprego na minha área. Gostaria de que todos nós pudéssemos competir de igual para igual”.
No Frente Favela Brasil, 50% dos quadros do partido serão ocupados por mulheres –os 27 diretórios estaduais contam com um presidente no papel, mas na prática a liderança é assumida por uma dupla de homem e mulher. Também aposta pelos jovens e metade dos seus candidatos terão entre 18 e 35 anos. Cabem todos os credos e ideologias, sempre que a raça e o território sejam representados na liderança. O co-presidente nacional, Wanderson Maia, de 28 anos, é cientista político, cristão, homossexual e criado nos subúrbios do Rio: o vice-presidente é um pastor evangélico da favela de Vila Clara, em São Paulo, e a vice-presidenta uma indígena do Pelourinho de Salvador. “Os negros e favelados estão na periferia dos processos políticos e não têm impacto na toma de decisões. É a classe branca e burocrática que legisla no nosso nome. É hora de romper essa barreira”, prevê Maia, o único da sua família a ter ensino superior.
Todos eles trabalham de graça –o partido é formado por voluntários– e quem for eleito, como deputado ou senador, estará obrigado a doar 50% do salário para um fundo dedicado a projetos sociais nas comunidades. “Entendemos que a atividade parlamentar deve ser voluntaria e não profissional”, esclarece Celso. A escolha do candidato presidencial ainda está em discussão, mas não será Celso. Embora tenha se tornado o agitador mais carismático e midiático do movimento, ele não forma parte do partido. Não quer. “Apenas sou um voluntário, uso minha credibilidade para mobilizar as favelas de todo o Brasil”, diz. Fundador, 20 anos atrás, da Central Única das Favelas, com presença em 27 estados e 17 países, Celso é hoje sócio de 21 empresas, de agências de viagens a distribuidoras, com atividades voltadas às comunidades. E ele não quer renunciar à sua conquista. “Vou ajudar o partido em tudo o que precisar, mas acredito que a atividade empresarial não deve ser misturada com a política, podem surgir conflitos de interesses”.
O Frente Favela Brasil aterrissará em Brasília nesta quarta-feira (30) para registrar a legenda no Tribunal Superior Eleitoral. A partir daí, o partido terá dois meses para coletar 487.000 assinaturas e viabilizar sua candidatura nas próximas e imprevisíveis eleições de 2018. Marina Silva, quando quis lançar sua sigla Rede Sustentabilidade para disputar a presidência em 2014, não conseguiu. Celso e seus colegas aspiram a apresentar mais de cinco milhões de assinaturas. “A favela é uma grande potência”, adverte a presidenta nacional.
Num Brasil polarizado, os curiosos, simpatizantes e também detratores procuram saber se a sigla é de esquerda ou de direita. Mas suas lideranças recusam etiquetas que, no final de contas, tampouco as representam. “Se você me obrigar a me posicionar, prefiro dizer que sou de esquerda”, esclarece Celso. “Mas entre esquerda e direita, eu sou preto”, afirma ele, relembrando a célebre frase da filósofa Sueli Carneiro.

Vagabundos Petistas que destruíram a UFRGS - "Estamos pedindo socorro", diz reitor da UFRGS sobre déficit de R$ 20 milhões


Primeiro gastaram TUDO que podiam fazendo "pesquisa com ratos viciados em videogame", fumaram maconha de 2003 até 2016, fecharam o trânsito por causa das lésbicas do Nepal...enfim: DESTRUÍRAM a Universidade Brasileira aparelhando com PT, PSOL e PC do B até os flanelinhas que cuidam dos carros na frente da UFRGS - agora vem se queixar de que "estão sem dinheiro"

"Estamos pedindo socorro", diz reitor da UFRGS sobre déficit de R$ 20 milhões:

Os cortes nos recursos destinados às universidades federais trazem perspectivas preocupantes para os próximos meses. Um levantamento feito pela Globo News aponta cortes de 20% na UFRGS, maior instituição federal do Rio Grande do Sul. Sem recursos, serviços terceirizados e manutenção predial e de equipamentos estão ameaçados. Em entrevista ao Gaúcha Atualidade, o reitor da universidade, Rui Vicente Oppermann, expôs o problema e pediu ajuda:

— Estamos pedindo socorro. Recebemos R$ 7 milhões do governo para compra de livros, equipamentos, manutenção de edificações. Mas com esse valor nem arriscamos a começar alguma coisa.

Leia mais
Governo federal veta prioridade para metas de educação no orçamento de 2018 
Cortes de até 45% afetam pesquisa em universidades federais no RS
Universidades federais amargam com a crise nas finanças públicas


Oppermann também criticou a promessa do ministro da Educação, Mendonça Filho, de oferecer um acréscimo na verba.

— Com o que nós temos, mesmo com a liberação de recursos que estão prometendo de 85%, veja bem, é 85% de um valor já capenga.

Segundo estimativa do reitor, o aperto nas finanças deve resultar em um déficit de R$ 20 milhões até o fim do ano, montante que deve ser levado até 2018. A falta de recursos preocupa o administrador, que afirmou que serviços terceirizados e de manutenção devem ser cada vez mais enxugados.

Por outro lado, ele desmentiu boatos de que o vestibular de 2018 estaria em risco. Oppermann garantiu a realização das provas e as vagas oferecidas até então.

Leia as últimas notícias

Pesquisa sofre com redução da verba

Em um processo de enxugamento que vem desde 2014, a UFRGS já conseguiu reduzir, nos últimos dois anos, R$ 40 milhões dos seus custos. Para o reitor, a acusação de "má administração" das federais feita pelo ministro não é uma realidade.

— Não é verdade que não fazemos esses cuidados. A universidade não é supermercado que vende coisas e tem lucro. Não podemos olhá-la sob a ótica da iniciativa privada.

Uma das alternativas estudadas por Oppermann para custeio de restaurações nos prédios da UFRGS são os fundos patrimoniais. Ele disse que já conversou com a senadora Ana Amélia Lemos, autora de proposta neste sentido, para tratar do assunto. Se aprovada, a universidade passa a gerenciar as doações.

Embora as pesquisas sejam financiadas por valores extra-orçamentários, cortes feitos pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações colocam em risco bolsas de iniciação científica e manutenção de novos projetos.

ANIMAL PETISTA ENTRA EM SURTO PSICÓTICO DURANTE ENTREVISTA

dilma-rousseff-entrevista-folha-2017-786

Dilma, a Alienista.:


"E se Dilma estiver certa e todos os que não entendem coisa nenhuma do que ela diz estiverem errados?". Texto de J. R. Guzzo (Veja.com):


Tente entender alguma coisa do conjunto de frases reproduzido nas linhas que se seguem. Elas foram ditas exatamente como estão no texto abaixo, de uma enfiada só e pela mesma pessoa. Não há nenhum corte, nem mudança de palavras, nem acréscimo. O que se lê é o que foi dito.

Bom, eu estou vendo com, com, é, muita preocupação. Eu acho que o golpe que… um belo dia eles deram o golpe… nós sabemos as razões. E a chamada, é, u, né, o reino da selvageria. A gente tá vendo tudo isso… esse golpe tem desdobramento. Eu acho que um dos desdobramentos desse golpe é u… u… o juiz que vai julgar, de absurdos. Esse processo ele, ele tem também uma pessoa. Eles erraram de pessoa. Tem um erro de pessoa. Porque eles foram mexer com uma pessoa porque não lhes dão, não lhes dá a justiça do Power Point, ele, ele… o inocente.

Sim, a autora dessa oração é ela mesma, Dilma Rousseff, numa espécie de reunião-entrevista em torno do ex-presidente Lula, divulgada há pouco pela internet. A primeira reação é: e daí? Nada disso faz nenhum nexo, é claro, mas que importância pode ter mais esse angu de palavras, ruídos e nenhuma ideia? É só a Dilma falando de novo. Alguma vez foi diferente do que é agora? Não, mas a cada vez que ela aparece com uma performance do tipo transcrito acima, vai dando uma aflição cada vez maior na gente. Basta pensar dois minutos. Durante cinco anos e meio, para não falar no que já vinha de antes, o Brasil viveu a ficção de que era presidido por uma pessoa basicamente normal. Meio atrapalhada, é óbvio, esquisitona, com uns apagões repentinos no caminho que vai dos circuitos cerebrais até a voz. Às vezes parecia engraçada – não seria um número humorístico? Na maioria das vezes, quando falava em estoques de vento ou na conjugação da mandioca com o milho, a reação de quem ouvia era: “Travou. Surtou. Descolou da nave-mãe”. Mas fazia-se de conta, o tempo todo, que estava tudo bem.

Se isso é um comportamento normal por parte de uma presidente da República, então alguma coisa está profundamente errada com quem acha que não é. Dá o que pensar. E se Dilma estiver certa e todos os que não entendem coisa nenhuma do que ela diz estiverem errados? De quem é o desvario? O caso lembra a situação do dr. Simão Bacamarte, o herói de “O Alienista” de Machado de Assis. O bom doutor, como se sabe, acaba por colocar no hospício a população inteira de Itaguaí, por ter chegado à conclusão que todo mundo tinha ficado louco – exceto ele próprio, o único apto a viver solto. Estamos todos loucos e só Dilma está certa? Tudo é possível. Sempre vale a pena lembrar, em todo caso, que no fim da história o dr. Simão acaba aceitando a lógica das coisas e muda de ideia: manda soltar todo mundo, prende a si mesmo e passa a ser o único morador do hospício.

THE CHINELÂNDIA HERALD TRIBUNE - Polícia prende traficante de ‘A Força do Querer’ durante gravação

Polícia prende traficante de ‘A Força do Querer’ durante gravação:

A Polícia Civil do Rio prendeu, na noite de terça-feira (5), um figurante da novela da Globo ‘A Força do Querer’ durante gravações da emissora em uma favela da zona sul carioca. Luís Fernando Ferreira dos Santos fazia o papel de traficante de drogas em uma boca-fumo fictícia na trama de Glória Perez. Na vida real, ele é suspeito de participar de crimes de roubo de carga no estado.

Luís Fernando tinha dois mandados de prisão contra ele e não resistiu à abordagem dos policias. Ele foi detido depois que agentes da Operação Tempo Zero, que investiga o roubo de carros e de cargas no estado do Rio, o identificaram como possível autor dos crimes.



Anexos originais:


Doentes Mentais fazem "espetáculo" Representando Nosso Senhor Jesus Cristo como TRANSEXUAL

Jesus é representado como transexual em espetáculo do Cena Contemporânea

Peça reconta histórias bíblicas sob olhar inusitado e fala de amor e perdão por meio de Cristo

 
    

 postado em 28/08/2017 07:00 / atualizado em 28/08/2017 16:12
Ligia Jardim/Divulgação

Com mais de 80 obras no currículo, entre originais e adaptações, a dramaturga Jo Clifford, do Reino Unido, iniciou em 1992 a escrita de espetáculos que contestassem a forma como muitos cristãos tradicionais usam a fé para justificar o preconceito. Dois textos vieram antes do polêmico O evangelho segundo Jesus, rainha do céu, que estreia nesta segunda a versão brasileira no Cena Contemporânea.
 
O monólogo foi ao palco pela primeira vez em 2009 e leva ao público o seguinte questionamento: o que aconteceria se Jesus voltasse à Terra como uma mulher trans? A ideia é deixar um convite aberto para que cada espectador pense em um mundo mais tolerante, justo e igualitário.

Na primeira estreia, a peça atraiu centenas de manifestantes para as ruas fora do teatro, além de uma enxurrada de críticas na internet. Grande parte dos ataques veio de quem nem ao menos tinha visto o espetáculo. “Fui zombada por toda a imprensa popular na época. Mas ao longo dos anos as coisas mudaram. Fui convidada a realizar a peça até em igrejas e a resposta das pessoas foi muito positiva”, afirma a autora.

Para Jo, uma artista trans, o teatro firma seu poder de conscientização e abre uma importante porta para falar a respeito do preconceito e representatividade. “A grande vantagem do teatro é que o público compartilha o mesmo espaço físico enquanto contamos nossa história. Essa é uma das armas mais poderosas que existem contra a discriminação.”

Para a dramaturga, a descoberta de sua nova e verdadeira identidade possibilitou um renascimento e uma vivência de amor e respeito ao próprio corpo. Por meio do texto, que reconta histórias bíblicas reconhecidas sob essa perspectiva, Jo busca mostrar que Jesus nunca teria apoiado o preconceito contra pessoas trans.

A versão brasileira, produzida em São Paulo, é dirigida por Natalia Mallo, com a atriz transexual Renata Carvalho no papel de Jesus. O processo de montagem da peça brasileira durou um ano, com preparação corporal, aulas de voz a um minucioso trabalho para descobrir a versão nacional da personagem, com a identidade e vivência da pessoa trans no Brasil.

Para Renata Carvalho, é fundamental a importância de um espetáculo com a temática trans e mais importante ainda que uma intérprete trans suba ao palco, colocando em cena a representatividade que o grupo tanto busca no cotidiano. “Nós lutamos para que pessoas trans estejam no palco, assim como em demais espaços do dia a dia. Nós ainda somos marginalizadas e queremos essa presença para que nossos corpos sejam normalizados. Muitas vezes, não vemos nossos corpos sendo humanizados, apenas sexualizados”, afirma Renata. Para ela, a presença em todos os espaços cria a possibilidade de que esses corpos e identidade se normalizem como presença normal e cotidiana.

O espetáculo, tão envolto em polêmicas, despertou reações de ódio apressadas, de quem não teve contato com o texto para entender que ele fala de tolerância, perdão e amor ao próximo.  “O teatro tem um poder muito forte de transformar. Acredito que esse espetáculo, aliado a outras ações, pode ajudar a diminuir a transfobia. A arte mudou minha vida nesse sentido e me deu a oportunidade de debater e falar cada vez mais com todas as pessoas sobre o tema”, destaca a atriz.

Para Renata, o preconceito se forma pela falta de informação, tornando ainda mais importante a apresentação do espetáculo e a expansão do debate em diferentes camadas sociais. Fieis à obra original Natalia Mallo e Renata incluíram músicas, trejeitos e um linguajar brasileiro para personificar a nova versão. Em cena, o foco, a voz e protagonismo são da mulher trans, que busca normalizar sua presença por meio do diálogo e convivência. “Muita gente só nos enxerga como travesti, acreditam que não somos artistas. Essa representatividade ainda está muito no início mas tem crescido aos poucos”, afirma a atriz, que é também uma das criadores do manifesto da representatividade trans.

Centenas de pessoas trans morrem diariamente no Brasil, o país que mais mata travestis e transexuais no mundo. Em 2016, foram 127 casos, um a cada 3 dias. A expectativa de vida é de 35 anos, menos da metade da média nacional. Aos 36 anos, Renata Carvalho leva para o palco muitas das violências que já sofreu e lembra: a questão é urgente e precisa ser mostrada, dialogada e normalizada agora.

Cena Contemporânea
De 22 de agosto a 3 de setembro. O evangelho segundo Jesus, rainha do céu(SP):Segunda (28), na Caixa Cultural, às 21h; Terça (29), no Teatro Sesc Taguatinga Paulo Autran, às 20h; Teatro Sesc Ceilândia Newton Rossi, às 20h; Teatro Sesc Gama Paulo Gracindo, às 20h.

Outros espetáculos da segunda: Maratona em NY (Colômbia), no Teatro Sesc Garagem, às 19h. Tsunami (DF), no Teatro Sesc Taguatinga Paulo Autran, às 20h. Duas gotas de lágrimas num frasco de perfume, no Teatro Funarte Plínio Marcos, às 21h.