"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Moro defende prisões preventivas na sentença em que condena Palocci a 12 anos de prisão

Moro defende prisões preventivas na sentença em que condena Palocci a 12 anos de prisão:



242013-high.jpeg
Imagem: Marcelo Camargo / Folhapress
Na sentença em que condenou o ex-ministro Antonio Palocci a 12 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, defendeu as prisões preventivas no âmbito da Operação Lava Jato. Foi uma resposta do magistrado aos críticos dessas medidas judiciais, incluindo o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). “Aos críticos de supostos excessos das prisões preventivas, é oportuno ressaltar esse aspecto, que foram elas, circunstanciadamente empregadas, que interromperam, como admitem os próprios criminosos, os pagamentos de propinas acertadas em esquemas criminosos da Petrobras, da Sete Brasil e igualmente da conta-corrente geral de propinas entre o Grupo Odebrecht e Antonio Palocci Filho”, afirma Moro.


Mais informações »


Moro determina que Palocci continue preso durante julgamento do recurso

Moro determina que Palocci continue preso durante julgamento do recurso:



Pol%25C3%25ADcia-Federal-prende-ex-minis
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Na sentença que condenou Antonio Palocci a 12 anos e 2 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, o juiz Sérgio Moro determinou também que o ex-ministro permaneça preso, sem possibilidade de recorrer em liberdade. Moro reforçou a posição de poder que Palocci tinha no esquema de corrupção e a possibilidade de intimidar outros integrantes do esquema criminoso. 
Mais informações »


URGENTE: PRIMEIRO MÉDICO PETISTA, PALOCCI, CONDENADO A 12 ANOS DE PRISÃO



ANTAGONISTA

URGENTE: PALOCCI CONDENADO A 12 ANOS DE PRISÃO:


O juiz Sergio Moro condenou Antonio Palocci a 12 anos e 2 meses de prisão por ter recebido propina da Odebrecht. Os crimes são de corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Agora ele já pode sentenciar Lula.

domingo, 25 de junho de 2017

Lula conta os dias de liberdade


Lula conta os dias de liberdade


FERNANDO BIZERRA JR

Começou a contagem regressiva da primeira de uma série de condenações do “comandante supremo”, o desbragado faroleiro petista Lula, grande “chefe da quadrilha”, conforme denúncia dos procuradores federais. Na prática, ao pé da letra da lei, a corrupção do ex-presidente está fartamente evidenciada por provas documentais e testemunhais. Nem é necessário verificar a propriedade em seu nome do referido tríplex, alvo do processo em análise.
A simples e elementar demonstração de benfeitorias e modificações feitas no imóvel a seu pedido ou de sua família, como gratidão por préstimos, conforme relato dos empresários corruptores, já configuraria o crime. O empreiteiro Leo Pinheiro reiterou. Os fornecedores da obra idem. Os papéis de opção da compra rasurados foram parar na sua casa. Mas Lula seguiu fazendo cara de paisagem. Atribuiu à falecida esposa Marisa a explicação necessária pelo toma-lá-dá-cá. Nem corou de vergonha. Em compensação, soou banal e risível a desculpa com ares de lorota dos representantes legais de Lula, tentando imputar à Caixa Econômica a posse do comprometedor tríplex.
Alternativa logo desmentida pela instituição. Pouco importa! Não cabem mais tantas baboseiras e absurdos lançados pelo esquadrão do ex-presidente numa única ação com o objetivo de procrastinar, a qualquer custo, a sentença inevitável. Seguem na lista interminável de vantagens angariadas por Lula não apenas o apê, como o sítio, a remuneração milionária por palestras, a compra de terreno, a ajuda a parentes, a estocagem de bens, os desvios e caixa dois para campanhas eleitorais e um sem-número de delitos ainda não julgados.
Réu em cinco processos, o cacique do PT ainda arrota soberba. Diz que só ele e seu partido podem ensinar a como combater a corrupção. Distribui ditirambos. Tripudia de autoridades: “Se eles não me prenderem logo, eu é que vou prender eles”. E dá “lições” de indignação reclamando que “a desgraça tomou conta do País” desde que o PT deixou o poder. Um mestre do embuste, fanfarrão em decadência, hoje ele é levado a sério apenas por seguidores fanatizados que na sua fé cega exercitam a negação da bandidagem praticada sob as próprias fuças. Lula se regozija.
A recente mudança de foco e ataques para Temer, dada através da delação do empresário encalacrado Joesley Batista, serviu sob medida para proteger, ao menos temporariamente, o verdadeiro capo di tutti capi. A colaboração prestimosa do dono da Friboi virou piada corrente. Como “Dom” Lula, que comandou por 13 anos os desígnios nefastos do País teria perdido o trono de malversações para o infante mandatário Temer com menos de um ano de poder? Só nas mirabolantes e mal intencionadas versões de Joesley isso seria possível.
A conveniente transferência de status atende ao intento de obliterar investigações, especialmente sobre o BNDES que generosamente, nos tempos de Lula e Dilma, incensou a fulgurante trajetória do grupo dos irmãos Batista, entrando inclusive como sócio nas empreitadas. Os comparsas se protegem e atacam. Criaram uma grande pantomima para escamotear os acertos de coxia e desfiam mentiras que não param em pé.
Joesley informa apenas dois encontros com o cacique do PT. Lhe atribui menções vagas, como a da responsabilidade por institucionalizar a corrupção. Mas não lhe confere qualquer conversa “não republicana”. A condução oportunista de seus relatos é constrangedora. Lula, salvaguardado, tenta reacender o mito do herói dos pobres, ungido por desígnios sagrados, acima do bem e do mal – e de qualquer imputação de penas por erros que eventualmente tenha cometido. Tarde demais. Ele já está no patíbulo à mercê dos julgadores. Deverá, no mínimo, ficar inelegível pela Lei da Ficha Limpa. Ou mofar na cadeia. (REVISTA ISTOÉ)

"JANDIRÃO CAMISA 2" SAI EM DEFESA DO COLEGA "FÁBIO DETENÇÃO" QUE FOI PRESO EM PERNAMBUCO

25 de Junho de 1857: Sai a primeira edição de "As Flores do Mal", de Charles Baudelaire


Baudelaire_1844.jpg


Baudelaire em 1844 - Emile Deroy 

25 de Junho de 1857: Sai a primeira edição de "As Flores do Mal", de Charles Baudelaire:

É colocada à venda em 25 de Junho de 1857, a colectânea de poesia  As Flores do Mal (Les Fleurs du mal) do genial poeta Charles Baudelaire. As Flores... foram julgadas indecentes e valeram um processo ao seu autor por “ofensa à moral pública, à moral religiosa e aos bons costumes”.  Baudelaire foi condenado em Agosto de 1857 a retirar da obra seis dos seus poemas e a pagar, 300 francos e a editora, 100, de multa. O mal foi irreparável. Concebida não como uma sequência aleatória e sim como um todo, a obra ficou desnaturada pela decisão da justiça. Baudelaire, com a morte na alma, suprime as passagens incriminadas, reposiciona o restante e reescreve os poemas a fim de recompor os liames ao conjunto. A organização original  perdeu-se para sempre.  


A obra As Flores do Mal, considerada o marco da poesia moderna, foi criada por Baudelaire com versos rigorosamente metrificados e rimados, que prefiguraram o Parnasianismo. Baudelaire tratou de temas e assuntos que vão do sublime ao escabroso, investindo liricamente contra as convenções morais que permeavam a sociedade francesa dos meados do século XIX. As Flores do Mal reúnem de modo exemplar uma série de motivos: a expulsão do paraíso; o amor; a morte; o tempo; o exílio e o tédio. Os poemas desta obra retratam como ninguém as mazelas do espírito humano. 

Nem mesmo as suas dilacerantes contradições e dramas íntimos, alternando orações a Deus e ao diabo, transformando a sua vida numa prodigiosa confusão entre amor sublime e degradação, dissipação e trabalho intelectual, tudo isso agravado pela doença que o corroía, não o impediram de ser consistente. A propósito comentava outro grande poeta, Paul Valéry: “As Flores do Mal não contêm poemas nem lendas nem nada que tenha a ver com uma forma narrativa. Não há nelas nenhum discurso filosófico. A política está ausente por completo. As descrições, escassas, são sempre densas de significado. Mas no livro tudo é fascinação, música, sensualidade abstracta e poderosa.” 


Além de precursor de todos os grandes poetas simbolistas, Baudelaire é considerado pela maior parte dos críticos como o mais provável fundador da poesia moderna. Isto deve-se ao facto de que valendo-se da percepção do real, chegava sempre a um objectivo para o sentimento que desejava expressar. 

Desta forma, a sua poesia tendeu para a expressão de imagens quotidianas, a visão do autor, tendo o poeta sido quem melhor intuiu a mudança radical provocada pelas metrópoles sobre a sensibilidade. Era, como os modernistas que lhe sucederam, um realista que detestava a simples reprodução do mundo em poemas e pinturas. Respondendo à pergunta, por ele mesmo formulada, sobre o que seria uma arte pura, concluiu: “É criar uma magia sugestiva, contendo a um só tempo o objecto e o sujeito, o mundo exterior ao artista e o próprio artista.” É por meio dos sentidos que Baudelaire apreende a realidade concreta. A mesma maneira de encarar a arte que o torna um precursor dos poetas do fim do século XIX e o faz ser considerado o pai da poesia moderna. 
Morreu de sífilis em Paris em 31 de Agosto de 1867, aos 46 anos. Está sepultado no cemitério de Montparnasse. 
Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)

640px-Fleurs_du_mal.jpg
Primeira edição de Les fleurs du mal com anotações do autor

25 de Junho de 1903: Nasce o escritor inglês George Orwell, autor de "O Triunfo dos Porcos"

george-orwell1.jpg


George Orwell. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. 


25 de Junho de 1903: Nasce o escritor inglês George Orwell, autor de "O Triunfo dos Porcos":

Escritor inglês, de nome verdadeiro Eric Blair, nascido a 25 de junho de 1903, em Bengala, Índia, e falecido a 21 de janeiro de 1950, em Londres. Convencendo-se de que o imperialismo era uma ilusão, foi para Inglaterra, após ter feito parte da polícia imperial na Birmânia. Aproximando-se, mais tarde, do socialismo, acabou por abordar os problemas sociais com franqueza e precisão. Desde o início, os seus romances basearam-se nas suas experiências pessoais. Da sua vasta obra, destacam-se Burmese Days (1934), The Clergyman's Daughter (1934), Keep the Aspidistra Flying (1936), The Road to Wigan Pier (1937), Animal Farm  (O Triunfo dos Porcos) e Mil Novecentos e Oitenta e Quatro.

O Triunfo dos Porcos
Romance de George Orwell, cujo título original é Animal Farm,
publicado em 1945. A história relata a revolução dos animais da
quinta Manor, propriedade do senhor Jones. 


O Velho Major, o mais respeitado porco, reúne, durante a noite, todos os animais da quinta e conta-lhes um sonho que tivera - a sua morte estava para breve e compreendia, então, o valor da vida. Explica logo aos companheiros que devem a sua miserável existência à tirania dos homens que, preguiçosos e incompetentes, usufruem do trabalho dos animais, vítimas de uma exploração prepotente. O Velho Major incita o grupo não só à rebelião, para derrotar o inimigo, como também a entoar o cântico de revolta "Animais de Inglaterra". 


Três dias depois, morre o Velho Major. Mas a revolução prossegue, com novos líderes - os porcos Snowball, Napoleão e Squealer, que criam o Animalismo, como sistema doutrinário, com "Os Sete Mandamentos". Expulsam o dono da quinta e mudam o nome da propriedade para "Quinta dos Animais". Dada a estupidez e a limitação de alguns, que não conseguem decorar os "Mandamentos", Snowball reduziu-os a uma máxima: "Quatro pernas, bom; duas pernas, mau".




O regime do Animalismo começa logo de forma vigorosa, com todos os animais a trabalharem, de forma a fazerem progredir a quinta – a auto-gestão estimulava o orgulho animal. Snowball cria uma lista de comissões para conceber programas de desenvolvimento social, educação e formação. 


Com o passar do tempo, os porcos tornam-se corruptos pelo poder. Instala-se então uma nova tirania, sob o comando de Napoleão, que passa a impor um novo princípio: "Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros". 


Numa demonstração do seu sucesso político-social, os porcos convidam, para um jantar, os donos das propriedades vizinhas, a fim de que estes se apercebam da eficiência da "Quinta dos Animais". E são felicitados pelo sucesso do seu regime. Nessa altura, o cavalo Clover constata, horrorizado, que já não é possível distinguir a cara dos porcos da dos homens.


Orwell, através desta fábula, pretende não só demonstrar como o idealismo foi traído pelo desejo de poder e pela corrupção e mentira, como também condenar o totalitarismo, a Revolução Russa de 1917 e a Rússia de Stalin. 


Em 1955, a obra foi adaptada para filme animado, com título homónimo.


"Se a liberdade significa alguma coisa, será sobretudo o direito de dizer às outras pessoas o que elas não querem ouvir." 
George Orwell

sábado, 24 de junho de 2017

“Plano de fuga volta a ser cogitado caso Sérgio Moro condene Lula” diz jornalista


“Plano de fuga volta a ser cogitado caso Sérgio Moro condene Lula” diz jornalista:

Com grandes chances de ser condenado por Sérgio Moro nos próximos dias, a cúpula do PT já está traçando um plano para tirar Lula do país

Os petistas classificam essa estratégia como uma espécie de “retiro sabático”.
“Período sabático” é um termo que provém do vocabulário hebraico e significa “repouso” […] tempo para relaxar fazendo atividades que proporcionem prazer.
Um fonte ligada diretamente à alta administração do Partido dos Trabalhadores confirmou o plano, porém negou veementemente que seja uma ‘fuga’ da justiça.
Países que estão sendo cogitados
O Uruguai, por exemplo, já teria se disponibilizado a oferecer asilo ao ex-presidente […] tudo em caráter reservado.
Sabe-se que o filho prodígio de Lula, Luiz Cláudio, réu na Operação Zelotes, está no Uruguai (pasmem) sob proteção do governo.
Outras opções para o “retiro espiritual” de Lula seriam: Bolívia, Venezuela, Equador e Nicarágua.
A Itália [país em que o petista tem cidadania]  foi descartada dos planos.
Em 2016, o jornal Il Giornale publicou uma matéria sobre o assunto e os moradores do país rechaçaram a possibilidade de ‘asilar’ o político. (leia mais aqui…)
Há também, por parte dos petistas, um cuidado extremo para que o país anfitrião não se curve perante futuros pedidos de extradição por parte da Justiça brasileira.

(a informação é do jornalista Cláudio Humberto, do Diário do Poder)

Petistas discutem se Lula deve fugir do País

Petistas discutem se Lula deve fugir do País:



lula_mojica.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A iminente sentença do juiz Sérgio Moro, numa das ações em que Lula é acusado de corrupção, levou próceres petistas a retomarem a discussão sobre alternativas de fuga do País. Fonte ligada à cúpula do PT confirmou as discussões, mas nega ser uma “fuga”, e sim “período sabático” em outro país. Uma das opções do ex-presidente seria o Uruguai, cujo governo lhe teria oferecido asilo, em caráter reservado. 
Mais informações »


INTERVENÇÃO MILITAR ATÉ A ELEIÇÃO DE 2018


Deixe seus comentários abaixo 

Presidente da Eletrobras rasga o verbo: “40 % dos caras que estão aqui são inúteis”



Presidente da Eletrobras rasga o verbo: “40 % dos caras que estão aqui são inúteis”:

A verdade às vezes dói … e foi o que aconteceu nesse caso

Wilson Ferreira Jr, presidente da Eletrobras, foi flagrado em uma gravação onde disse que parte dos empregados da estatal são ‘vagabundos’
“40 % dos caras que estão aqui são inúteis, não servem para nada […] ganha gratificação, telefone, vaga na garagem, secretária, enfim, a sociedade não pode pagar por vagabundo no serviço publico”, disse.
O sindicato não gostou das declarações e declarou guerra a contra declaração de Ferreira […] eles farão uma paralisação a partir de amanhã.



Trabalhadores irão à Justiça contra presidente da Eletrobras



Trabalhadores irão à Justiça contra presidente da Eletrobras:

A Associação dos Empregados da Eletrobras (AEEL) vai recorrer ao Judiciário e à Comissão de Ética Pública após recentes declarações do presidente da companhia, Wilson Ferreira Junior. O executivo chaou de “vagabundos” e “safados” gerentes da estatal em áudios divulgados com exclusividade pelo Broadcast. “A AEEL e sindicatos desconhecem a existência, no corpo funcional na Eletrobras, de empregados vagabundos, safados ou inúteis, que ganham entre R$ 30 mil e R$ 40 mil, como exposto pelo presidente da Eletrobras”, diz a entidade em nota.
A associação destaca que somente gerentes possuem como benefício garagem, secretária e celular corporativo e que as indicações gerenciais passam pela aprovação formal do presidente e diretores. No áudio, o executivo diz que “40% de cara inútil não serve para nada, ganhando uma gratificação, um telefone, uma vaga de garagem, uma secretária”.
A AEEL informa que em dezembro de 2016 a empresa implantou um processo de reestruturação organizacional, permanecendo apenas cerca de 100 posições gerenciais. “Sendo assim, cabe ao presidente Wilson Pinto Jr identificar e divulgar internamente, dentre os 100 gerentes nomeados por ele, quais se enquadram nos termos utilizados pelo mesmo (vagabundos, safados ou inúteis)”, diz a nota.
A associação pede ainda que sejam esclarecidos os motivos pelos quais as supostas irregularidades apontadas pelo presidente “em jornais e seminários externos nunca foram corrigidas por ele, conforme previsto em norma”. “Se ao longo de um ano de sua gestão nem os gerentes nem a diretoria tomou nenhuma providência, teria ela se omitido, perdoado ou seria conivente com tais malfeitos?”, indaga a entidade.
A associação diz que na gestão de Ferreira Junior tudo se faz por inexigibilidade ou dispensa de licitação, “como pode ser comprovado pelo estratosférico crescimento dessa modalidade de contratação na empresa”.
A entidade aponta que os problemas da estatal decorrem principalmente da ineficiência de sua alta gestão, “que sequer consegue fazer coisas básicas e esperadas de qualquer gestor mediano, como, por exemplo, ter credibilidade para comandar seu corpo gerencial”.
“Ao não conseguir o que quer, o mesmo vai à imprensa se queixar de sua própria ineficiência, porém jogando para a plateia tentando manipular a sociedade de que a culpa é dos empregados, gerentes e da instituição”, critica a AEEL.
A entidade declara ainda que o presidente “não se sente parte” da Eletrobras e cita mais a CPFL em sua fala do que a empresa atual. Ele foi presidente da CPFL Energia entre 2002 e 2016.
“Possivelmente sequer conhece a nossa empresa e a grandiosidade de suas usinas, linhas de transmissão, subestações e demais instalações. Ao invés de viajar para Portugal para receber um prêmio sobre gestão ética, deveria rodar o Brasil e conhecer a nossa imensa malha elétrica, construída, operada e mantida pelos trabalhadores da Eletrobras, espinha dorsal do setor elétrico brasileiro. Ou então voltar para sua tão querida empresa chinesa, a CPFL”, diz a nota.
A conversa do presidente da Eletrobras com sindicalistas gerou mal-estar na empresa, a ponto de o executivo se ver obrigado a gravar uma fala na televisão interna pedindo desculpa pela “veemência” com que se referiu ao que considera “privilégios” na estatal.

The post Trabalhadores irão à Justiça contra presidente da Eletrobras appeared first on ISTOÉ Independente.

Promotor faz desabafo contundente após criminoso solto várias vezes pelo Estado matar policial e viraliza na web

Promotor faz desabafo contundente após criminoso solto várias vezes pelo Estado matar policial e viraliza na web:



promotor-desabafo.png
Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O promotor Eugênio Paes Amorim, em sua página de Facebook, publicou um extenso desabafo sobre os efeitos do desencarceramento e da inação das autoridades em relação a criminosos. O promotor listou os crimes pelos quais um bandido foi seguidamente preso e processado, enfatizando que, em cada ocasião, nada foi feito. O último resultado da sequência de omissões foi o assassinato de um policial. 
Mais informações »


Ator Fábio Assunção é preso por desacato em PE

Ator Fábio Assunção é preso por desacato em PE:



fabio-assuncao-20170624-0003.jpg
Imagem:  Reprodução / Veja
O ator global Fábio Assunção foi preso neste sábado (24) de São João por desacato a autoridade no município de Arcoverde, Sertão de Pernambuco. Assunção estava na cidade para divulgar o documentário "Eu sonho para você ver" que fez em parceria com a namorada Pally Siqueira, que é natural de Arcoverde.
Mais informações »


Ator global é preso por desacato. Ele estava alterado e quebrou a viatura da PM


Ator global é preso por desacato. Ele estava alterado e quebrou a viatura da PM:

O global Fábio Assunção foi preso por desacato. O caso aconteceu na cidade de Arcoverde, Pernambuco
Em um vídeo divulgado nas redes sociais, Fábio aparece gritando no porta-malas de um carro da PM.
Testemunhas informaram que ele estava totalmente alterado  e começou a discutir com moradores, que o acusaram de “destruir a festa de São João” da cidade.
De acordo com informações da delegacia local,  a PM foi acionada porque o ator estava descontrolado e causando desordem na rua durante a madrugada.
“A polícia chegou e tentou dialogar, mas ele desacatou as autoridades e teve que ser detido. Ele foi colocado na viatura e ainda quebrou o vidro traseiro com o braço” disse um servidor público que preferiu não se identificar.









CRM RORAIMA - DESAGRAVO PÚBLICO AO MÉDICO SAMUEL VICTOR VENEGAS


VAGABUNDO PETISTA "LULA" DEVERÁ PEGAR 22 ANOS DE CADEIA, DIZ REVISTA

22 anos de cadeia para Lula


Lula vai pegar até 22 anos de cadeia no caso do triplex – 10 anos por lavagem de dinheiro e 12 por corrupção passiva.
Pelo menos foi o que apurou a revista IstoÉ junto a integrantes da Lava Jato.
"No cronograma de Sérgio Moro só uma etapa o separa do anúncio da condenação de Lula: a definição da pena a ser aplicada ao ex-ministro Antonio Palocci, hoje preso."

Carta ao leitor: A corrupção e a democracia



Carta ao leitor: A corrupção e a democracia:

Agora, a Lava-Jato faz mal à democracia. Sim, a mais recente onda de ataques à maior investigação de corrupção na história do Brasil agora desfila o argumento de que estamos fazendo mal ao regime democrático. Não é exatamente recente, mas o coro engrossou.

Na semana passada, o atual ministro da Justiça do presidente Michel Temer, Torquato Jardim, em entrevista ao jornal Valor Econômico, disse que a Lava-Jato é uma amea­ça à democracia, na medida em que está “desfazendo a classe política”. Também na semana passada, Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, a voz mais insistente contra o que considera abusos da Lava-­Jato, afirmou em palestra no Recife que o país precisa evitar o risco de “despencar para um modelo de Estado policial”. Disse Mendes: “Expandiu-se demais a investigação, além dos limites”.

E chegou a ser aplaudido.

O que Torquato Jardim e Gilmar Mendes denunciam hoje, o PT e os petistas denunciavam ontem. Em outubro do ano passado, quando já era ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, Eugênio Aragão deu entrevista em que dizia que a Lava-Jato “faz mal à democracia brasileira” porque os poderes vinham sendo exercidos “sem limites” — o mesmo problema dos “limites” de Gilmar Mendes. Em março deste ano, o PT promoveu um seminário para discutir o impacto da Lava-Jato e concluiu, entre outras coisas, que a operação era uma ameaça à democracia, pois enxergava nas investigações uma escalada de um Estado autoritário e de exceção.

É forçoso notar que há uma sintonia, mas também há uma diferença. As autoridades que hoje denunciam os males que a Lava-Jato causa à democracia brasileira acompanham uma mudança da própria operação. Antes, concentrada em Curitiba nas mãos do juiz Sergio Moro, a Lava-Jato tinha como alvos preferenciais assessores de segundo escalão e políticos sem foro privilegiado. Agora, conforme se transfere para Brasília, porque a operação passou a mirar em autoridades ainda no exercício do cargo e, portanto, beneficiárias do foro privilegiado, os protestos permanecem iguais — mas mudam seus autores.

Só isso já mostra o oportunismo das críticas, mas mostra algo mais: é também um equívoco monumental. O combate à corrupção não fere a democracia. É o contrário: a democracia, associada à liberdade de imprensa, é o elemento que permite e viabiliza o combate à corrupção — o qual, num círculo virtuoso, fortalece o próprio regime democrático.

Nesse sentido, a voz que não mudou de lado continua sendo a do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Na semana passada, diante do bombardeio de críticas à Lava-Ja­to e das insinuações de agressões à democracia, Janot disse o seguinte: “Basta de hipocrisia. Não há mais espaço para a apatia. Ou caminhamos juntos contra essa vilania que abastarda a política ou estaremos condenados a uma eterna cidadania de segunda classe, servil e impotente contra aqueles que deveriam nos representar com lealdade”.

VEJA assina embaixo.

Compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

24 de Junho de 1812: Napoleão Bonaparte inicia a invasão da Rússia

Napoleons_retreat_from_moscow.jpg
A retirada de Napoleão de Moscovo - Adolph Northen 

24 de Junho de 1812: Napoleão Bonaparte inicia a invasão da Rússia:

No dia 24 de Junho de 1812, o chamado "Grande Exército" do imperador Napoleão I atravessou o rio Niemen e forçou as fronteiras do império do czar Alexandre I. As tropas napoleónicas, reforçadas por cerca de 700 mil combatentes, penetraram sem dificuldades no interior da Rússia até Moscovo. Contudo, diante da resistência moscovita e da recusa da Rússia em negociar, Napoleão ordenaria a retirada. Esta operação mostrou-se desastrosa devido ao rigor do Inverno e à falta de abastecimento e apoio logístico. Em 30 de Dezembro, o exército, reduzido a cerca de 50 mil homens, cruzaria o Niemen de volta. 

Após a rejeição por parte do czar Alexandre I do Bloqueio Continental proposto por Napoleão, o imperador francês ordena que o seu Grande Armée, a maior força militar até então reunida, preparasse a invasão da Rússia. O enorme exército incluía tropas de todos os países europeus sob o domínio do império francês.

Durante os primeiros meses da invasão, Napoleão foi forçado a combater contra um aguerrido exército russo em constante recuo. Recusando-se a confrontar-se com todo o seu potencial perante as forças de Napoleão, as tropas russas sob o comando do general Mikhail Kutuzov aplicava a estratégia de terra arrasada, queimando tudo à medida que recuava cada vez mais profundamente em território russo. Em 7 de Setembro, travou-se a inconclusa batalha de Borodino em que ambas as partes sofreram terríveis baixas. Em 14 de Setembro, Napoleão chega às portas de Moscovo na esperança de lá encontrar os suprimentos de que necessitava crucialmente. Porém, ao investir, encontrou a cidade com quase toda a população evacuada e o exército russo novamente a recuar. Logo no começo da manhã seguinte, patriotas russos abrem fogo por toda a cidade e os quartéis de Inverno do Grande Armée são destruídos.

Depois de esperar um mês pela rendição, que nunca aconteceu, Napoleão, deparando-se com a chegada do intenso Inverno russo, viu-se obrigado a ordenar que o seu famélico e exausto exército deixasse Moscovo em retirada.

Durante a desastrosa retirada, o exército de Napoleão sofreu um contínuo assédio de um repentinamente agressivo e impiedoso exército russo. Acossado pela fome e pelas investidas mortais dos cossacos, o dizimado exército alcança as margens do rio Berezina, no final de Novembro, mas vê o seu caminho bloqueado pelas tropas russas. Em 27 de Novembro, forçou a passagem pelo rio Studenka ("gelado", em russo) e, quando o grosso do exército atravessou o rio dois dias depois, foi obrigado a queimar as pontes provisórias atrás de si, abandonando à sua própria sorte cerca de 10 mil soldados perdidos no outro lado do rio.

A partir dali, a retirada tornou-se praticamente uma fuga. Em 8 de Dezembro, Napoleão permitiu que o que restou do seu exército retornasse a Paris. Seis dias mais tarde, finalmente o Grande Armée escapou da Rússia, tendo sofrido uma perda de mais de 600 mil homens durante a desastrosa invasão.
Fontes:Opera Mundi
wikipedia (imagens)
1024px-Vereshagin.Napoleon_near_Borodino
Napoleão e as suas tropas próximo de Borodino 

sexta-feira, 23 de junho de 2017

PF conclui que não houve edição em áudio de conversa entre Temer e Joesley

PF conclui que não houve edição em áudio de conversa entre Temer e Joesley:



temer-joesley.jpg


O Estado apurou que o laudo sobre a gravação aponta para mais de 100 interrupções, mas que nenhuma delas foi causada por agente externo ou realizada posteriormente à gravação.


ESPECIAL PARA MULHERADA FURIOSA - PF apreende pelo menos 15 joias na casa de cunhada do ex-governador Cabral

PF apreende pelo menos 15 joias na casa de cunhada do ex-governador Cabral:



Imagem: Reprodução
A Polícia Federal apreendeu pelo menos 15 joias em endereço ligados a Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), na manhã desta sexta-feira (23). A ação é um aprofundamento da Lava Jato. O objetivo da operação é a localizar 149 de um total de 189 joias que teriam sido compradas para lavar dinheiro de corrupção.

PF apreende pelo menos 15 joias na casa de cunhada do ex-governador Cabral
Objetivo da operação era localizar 149 joias, de um total de 189 peças que teriam sido compradas pelo casal para lavar dinheiro de corrupção.
Por Arthur Guimarães e Cristina Boeckel, RJTV e G1 Rio

23/06/2017 06h51 Atualizado há 3 horas




PF recolhe 15 joias no apartamento da irmã de Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral

A Polícia Federal apreendeu pelo menos 15 joias em endereço ligados a Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), na manhã desta sexta-feira (23). A ação é um aprofundamento da Lava Jato. O objetivo da operação era localizar 149 de um total de 189 joias que teriam sido compradas para lavar dinheiro de corrupção.

Os agentes vasculharam o apartamento da cunhada do ex-governador, em Ipanema, Zona Sul do Rio, por mais ou menos uma hora e meia. Foi a própria Nusia Ancelmo quem recebeu os policiais federais. A PF já sabe que algumas joias apreendidas foram compradas por Adriana e teriam sido dadas de presente a uma sobrinha, filha de Nusia.

Agora, os agentes querem descobrir se as outras também pertencem à ex-primeira-dama ou se são da irmã dela, mas foram pagas com dinheiro da propina.

Nusia era funcionária do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), de onde pediu exoneração em dezembro do ano passado. Ela era lotada, desde 2010, no gabinete do conselheiro Aloysio Neves Guedes, que foi eleito presidente do TCE. A irmã de Adriana Ancelmo tinha um salário bruto de R$ 17,2 mil.


Joias apreendidas na manhã desta sexta-feira na casa de Nusia (Foto: Reprodução)

Os agentes também fizeram buscas no apartamento onde vive a ex-governanta de Adriana, Gilda Maria de Souza Vieira da Silva, na Rua Lopes Quintas, no Jardim Botânico.

De acordo com o Jornal Hoje, a Polícia Civil recebeu informações de que a ex-governanta do casal esteve em uma das joalherias da qual os patrões eram clientes e deixou uma pulseira para avaliação. A Polícia Civil avisou à PF. Essa semana, Gilda apresentou versões contraditórias sobre a origem da joia.


Joia apreendida no apartamento da irmã de Adriana Ancelmo em Ipanema (Foto: Reprodução)

Além da pulseira, ela entregou à polícia um par de brincos, que seriam da ex-primeira-dama. Os policiais não encontraram nada no apartamento dela, mas a busca continua.

Se o ex-governador e Adriana Ancelmo forem condenados, as joias apreendidas serão leiloadas e o dinheiro será devolvido aos cofres públicos.


Agentes fazem buscas em prédio em Ipanema (Foto: Paulo Mário Martins / TV Globo)

Ex-governador está preso há 7 meses
Cabral está preso desde novembro do ano passado, quando foi alvo da Operação Calicute. Até então, as investigações tinham levado à apreensão de 40 joias no apartamento do ex-governador, que foram avaliadas em R$ 2 milhões.

Segundo as investigações, joias e pedras preciosas compradas pelo casal são, sim, prova de crime. Adriana e Sérgio gastaram mais de R$ 11 milhões em joalherias, e a maioria das peças ainda não foi encontrada.


Policiais chegaram por volta das 6h ao prédio na Rua Lopes Quintas, no Jardim Botânico (Foto: Cristina Boeckel / G1)

Adriana chegou a ser presa em dezembro do ano passado, por ordem do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. No despacho, o magistrado citou o fato de 149 das 189 joias que foram compradas pelo casal não terem sido localizadas como um dos motivos para a prisão.

"Embora as investigações tenham identificado registros nas joalherias investigadas de que Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo adquiriram pelo menos 189 joias desde o ano 2000, somente 40 peças foram apreendidas pela Polícia Federal por ocasião das buscas e apreensões, as quais foram encontradas no cofre do quarto da residência do casal", afirmou o magistrado.

A ex-primeira-dama ganhou o direito a cumprir prisão domiciliar no fim de março. Desde então, ela está no apartamento no Leblon onde vivia com o ex-governador.



Joias aprendidas na época da prisão de Adriana Ancelmo e Sérgio Cabral. A maioria das peças continua desaparecida (Foto: Fantástico)
Outro processo

Neste mês, Adriana foi absolvida pelo juiz Sérgio Moro, em Curitiba, em processo sobre lavagem de dinheiro e corrupção. O Ministério Público diz que vai recorrer e já apresentou nova denúncia.

Nessa ação, o marido de Adriana foi condenado a 14 anos e 2 meses de prisão por ter usado o cargo de governador para pedir e receber vantagem indevida. Segundo a sentença, o grupo comandado por ele recebeu propina do contrato da Petrobras com o Consórcio Terraplanagem Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), formado pelas empresas Andrade Gutierrez, Odebrecht e Queiroz Galvão. Cabral recebeu R$ 2,7 milhões do esquema.

Segundo Moro, não havia prova suficiente de autoria ou participação de Adriana Ancelmo nesse esquema. "Ela beneficiou-se da propina, pois utilizou os recursos provenientes da corrupção para aquisição de bens." Mas, ainda de acordo com o juiz, a ex-primeira-dama disse que não cuidava das compras e que a responsabilidade foi assumida por Cabral. Na denúncia que deu origem a esse processo, investigadores apresentaram notas de compras de móveis de escritório, vestidos de festas e ternos.

Palestras de Dallagnol arrecadaram R$ 219 mil para hospital de crianças com câncer

Palestras de Dallagnol arrecadaram R$ 219 mil para hospital de crianças com câncer:



687800-970x600-1.jpeg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Após dois deputados petistas apresentarem uma Reclamação contra Deltan Dallagnol no Conselho Nacional do Ministério Público, a Procuradoria do Paraná esclareceu que, além de palestras serem atividades permitidas a procuradores, que podem receber pelo valor de mercado, no caso específico de Dallagnol o dinheiro arrecadado em 2016 foi doado a uma entidade filantrópica. Foram R$ 219 mil doados a um hospital que trata o câncer infantil. 
Mais informações »


Nova perícia da Folha indica que aparelho causou falhas em áudio de Temer

Nova perícia da Folha indica que aparelho causou falhas em áudio de Temer: Uma perícia privada realizada pelo Instituto Brasileiro de Peritos (IBP) a pedido da Folha indica que as frequentes interrupções na gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer devem ter sido causadas pelo próprio aparelho utilizado para captar o áudio.
Leia mais (06/23/2017 - 18h55)


Perícia da PF conclui que não houve edição em áudio de Joesley com Temer

Perícia da PF conclui que não houve edição em áudio de Joesley com Temer: A Polícia Federal concluiu que não houve edição na gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer no dia 7 de março no Palácio do Jaburu, segundo a Folha apurou.
Leia mais (06/23/2017 - 19h35)


PICARETA DO PARTIDO SOCIALISTA EXPLICA SALÁRIO DE 957 REAIS PARA MÉDICO NO ESPÍRITO SANTO

Cachoeiro de Itapemirim é um município brasileiro do estado do Espírito Santo. Sua população é de 210 325 habitantes,[3] sendo que um pouco mais de 151 800 habitantes residem na sede e o restante nos 10 distritos: Burarama, Conduru, Córrego dos Monos, Coutinho,Gironda, Gruta, Itaoca, Pacotuba, São Vicente, e Vargem Grande do Soturno, sendo assim o quinto município mais populoso do Espírito Santo, se destacando por ser o município com mais habitantes do Sul do estado, além de ser o mais populoso município capixaba fora da Região Metropolitana de Vitória.



Se o Conselho Regional de Medicina do Estado do Espírito Santo for procurado para se manifestar, vai responder o seguinte: "faz o concurso e pega o emprego quem quiser, não temos nada a ver com isso.." E está encerrado o assunto...rsss

23 de Junho de 1894: Por iniciativa de Pierre de Coubertin, é fundado em Paris o Comité Olímpico Internacional

23 de Junho de 1894: Por iniciativa de Pierre de Coubertin, é fundado em Paris o Comité Olímpico Internacional:

No dia 23 de Junho de 1894, na Sorbonne, no coração de Paris, delegados de nove países: Bélgica, França, Reino Unido, Grécia, Itália, Rússia, Espanha, Suécia e Estados Unidos, fundam o Comité Olímpico Internacional (COI). Nascia, neste dia, os Jogos Olímpicos da Era Moderna.
Os primeiros Jogos Olímpicos, que na Antiguidade reuniam a cada quatro anos os gregos em torno de grandes competições atléticas pacíficas, tinham desaparecido catorze séculos antes, depois de mais de mil anos de existência. Porém, a sua lembrança mantinha-se bem viva na juventude ocidental, moldada pela cultura clássica.

Foi um jovem de família abastada, o barão Pierre de Coubertin, quem teve a ideia de ressuscitá-los, conferindo-lhes uma dimensão planetária. Nascido em Paris, em 1863, numa família burguesa, católica e monárquica, Coubertin estava predestinado ao ofício das armas, mas preferiu a pedagogia. Desportista, praticou o boxe, equitação, remo e esgrima.
Ele descobriu em Inglaterra a prática de desportos em conjunto com os estudos e a formação das elites, e ficou maravilhado. Logo apresenta um projecto de renovação do sistema francês de ensino : A Reforma Social. A ideia de que o desporto tinha o condão de contribuir para o florescimento da personalidade e a formação do carácter era evidente. No entanto, muitos médicos e educadores a ele se opunham em nome da saúde e da disciplina.

Numa primeira conferência na Sorbonne, Coubertin adianta a decisão de "internacionalizar o desporto" a partir de 25 de Novembro de 1892. Tinha então somente 29 anos. Promoveu o seu projecto a ferro e fogo até à criação oficial do COI. Atribuiu a si próprio a missão de recriar os jogos antigos, evitando os excessos do profissionalismo que acabou por distorcer a sua finalidade original.
O comité elegeu simbolicamente um primeiro presidente grego na pessoa de Demetriou Vikelas e decidiu organizar os primeiros jogos em Atenas. A partir de 1896, Coubertin assumiria a presidência e esteve na mesma até 1925, antes de se tornar presidente de honra do COI.
Ele conseguiu ver aceite a sua ideia de que os Jogos se desenrolassem cada vez numa cidade distinta. Após Atenas deveria vir Paris em 1900. O barão esperava que os Jogos fossem estimulados pela realização concomitante da Exposição Universal, mas as suas esperanças foram vãs.
Os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna tiveram lugar em Atenas de 6 a 15 de Abril de 1896.  Reuniram 241 atletas representando 14 nações e 43 provas em 9 disciplinas. As delegações mais numerosas foram as da Grécia, França, Alemanha e Grã-Bretanha. A cerimónia de abertura teve a assistência de mais de 50 mil pessoas. Os participantes deveriam ser amadores, salvo os praticantes de esgrima, atraídos pela "beleza do desporto" e de modo algum pelo dinheiro.
Para o barão Coubertin, como para a maioria dos seus contemporâneos, era evidente também que as mulheres não teriam lugar nas competições : "Uma olimpíada feminina seria impraticável, desinteressante, anti-estética e incorrecta (...) , Os Jogos devem estar reservados aos homens, o papel das mulheres é sobretudo o de coroar os vencedores", disse. Todavia, a partir de 1900, em Paris, elas obteriam o direito de participar de algumas provas, como ténis, golf.

A interdição de profissionais estava inscrita na Carta Olímpica. Em 1913, o norte-americano Jim Thorpe viu-se obrigado a restituir as  suas medalhas de ouro do pentatlo e do decatlo conquistadas no ano precedente em Estocolmo. Só em 1981 foi votada a supressão da referência ao amadorismo na Carta Olímpica.

Aos poucos, o barão impôs a sua concepção de desporto como meio de desenvolvimento individual e instrumento de coesão social. E conseguiu, acima de qualquer expectativa. O desporto e os próprios Jogos Olímpicos viriam a ser estimulados pelos governantes ávidos de preparar a juventude para os seus deveres cívicos e militares, de tal sorte que nos Jogos de Berlim em 1936, sob o patrocínio do Führer, os valores dos jogos conviveram com o culto do super-homem tal como praticavam os nazis.

Os Jogos Olímpicos conheceriam ainda numerosas afrontas ligadas ao contexto político do momento – México, Munique, Moscovo, Los Angeles – mas conseguiram superar os obstáculos por força da esperança que persiste em todos os homens de boa vontade, que defendem a paz, a fraternidade e o fairplay.

Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)
640px-Baron_Pierre_de_Coubertin.jpg
Barão Pierre de Coubertin
Athens_1896_report_cover.jpg
Cartaz dos Jogos da I Olimpíada da Era moderna, Atenas , 1896
Os membros do Comité Olímpico Internacional
Albert_Meyer_4_Olympia_1896.jpg